Igreja indemniza

Vítimas de abusos em França receberão até 60 mil euros

| 3 Jun 2022

Abusos sexuais, França, Lourdes

Imagem do memorial das vítimas de abusos sexuais do clero em França, no exterior da Igreja de Santa Bernadette, em Lourdes. Imagem captada da transmissão em directo da KTO, a 5 de novembro de 2021, durante a celebração de memória e penitência no âmbito da assembleia plenária da Conferência dos Bispos de França.

 

A Igreja Católica em França compensará as vítimas de abuso sexual por padres com uma verba até 60 000 euros. O anúncio da decisão foi feito por Marie Derain de Vaucresson, presidente da Instância Nacional Independente para o Reconhecimento e Reparação (INIRR), citada pelo jornal Le Figaro. 

Este limite, acrescenta a mesma responsável, está muito acima da compensação feita pela justiça civil, que fica pelos 25 000 euros, e é também “mais elevado” do que os montantes concedidos para os mesmos casos por outras igrejas na Europa.

A INIRR, criada pelos bispos franceses na sequência das recomendações do relatório Sauvé, foi criada em Janeiro. Até terça-feira passada, 31 de Maio, tinha recebido 735 pedidos de vítimas, 69% das quais eram homens, com idades entre os 55 e os 70 anos, diz a mesma fonte. 

O Figaro acrescenta que a INIRR trata cada caso de forma personalizada e confidencial, com uma pessoa encarregue de investigar os factos e avaliar responsabilidades e danos. Depois, um grupo de dez especialistas, todos voluntários (psicólogos, advogados, magistrados, médicos e um padre) toma a decisão final, podendo esta ser a de uma “indemnização financeira”, dependendo dos pedidos da vítima. 

Apenas “um pouco mais de metade” das 735 vítimas pediu dinheiro, diz Marie Derain de Vaucresson. A INIRR propõe outras formas de reconhecimento, como uma “cerimónia simbólica” ou um “acompanhamento de apoio”. Ao mesmo tempo, esta estrutura estabeleceu uma “escala de gradação da gravidade da situação” com três eixos: os actos de violência sexual (entre, por exemplo, a exposição sexual e as “múltiplas violações durante mais de cinco anos”); as falhas na prevenção ou no tratamento pela hierarquia (da “hostilidade activa” e “manipulação” da vítima até à apresentação do caso em tribunal); as consequências para a saúde (da “perturbação” imediata sem mais consequências até à “perturbação duradoura” com hospitalização). 

A Instância Independente considera, no entanto, que “o princípio da reparação financeira nunca compensa a vítima na mesma medida do que esta sofreu”.

François Devaux, fundador da La Parole Libérée (“A Palavra Libertada”, uma associação de vítimas) critica o sistema: “A violação é um crime! E é tudo. O que quer a Igreja comprar? A sua responsabilidade?” Ainda no Figaro, o padre Stéphane Joulain, psicoterapeuta especialista neste campo, afirma: “A questão do reconhecimento é muito delicada. Mesmo que seja significativo, continua a ser simbólico. Evidentemente, um símbolo nunca será equivalente ao trauma sofrido. Mas este gesto pode, no entanto, ajudar a virar a página.”

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This