40.000 propostas de ação

Viver o processo sinodal na diocese de Seul, Coreia

| 19 Jun 2022

Nave principal da catedral de Myeongdong. Foto © Jezael Melgoza | Unsplash

Nave principal da catedral de Myeongdong, em Seoul. Foto © Jezael Melgoza | Unsplash

 

A arquidiocese de Seul, na Coreia do Sul, realizou no domingo dia 12 uma celebração de encerramento da fase de escuta sinodal, na qual foi apresentada uma síntese que incorpora o trabalho de 6.038 pequenos grupos e reuniões, em 174 das 232 paróquias, dos quais resultaram 40.000 propostas, segundo relato da agência Fides, e da consulta da síntese diocesana já disponibilizada.

O que a agência não conta é a dificuldade que houve, da parte dos agentes da pastoral local, para levar a compreender o que se pretendia com o sínodo sobre a sinodalidade e sobre a atitude, que se pedia, de “abertura ao Espírito Santo”.

Tanto quanto o motor de tradução do Google permite compreender, a leitura da síntese diocesana, que se encontra em coreano, refere que a primeira dificuldade foi a da falta de tempo para fazer o trabalho de preparação e de lançamento dos pequenos grupos. Mas essa dificuldade foi em certa medida superada, com a decisão do Vaticano de alargar o período da auscultação das dioceses.

 

“O que é o Espírito Santo?”

Os grandes obstáculos, segundo a síntese, foram de natureza “cultural/linguística”. Desde logo, sobre o que entender por sinodalidade. “Houve uma dificuldade, fundamental e prática, de transmitir o rico significado de ‘synodalitas’, um termo baseado em línguas europeias, para ser plenamente entendido dentro da igreja coreana”, refere o documento.

Nas igrejas coreanas ou asiáticas, andar “juntos, uns com os outros” já é uma maneira de viver na vida cotidiana. Portanto, foi difícil explicar como é que “as experiências de trabalhar juntos, dançar juntos, cantar juntos e viver juntos” se poderiam pôr em “conexão com o conceito de sinodalidade”.

Outra dificuldade foi como compreender “a experiência do Espírito Santo connosco, na nossa vida diária em termos concretos de vida”. É que, segundo se depreende da tradução da síntese “não há conceito relacional que possa explicar o Espírito Santo ‘paráclito’ no quadro cultural da igreja coreana ou da igreja asiática”. Embora o conceito de família possa compreender Deus como Pai e Jesus como Filho de Deus, a relação entre eles “não é familiar”. Procurando explicar melhor: “Acreditamos e sabemos que ‘Deus está connosco e que Jesus Cristo nos salvou’. No entanto, tem sido difícil encontrar e expressar como é que o Espírito Santo (…) permanece connosco, nos guia e está presente nas nossas vidas”.

Finalmente, é-nos dito que foi difícil o desafio sinodal de conversar em reunião de pequeno grupo. Segundo a síntese da diocese de Seul, “a sociedade coreana, marcada pela cultura confucionista, valoriza a idade e a polidez. Além disso, devido à influência da experiência da divisão da Coreia do Norte e do Sul e do confronto ideológico, o padrão de diálogo traduz-se por uma forma de ensinar a outra parte por meio do argumento e da persuasão, ao invés do respeito e da escuta, ou apontar e criticar erros”.

Além disso, é também referido que as mudanças e o crescimento na sociedade coreana, que se tornou rapidamente uma sociedade desenvolvida, originaram assimetrias entre gerações e entre classes, com diferenças de valores que estão a “dificultar a comunicação por meio do diálogo e da escuta da história da outra pessoa”.

 

Jovens recusam posição subalterna na Igreja

Relativamente ao conteúdo dos encontros dos pequenos grupos, registam-se algumas preocupações e propostas, a título indicativo:

– a Igreja continua a ser uma ‘estrutura vertical e fechada’ que “se expressa em termos de autoritarismo, pois dá a impressão de que os fiéis têm dificuldade em se acercar do clero”.

– Criou-se entre os crentes “a perceção negativa de que a igreja não é um lugar para ouvir e viver uma vida espiritual, mas um lugar para instruir e impor”.

– Há casos de irmãos e irmãs já há muito tempo a trabalhar na Igreja que mostram atitudes de exclusão e até de discriminação em relação aos recém-chegados ou batizados.

– Muitos participantes expressaram preocupação com o envelhecimento da comunidade da igreja e mencionaram a necessidade e o esforço para revitalizar o cuidado com crianças e jovens.

– Os jovens sentiram um grande fardo com as atividades paroquiais e reclamaram que estavam espiritualmente cansados por terem apenas funções auxiliares na comunidade. Querem participar nos conselhos pastorais, expressar as suas opiniões com ousadia.

– Como muitas atividades na igreja são feitas por mulheres, isso rompe com a perceção social patriarcal existente. Mas ao mesmo tempo falta pesquisa e apoio a atividades que respeitem e promovam a dignidade da mulher na igreja e fornecer ajuda às vítimas de violência doméstica, exploração sexual, prostituição, aborto, etc.

–  A Arquidiocese de Seul ouviu as opiniões das pessoas LGBT que sentem dificuldades para serem aceites pela igreja. Destacaram o problema do suicídio de jovens LGBTQ, em geral, e de jovens LGBTQ que são crentes, em especial.

– O arcebispo de Seul e administrador apostólico de Pyongyang procurou ouvir as opiniões dos desertores norte-coreanos, que se queixam de falta de acompanhamento.

– Identificou-se que a razão para a falta de “consciência missionária” e passividade na sua implementação se devia a ‘não haver um estabelecimento firme de identidade como cristão’.

 

Na eucaristia de encerramento, realizada na catedral de Myeondong, o arcebispo local, Peter Chung Soon-taick, O.C.D, que é também administrador apostólico de Pyongyang, capital da Coreia do Norte, expressou a sua gratidão a todos os que participaram nesta fase diocesana da jornada sinodal, “especialmente às mulheres, aos deficientes, aos refugiados norte-coreanos, aos migrantes e a todos os jovens que se manifestaram, oferecendo as suas opiniões enquanto filhos de Deus, para promover e construir uma Igreja verdadeiramente sinodal”.

Cerca de 30 pessoas de diferentes situações e estados da vida eclesial integraram o cortejo litúrgico, precedendo o arcebispo a caminho do altar.

O arcebispo vincou que a fase diocesana do caminho sinodal “não é o fim, mas apenas o começo de uma Igreja sinodal”. As dificuldades com o Espírito Santo e o mistério da Trindade talvez expliquem a insistência do arcebispo neste tema, quando salientou que “o Espírito Santo foi o protagonista da fase diocesana do Sínodo da sinodalidade e continuará a sê-lo até a conclusão de todo o processo sinodal”.

 

Maioria da população não tem religião

Segundo dados da Wikipedia, que cita como fontes o conceituado Pew Research Center (dados de 2010) e o recenseamento feito no país em 2015, a maioria da sociedade sul-coreana, sobretudo entre as gerações mais novas, declara não pertencer a uma confissão religiosa. Os cristãos são a confissão maioritária (27,6 por cento, dos quais 19,7 por cento protestantes e 7,9 por cento católicos). Os budistas representam 15,5 por cento.

Ainda segundo a mesma fonte, antes da divisão da península da Coreia em dois países, no fim da Segunda Guerra Mundial, os cristãos viviam sobretudo no Norte. Com a divisão e o regime dominante na Coreia do Norte, muitos fugiram para a Coreia do Sul.

Segundo a Wikipedia, o peso do xamanismo tradicional deve ser bem mais forte do que sugerem os inquéritos e recenseamentos, visto que o Estado sul-coreano desenvolveu políticas orientadas para a sua marginalização, o que terá levado também ao “fortalecimento do cristianismo e ao renascimento do budismo”.

 

OBS – Não foi possível validar as citações que resultaram da utilização do tradutor automático da Google.

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This