Nas margens da filosofia (LIV)

Voltando a lembrar a Manuela Silva

| 31 Mai 2023

“Nesta sessão de homenagem referi também a abertura à novidade que a Manuela sempre mostrou ao longo da vida, e lembrei a correspondência que trocámos sobre a hipótese de aproveitar a robótica para as éticas do cuidado, o que mostra bem o interesse da Manuela por tudo quanto era inovação.” Foto © Fundação Betânia

 

Para a programação das suas conferências de Maio deste ano, o Centro de Reflexão Cristã escolheu o título Fé cristã, profecia e cidadania: quatro legados para o século XXI. E propôs-se lembrar quatro figuras marcantes nesta área: Aristides de Sousa Mendes, Maria de Lourdes Pintasilgo, Alfredo Bruto da Costa e Manuela Silva.

Nesta última sessão, ocorrida a 24 de Maio, os intervenientes foram Fernando Gomes da Silva, seu amigo e colega em muitas das actividades em que conjuntamente se viram envolvidos, Rita Beirão da Veiga, que com ela colaborou afincadamente na Rede Cuidar da Casa Comum, da qual é presidente depois da morte da Manuela, e eu própria, enquanto participante activa no início desta instituição e presentemente membro do Foco de Conversão Ecológica da Capela do Rato, uma concretização da Rede.

As três intervenções foram, como era de esperar, diferentes – Fernando Gomes da Silva lembrou a sua longa amizade e colaboração com a Manuela, elogiando a frontalidade, a coragem e a resiliência com que desempenhou os cargos políticos que lhe foram atribuídos ao longo dos anos e traçando-nos o perfil de alguém que sempre se bateu pela justiça, procurando melhorar as condições dos mais desfavorecidos e lutando pelos seus direitos. A Rita Veiga debruçou-se sobre a Rede Cuidar da Casa Comum, falando-nos do entusiasmo da Manuela pela criação desta rede ecológica, numa linha de resposta ao desafio que nos colocou a encíclica Laudato Si’.

Ao preparar a minha intervenção verifiquei que era a sétima vez que iria falar da Manuela e que certamente me repetiria. Optei por orientar a minha homenagem apresentando concretamente algo que a Manuela não chegou a conhecer – o Foco de Conversão Ecológica da Capela do Rato – mas que foi uma das consequências da sua preocupação em criar grupos de espiritualidade ligados à Natureza. Daí ter iniciado a minha exposição, falado do modo como este Foco foi criado. Trata-se de um grupo que se formou já depois da morte da Manuela e que na leitura e comentários partilhados da Laudato Si’ tem descoberto caminhos de resposta a uma economia celebrativa da vida. Estou segura de que a Manuela gostaria do modo como o Foco tem funcionado, ela que se empenhou em   divulgar a mensagem papal em diferentes zonas do país onde promoveu sessões de apresentação da Rede Cuidar da Casa Comum, numa tentativa de alterar comportamentos e de promover uma maior vivência de uma ecologia integral. Esta actividade deu fruto, pois os Focos de Conversão Ecológica multiplicaram-se, mantendo-se fiéis às orientações gerais que presidiram à sua criação, mas manifestando um cunho próprio nas actividades que vão realizando.

Penso que a Manuela ficaria contente com o trabalho feito pelo Foco da Capela do Rato, um grupo empenhado no estudo e na meditação mas também aberto à comunidade, convidando-a à descoberta do meio envolvente – uma das actividades mais recentes foi uma visita guiada aos Jardins da Gulbenkian, de modo a perceber as intenções que levaram à sua concepção por parte de arquitectos paisagistas de renome.

Nesta sessão de homenagem referi também a abertura à novidade que a Manuela sempre mostrou ao longo da vida, e lembrei a correspondência que trocámos sobre a hipótese de aproveitar a robótica para as éticas do cuidado, o que mostra bem o interesse da Manuela por tudo quanto era inovação. E ainda na linha do cuidado lembrei, de um modo pessoal, o modo como me ajudou a resolver um problema, mostrando a sua capacidade de atenção aos outros e de empenhamento concreto nas suas vidas.

Penso no entanto que, para além das participações previamente programadas, a riqueza maior desta sessão de homenagem foi a participação do público que, com lembranças pessoais e de um modo espontâneo, também quis dar testemunho da sua amizade pela Manuela e do modo como ela estivera presente nas suas vidas. E assim, quando a sessão se aproximava do fim, criou-se um novo registo de partilha de recordações, partilha essa feita pelos amigos e amigas da Manuela que espontaneamente recordaram episódios em que ela ocupara um lugar determinante nas suas vidas, nas opções que tomaram, nas leituras e estudos que fizeram devido aos desafios por ela propostos.

De repente, deixou de haver diferença entre os conferencistas e o público e todos se encararam como amigos da Manuela, partilhando vivências comuns. E lembro no final o testemunho tocante de uma habitante da Benedita, onde a Manuela desenvolvera uma acção social relevante para o desenvolvimento da população local. Conhecíamos este episódio que nos fora relatado pela própria Manuela como sendo um dos aspectos que recordava com agrado. Ver e ouvir uma pessoa que estivera envolvida nessa acção social e que se lembrava da Manuela com saudade comovida, foi o melhor final para esta sessão de homenagem. E certamente que este testemunho foi uma óptima concretização do desiderato das Conferências de Maio promovidas pelo CRC, onde foram lembrados diferentes legados relativos à fé cristã, à profecia e à cidadania.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This