Voltar a casa – limpeza de Primavera

| 29 Mar 2021

Regressar a casa. Escuteiros

Regresso a casa: “Terá sobrado tempo e cabeça para aprender a estar em casa?” Foto © Marta Saraiva

 

A Primavera vai dando uns sinais de não aparecer por aqui, num saudável desprezo pela data do calendário. Ainda assim, entre os dias mais claros e compridos, e mais umas horas de luz, as primeiras folhas nas árvores, vai apetecendo preparar a casa para a nova estação.

Nesta limpeza de Primavera de 2021, é impossível não regressar aos mesmos dias de 2020. Que podem ter sido ontem. Ou há seis meses. Assegurar compras essenciais, evitar beijos, abraços e toques, uma irresponsabilidade de última hora, ir reduzindo viagens e vida social até chegar ao zero. E, finalmente, recolher.

De um dia para o outro, a maioria dos gestos quotidianos – desde o ir ao multibanco ao pedir um café – tornou-se inútil. Sobraram os que geralmente passam despercebidos, ou seja, todos os gestos “domésticos”. Pelos vistos, ia passar o tempo da Quaresma com uma quase desconhecida: a casa.

Enquanto o mundo se reorganizava, houve umas semanas para reflectir na relação que mantemos com a casa onde moramos, com a ideia de casa, e em como essa relação afecta a vida espiritual. “Não temos aqui morada permanente”, é certo, mas também há algo de incómodo nos 40 anos que o povo de Israel precisa para chegar à Terra Prometida ou nas andanças de Jesus, Maria e José pelo Egipto.

Tendo vivido a vida toda em cidades, foi rápido reconhecer que passamos, por definição, muito tempo na rua. Horas a ir e vir de escolas, universidades e trabalhos, cargas lectivas e laborais pesadas, chegar tarde, trabalhos de casa, tarefas domésticas, jantar, algum tempo livre, dormir (pouco), e recomeçar na manhã seguinte. Ao fim- de-semana, espairecer, fazer programas. Não poucas vezes, toda esta coreografia dá-se em cidades atoladas em ruído e em trânsito, luz artificial e poucos espaços verdes. Terá sobrado tempo e cabeça para aprender a estar em casa?

Nos primeiros dias, o ritmo manteve-se mecânico e funcional, como se os horários rígidos e os compromissos inadiáveis que impõem despachar um almoço em vinte minutos ou arrumar a sala em quinze se mantivessem. Mais revelador foi perceber que uma imbecil série da Netflix aparentava ser mais urgente e mais importante do que o tratar e gozar a casa. Será que inconscientemente fomos formatados para não valorizar a casa e o estar em casa?

Assumindo o exagero da hipótese, a casa terá sido a grande perdedora da inevitável emancipação feminina e da entrada das mulheres no mercado de trabalho. O ter sido inevitável não significa que tenha sido isenta de perdas inconsequentes. Em paralelo, a vida foi-se orientando para o exterior, para o entretenimento e para o consumo, e a casa terá adquirido o estatuto de espaço sem história, mas que é necessário manter. Só que esse espaço sem história é, por excelência, o laboratório onde nos auto-impomos e testamos limites e nos confrontamos com necessidades tão elementares como a alimentação e o descanso. Será que cozinhamos o suficiente, para o nosso bem-estar espiritual?

Pelo meio da Quaresma, o frenesim acalmara e os horários estavam ajustados aos da luz do Sol (quelle surprise). Caiu a ficha de que o Evangelho está cheio de casas, a de Nazaré, a dos irmãos de Betânia, a de Zaqueu e, obviamente, a da Última Ceia – espanta sempre que tudo tenha começado num jantar –, a do Pai do Filho Pródigo. Não será por acaso que alguns dos episódios mais marcantes aconteçam em casas, como a disputa entre Marta e Maria, a refeição a seguir ao chamamento de Mateus, ou a que Maria interrompe com o perfume que se espalha pela casa. E a Anunciação, que acontece num dia igual a tantos.

O que quer que estes exemplos convoquem, apelam a uma vivência espiritual radicada no quotidiano, na relação consciente de intimidade com os espaços que habitamos, muito corpórea e sensorial. É fácil, nesta era digital, simultaneamente racionalista e sentimentalista, distrairmo-nos e cair numa religiosidade espiritualista e intelectualizada, simbólica, mas desencarnada.

Santa Teresa de Ávila dizia que Deus andava pelo meio dos tachos. Provavelmente, tinha razão.

 

Marta Saraiva é diplomata, exercendo actualmente funções na Missão de Portugal junto do Conselho da Europa.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu

[Margem 8]

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu novidade

O Simão ainda tem o tamanho de menino que consegue caminhar por baixo da mesa de jantar. Inclina um bocadinho a cabeça, risonho, e passa de um lado ao outro com as suas aventuras. Tem os olhos que são todo um convite para o mundo. A vida é atraída por aqueles olhos e vai por ali adentro em torrente, com o entusiasmo de um ribeiro.

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria novidade

Na minha infância este tempo era lúgubre, como um véu de tristeza que tudo cobria, nos rostos dos fiéis, nas decorações, na exaltação do sofrimento. Nunca o compreendi nem me associei até que as amêndoas, doces e o início da primavera me salvavam. Na ortodoxia, a Páscoa celebra-se este ano no dia 16 de Abril de 2023.

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras

Igreja Católica solidária

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras novidade

O Brasil mobiliza-se para salvar o povo Yanomami e o seu território, abandonado pelos serviços do Estado e atacado pelos garimpeiros e os interesses que estão por detrás deles, nas últimas décadas. O ataque foi tão brutal que as novas autoridades de Brasília já falam em genocídio. O Supremo Tribunal de Justiça, o Presidente brasileiro, o Exército, e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) são algumas das entidades que têm mobilizado esforços, nas últimas semanas, para acudir a uma situação que além de crise humanitária é considerada também “uma tragédia ambiental”.

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!”

Francisco no Sudão do Sul

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!” novidade

As ruas estão mais limpas que nunca, algumas foram alcatroadas, e a uma delas até lhe mudaram o nome: agora chama-se Rua Papa Francisco. A cidade de Juba está a postos para receber aquela que é a primeira viagem de um Pontífice ao mais jovem país do mundo, o Sudão do Sul, e entre os milhares que vão procurando um lugar para ver o Papa passar há um grande desejo comum: o de que esta visita contribua, definitivamente, para a paz.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This