Voltar

| 11 Jan 2019

Voltar

| 11 Jan 19

Vamos. Mas não sem pensar em voltar. Pelo menos comigo, é assim. E diria que, para qualquer outro expatriado, como agora se lhes chama, será igual. Fazer planos, cenários; perceber as possibilidades. Faz parte da condição de o ser.

O primeiro-ministro do meu país até queria que eu voltasse. E concretizou uma série de medidas de incentivo no Orçamento de Estado deste novo ano. Ora eu, que não precisaria de nenhum incentivo para voltar para a minha terra, pus-me a pensar no assunto outra vez. Não por causa dos 50%, dos três ou dos cinco anos, mas porque gosto do meu país. Foi o “trigger”, digamos assim, que não me vem agora o termo certo em português.

Saímos, fez dois anos, numa altura em que achei que a mudança era benéfica para mim e para a minha família. Não vou mentir, as contrapartidas financeiras pesaram, mas não foi só isso. O desenvolvimento pessoal de cada um de nós, individualmente e como grupo familiar, seria o mais importante.

Lembro-me muitas vezes do meu tio Afonso e tento imaginar a vida que teve por estas bandas da Ásia em meados do século passado. Viver num país que não é o nosso obriga-nos a um ajustamento a novos códigos de que não é possível apercebermo-nos quando viajamos por pequenos períodos de tempo.

Perceber que existem muitas maneiras diferentes de ver o mundo e de estar neste mundo. Aprender isso. Aprender a ser mais tolerante, adaptarmo-nos a uma vida diferente e superar as exigências do dia-a-dia enriquece-nos e torna-nos mais resilientes. As minhas filhas hão de reconhecê-lo um dia, espero eu.

Como dizia Clara Ferreira Alves numa das suas crónicas, após uma viagem à Ásia, Portugal abandonou o Império que construiu por aí ao longo de muito séculos. Eu até gostaria de ficar mais tempo para ter a oportunidade de conhecer melhor os vestígios dessa presença. Bem, não são só vestígios e não são só os pastéis de nata, claro.

Mas também gostaria de voltar. A distância, que hoje se desvanece mais facilmente com as novas tecnologias e com a rapidez com que se viaja, não deixa de existir. Estar longe da família, dos amigos, perder os momentos de partilha do dia-a-dia, de alegria e de tristeza, de convívio, os momentos difíceis…

Voltámos no Natal, sabendo que é só uma panaceia para aliviar a vontade de voltar em definitivo. Voltar à nossa terra, perceber que está tudo no mesmo sítio, dá-nos, por outro lado, um sentimento de segurança.

Tentar recuperar a ausência de muitos meses junto da família e dos amigos é também um desafio impossível de ultrapassar. Regressamos ao trabalho após este período, que também deveria ser de descanso, com algum sentimento de frustração e com a sensação de que a nossa vinda e o tempo que estamos juntos dos nossos nunca são suficientes.

Vamos tendo a certeza de que voltar é sempre o objetivo último desta nossa aventura e já com os olhos postos no fecho do próximo ciclo de idas e vindas.

Porto, 3 de janeiro de 2019

André Vasconcelos Alves é arquiteto, expatriado no Sri Lanka

Breves

Boas notícias

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas

Após quatro anos de detenção

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas

Após quatro anos de detenção, a jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas. Numa mensagem divulgada esta terça-feira, 11 de junho, a Amnistia Internacional apela às autoridades chinesas que garantam que Zhang Zhan seja autorizada a circular livremente e a comunicar com pessoas dentro e fora da China, e ainda que ela e a sua família não fiquem sujeitas a vigilância ou assédio, devendo ter pleno acesso a tratamento médico após a sua experiência traumática.

Outras margens

Cultura e artes

“Montesinho é um ambiente excecional para trabalhar a música”, diz Matilde Loureiro

Festival Música na Paisagem

“Montesinho é um ambiente excecional para trabalhar a música”, diz Matilde Loureiro

Debaixo de um enorme castanheiro, duas jovens músicas tocam uma peça de Mozart escutada por uma roda de oito dezenas de pessoas – é o Festival Música na Paisagem que desde 2019 acontece todos os anos na aldeia de Montesinho, no norte do conselho de Bragança. Em entrevista ao 7MONTES, Matilde Loureiro, diretora artística do festival, recorda como nasceu esta iniciativa que leva a música clássica aos lugares mais quotidianos da aldeia de Montesinho onde há “um ambiente excecional para trabalhar e aprender música”.

Beethoven no Música na Paisagem

Festival a 7 e 8 de setembro

Beethoven no Música na Paisagem

O Festival Música na Paisagem decorre este ano em Montesinho e na Espinhosela, nos dias 7 e 8 de setembro, e Beethoven é o compositor central de um programa que ainda está a ser ultimado, mas que o 7MONTES sabe incluirá ainda obras de outros compositores do período barroco e moderno.

Pessoas

Nuno Isidro e Alexandre Palma serão os novos bispos auxiliares de Lisboa

Nomeação anunciada sexta-feira

Nuno Isidro e Alexandre Palma serão os novos bispos auxiliares de Lisboa

O diretor espiritual do Seminário dos Olivais, padre Nuno Isidro, e o recém-nomeado presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, padre Alexandre Palma, serão os novos bispos auxiliares de Lisboa. A nomeação pelo Papa foi conhecida esta sexta-feira, 14 de junho, e a ordenação está agendada para o dia 21 de julho, no Mosteiro dos Jerónimos.

Sete Partidas

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Na Calábria, com Migrantes e Refugiados

Na Calábria, com Migrantes e Refugiados novidade

Estou na Calábria com vista para a Sicília e o vulcão Stromboli ao fundo. Reunião de Coordenadores das Redes Internacionais do Graal. Escolhemos reunir numa propriedade de agroturismo ecológico, nas escarpas do mar Jónio, da antiga colonização grega. Na Antiguidade, o Mar Jónico foi uma importante via de comércio marítimo.

Construtores de Paz

Construtores de Paz

No rescaldo da II Guerra Mundial, várias instituições foram criadas para que uma tragédia como essa não voltasse a repetir-se. Entre elas, destacam-se a Organização das Nações Unidas e a que mais tarde viria a ser designada União Europeia. Uma nova era se abria, em que o espectro da guerra como via normal de resolução de conflitos internacionais (cenário comum ao longo dos séculos e até então) seria afastado. [Texto de Pedro Vaz Patto]

Frei Bernardo de Vasconcelos e o I Congresso Eucarístico Nacional (1924)

Frei Bernardo de Vasconcelos e o I Congresso Eucarístico Nacional (1924)

No rescaldo dos dias de graça, intensos e maravilhosos, do V Congresso Eucarístico Nacional (31 de Maio a 2 de Junho 2024), organizado pela  Arquidiocese de Braga, cidade que organizou e recebeu também o I Congresso Eucarístico Nacional  em 1924, contando com a presença de tantos ilustres Servos de Deus, gostaríamos de dar a conhecer algumas notas da participação do Venerável monge poeta Bernardo Vaz Lobo Teixeira de Vasconcelos. [Texto de Mário Rui de Oliveira]

Fale connosco

Guerra e Paz: angústias e compromissos

Um ensaio

Guerra e Paz: angústias e compromissos novidade

Este é um escrito de um cristão angustiado e desorientado, e também com medo, porque acredita que uma guerra devastadora na Europa é de alta probabilidade. Quando se chega a este ponto, é porque a esperança é já pequena. Manda a consciência tentar fazer o possível por evitar a guerra e dar uma oportunidade à paz. — ensaio de Nuno Caiado

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This