“Uma ética sexual renovada”

Votação dos bispos causa rutura no Caminho Sinodal alemão

| 8 Set 2022

eorg batzing caminho sinodal alemao foto © Synodaler WegMaximilian von Lachner

O bispo Georg Bätzing lamentou que os seus pares não tivessem sido capazes de dar voz às divergências. Foto © Synodaler Weg/Maximilian von Lachner.

 

 

A recusa dos “princípios de uma ética sexual renovada” originou um forte tremor de terra esta quinta-feira, em Frankfurt, no arranque da quarta e penúltima sessão do Caminho Sinodal da Igreja Católica da Alemanha. A votação deu-se a meio da tarde, na sequência de uma série de perto de duas dezenas de intervenções e tinha por base um dos documentos “fundacionais” do Sínodo, o qual se encontrava já em segunda leitura, incorporando críticas, sugestões e aprofundamentos surgidos dos debates e sessões de escuta de etapas anteriores.

O texto com os “princípios para uma ética sexual renovada” parte da verificação de que os ensinamentos da Igreja acerca da sexualidade levaram e continuaram a levar muitas pessoas e famílias a situações de grande sofrimento e que as mudanças ocorridas nas nossas sociedades, nas últimas décadas, obrigam a uma reflexão aprofundada, de caráter teológico e pastoral. Assim, na parte das orientações e princípios, o documento apresenta pistas sobre temáticas tais como “a sexualidade como dom e mandato criativo”; valorização da identidade sexual na sua diversidade ao longo da vida de uma pessoa; assunção da multidimensionalidade da sexualidade humana; a fertilidade e a sua multidimensionalidade, incluindo nos casais homossexuais; a beleza vivificante do desejo sexual; a sexualidade como relação consigo mesmo e com os outros.

Quando a moderadora abriu as votações, feitas por via eletrónica, a votação geral foi expressiva: mais de 80 por cento dos 190 membros sinodais presentes pronunciaram-se pela adoção do texto em apreciação (apenas 9,5 por cento se opuseram e 8,4 abstiveram-se).

 

Parte dos bispos calou-se no debate e depois votou contra

Contudo, segundo as regras deste Caminho Sinodal, que haviam sido acertadas com o Vaticano, para que a votação fosse válida, teria de recolher também pelo menos dois terços dos votos entre os bispos sinodais. A surpresa aconteceu quando surgiram os resultados no ecrã: apenas 61 por cento dos membros do episcopado sufragaram o documento. Em claro contraste com o tom geral das intervenções no debate, onde as críticas ao documento no seu todo não foram significativas.

O choque foi evidente na sala de congressos em que decorre até sábado esta quarta sessão, o que levou à interrupção dos trabalhos. O presidente da Conferência Episcopal Alemã, Georg Bätzing, que é também copresidente desta iniciativa, sentiu-se na obrigação de ir aos microfones manifestar o seu desapontamento pessoal pelo resultado. Lamentou que os seus pares não tivessem sido capazes de dar voz às suas divergências, sublinhou que este resultado não impede votações subsequentes que têm a ver com a implementação de ações relacionadas com a mesma matéria, mas disse aceitar as consequências dos resultados.

Bem mais contundente foi a também copresidente do Caminho Sinodal, Irme Stetter-Karp, que preside ao Comité Central dos Católicos Alemães.

“Há, nesta assembleia, lamentou Stetter-Karp, bispos com grandes responsabilidades que se recusaram a debater, não expressaram os seus pontos de vista e vieram a votar contra o documento. Isto significa um desrespeito por muitas pessoas que dedicaram milhares de horas a trabalhar, a escutar e a construir propostas. A sua posição defraudou as minhas expectativas, não por terem uma opinião diferente, mas porque não se mostraram com a responsabilidade que era esperada.”

A dirigente católica observou ainda que nada garante que esta fuga à discussão não continue na apreciação e votação de outros temas importantes para os membros da Igreja alemã. “Se isto é assim, para que estamos aqui? Assim não vale a pena continuar”, desabafou ela, com os olhos em lágrimas e sob um forte aplauso da audiência.

georg batzing caminho sinodal alemao foto © Synodaler WegMaximilian von Lachner

A surpresa aconteceu quando surgiram os resultados no ecrã: apenas 61 por cento dos membros do episcopado sufragaram o documento, sendo necessários 66 por cento. Foto © Synodaler Weg/Maximilian von Lachner.

Instalada a crise, parar para (re)pensar

Perante a situação gerada, o bispo Bätzing voltou a intervir, reconhecendo que não havia condições para prosseguir a densa agenda pré-estabelecida e devolveu à assembleia a palavra sobre o modo de proceder.

Depois de um demorado debate, foi decidido que cada um deveria ter um tempo para meditar no que tinha acabado de se passar, para conversar com outros e buscar caminhos para avançar.

Ainda estas palavras ressoavam na sala, e um grupo musical entoava o cântico de Taizé, inspirado em Teresa de Ávila: “Nada te turbe, nada te espante, só Deus basta”.

 

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This