“When Love comes to town…”

| 24 Out 19 | Sete Partidas, Últimas

Comunidade cristã Sal, na Noruega. Foto © Marta Parada

 

Chegou o outono. E eu, que sou movida ao ritmo das estações, já trago comigo aquela melancolia dos ciclos. Chegou o tempo das rotinas que nos trazem estabilidade, mas nos retiram a espontaneidade do tempo sem tempo. E depois a vulnerabilidade do recomeço, essa de novo nudez onde tudo é possível.

Quando no outono de 2016 mudámos de cidade na Noruega procurávamos outros impulsos, mais histórias para contar, um recomeço. Era um outro ciclo que se abria. Vínhamos movidos por novos desafios, mas não conhecíamos uma única pessoa. A mudança foi extenuante, mas as longas e repetidas viagens com cenários inesquecíveis foram aquele tempo sem tempo de que estávamos a precisar para nos sintonizarmos.

Por fim instalados. Batem à porta. Dois rostos calorosos, uma flor e um cartão de boas vindas ao bairro foi o suficiente para já não nos sentirmos tão sozinhos. Chamam-se ele Truls Åkerlund e ela Gro Åkerlund. Têm três filhos já crescidos e são um casal enérgico, adorável e de uma imensa hospitalidade.

Viríamos um pouco mais tarde a saber que o Truls era teólogo e pastor e Gro professora primária, e que juntos implantariam em 2017, uma nova comunidade pentecostal de nome Salt (Sal).

Não tinha qualquer conhecimento sobre comunidades pentecostais, mas no contacto com aqueles dois seres humanos senti confiança, abertura e acolhimento.

O convite para experimentar fazer parte da Comunidade Sal surgiu de longas conversas sobre a minha tradição cristã/católica em Portugal e a participação activa como militante do MCE ( Movimento Católico de Estudantes). “Aparece se quiseres. São muito bem-vindos.” O convite foi pessoal e talvez por isso mais fácil de aceitar.

Sonho uma vida de tolerância, de abertura ao diferente, de liberdade e respeito por cada ser humano em todas as suas vertentes. Afasto-me das verdades absolutas e das fugas ao essencial. Porque não experimentar?

As comunidades, sejam elas religiosas ou de qualquer outro teor, se cumprirem valores essenciais como a liberdade de expressão, afastando dogmas e aceitando a diferença como lugar comum, podem ser espaço de um imenso crescimento pessoal e comunitário, e desse modo ter um impacto positivo na sociedade em geral. Com estas premissas pessoais, arrisquei procurar esse lugar e aceitei o desafio.

Quis, pois, saber mais sobre o Salt e disponibilizei algum tempo para ir a algumas apresentações.

A primeira foi organizada no andar de cima de um conhecido café da cidade, reservado para o efeito. Fim de tarde, depois do trabalho. O espaço era acolhedor e à entrada ofereciam pequenos copos com uvas e o clássico café em copo. O convidado era o pastor Øystein Gjerme, fundador da primeira comunidade na Noruega, em Bergen. Øystein falava energicamente e num discurso muito novo e actual. As palavras-chave que retive foram a vida de Jesus entendida nos dias de hoje, encontro com cada ser humano e a sua história e comunidade aberta a todos. Identifiquei-me com o discurso.

Estruturalmente, entendi que os principais momentos se dividiam nos Lifegrupper (grupos de vida), em que mulheres e homens se juntam, em semanas alternadas, numa casa definida previamente, para partilhar, reflectir e rezar; e o Gudstjeneste (Serviço de Deus/Celebração), uma celebração a cada quinze dias onde toda a comunidade se reúne para celebrar a Vida em Jesus e onde as crianças têm também um lugar privilegiado na Barnekirke ( Igreja das crianças).

No documento sobre o Sal lê-se: “A igreja com que sonhamos: uma nova igreja, uma igreja que segue Jesus, uma igreja em crescimento, uma igreja que festeja, uma igreja do dia-a-dia, uma igreja de relação, uma igreja de missão, um igreja em aprendizagem, uma igreja de serviço, uma igreja rica de conhecimento.”

Participar nos Lifegruppe tem sido uma experiência renovadora. Tenta-se trazer para a vida de cada um a vida radical de Jesus transcrita em passagens bíblicas previamente preparadas, partilham-se pontos de vista. Reza-se por todos e cada um e agradecem-se as subidas e descidas trazidas pela vida.

Comunidade cristã Sal, na Noruega. Foto: Direitos reservados

 

Dois anos volvidos e a sala de teatro estava composta. Era o primeiro Gudstjeneste naquele novo espaço – o Parkbiografen – um pequeno e charmoso teatro local construído em 1920, com lugar sentado para cerca de 300 pessoas.

À entrada as prolongadas e calorosas boas vindas a que já nos habituaram. Servia-se café e bolinhos. Para os miúdos, um copinho de doces ou batatas fritas. O palco estava bem iluminado. “When Love comes to town” era o mote. Nenhum ícone. Quatro guitarristas, um baterista, um pianista e três cantores, todos talentos do Salt postos ao serviço. Muitos rostos jovens. Éramos cerca de 200. Tudo a postos.

Do alto da sua imensa ternura, a Gro iniciava a celebração de sorriso aberto convidando a que nos sentíssemos em casa e escolhêssemos a nossa forma própria de participar. A letra passava no ecrã e a música era forte, profunda e emocionante. Havia quem cantasse de olhos fechados e elevasse as mãos, outros apenas escutavam. Alguns dançavam.

E depois os sermões do Truls. Como sempre, eloquentes, brilhantes e humorados. Comoventes e actuais.

“As pedras foram largadas e cada um foi saindo até ficarem apenas Jesus e aquela mulher.

Foi o Amor que chegou à cidade naquela manhã de outono há cerca de 2000 anos atrás.

When love comes to town, tudo se transforma” (Truls Åkerlund).

Chegou o outono e aninho-me numa chávena de chá enquanto ouço um podcast do Salt.

Lá fora chove a cântaros.

Os miúdos cresceram. Já não são os mesmos de antes do verão. Eu também não.

O que nos une no planeta é tão mais do que o que nos separa!

Comunidade cristã Sal, na Noruega. Foto © Marta Parada

 

Marta Parada Carvalho é médica pediatra e vive em Skien, Noruega

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro novidade

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade novidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Manuela Silva e Sophia

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

O barulho não faz bem

Nos últimos tempos, por razões diversas, algumas conversas têm-se dirigido maioritariamente para o facto de se habitar na cidade, suas comodidades e seus incómodos.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco