Acesso a Al Aqsa sem restrições no Ramadão

Xeque Munir: “Porque ninguém faz nada para travar o bombardeamento em Gaza?”

| 7 Mar 2024

O xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa, lembra que um dos apelos do Ramadão é o de “valorizar o que temos e partilhar com os que não têm”. Foto: Direitos Reservados

 

O Ramadão, que se deverá iniciar na noite do próximo domingo, 10 de Março, é um “mês sagrado que cria uma ligação especial do crente com o Criador, que nos faz reflectir o que somos e o que temos”, diz o xeque Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa (MCL). Mas este ano o Ramadão terá um sabor amargo, tendo em conta o que está a acontecer na Faixa de Gaza, onde predominam os muçulmanos. Apesar de o Governo israelita ter anunciado que não aplicará restrições especiais aos árabes israelitas muçulmanos para acederem à mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém.

“Como é possível os líderes de países muçulmanos não fazerem nada? Como é possível ninguém fazer nada?”, pergunta o xeque Munir, em declarações ao 7MARGENS, referindo-se aos bombardeamentos de Israel sobre Gaza. “Ninguém deseja mal a ninguém, queremos o bem de todos. Mas há milhares de pessoas a sofrer, sobretudo mulheres e crianças, e sentimo-nos impotentes”, acrescenta. Ainda mais porque um dos apelos do Ramadão é o de “valorizar o que temos e partilhar com os que não têm”. Num tempo em que, em Portugal, ainda temos paz, a sua ausência para os palestinianos é ainda mais sentida, sugere o imã da MCL.

O mês de Ramadão dura entre 29 e 30 dias, sendo o nono e o mais importante do calendário islâmico que, por ser lunar, desloca todos os anos a época em que ele é assinalado – atravessando, em 30 anos, todas as estações do ano. O Ramadão inicia-se com o avistamento da lua nova após o mês de Shaban – o que deverá acontecer no próximo domingo.

“Tudo indica que a lua nova, que nasce no domingo às 6h, será visível até ao final do dia”, diz Munir. Se assim acontecer, os muçulmanos farão o seu primeiro jejum durante o dia de segunda-feira, 11; se ela não for avistada, então o jejum inicia-se apenas na terça-feira, 12. Na Mesquita Central, segue-se normalmente o horário saudita: como ali há algumas horas de avanço, isso permite aos muçulmanos portugueses decidir o momento exacto do início com uma certa antecedência.

O Ramadão foi o mês em que o Alcorão foi revelado a Maomé, diz a tradição islâmica. E durante os seus 29 ou 30 dias de duração, os crentes são desafiados a intensificar a sua vida de oração, de jejum e de partilha.

 

Um símbolo do conflito

Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém, vista do Monte das Oliveiras. Durante o Ramadão, é visitada por centenas de milhares de muçulmanos, por se encontrar num dos três lugares mais sagrados do islão. Foto © António Marujo

 

Em Jerusalém, entretanto, o gabinete do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, anunciou na terça, dia 5, que “na primeira semana do Ramadão, os fiéis serão autorizados a entrar no Monte do Templo em número semelhante ao dos anos anteriores”. Depois, todas as semanas se fará “uma avaliação da segurança e as decisões serão tomadas em conformidade”, diz o comunicado, citado pelo Religión Digital.

A Esplanada das Mesquitas pode acolher até 400 mil pessoas, mesmo se diariamente a afluência diária é muito menor. Mas, durante o Ramadão, há centenas de milhares de muçulmanos que se dirigem à mesquita situada naquele que é um dos três lugares mais sagrados do islão, a par de Meca, onde se encontra a Caaba, ou pedra de Abraão, e de Medina, onde está a primeira mesquita construída por Maomé e o seu túmulo.

Já os judeus designam o local como Monte do Templo, pois era ali que se situava o Templo de Salomão – a única parede sobrevivente, o Muro Ocidental, é também um local de oração para muitos judeus.

Também por isso, o lugar é emblemático do conflito que atravessa a região. No próprio Governo israelita, a decisão não foi pacífica. Netanyahu assegurara horas antes da decisão que faria todos os possíveis por garantir a liberdade de culto, mas o ministro da Segurança Nacional, o extremista anti-árabe Itamar Ben Gvir, criticou o primeiro-ministro, dizendo que a resolução “põe em perigo os cidadãos de Israel” e “mostra que Netanyahu e o gabinete [de guerra] limitado pensam que nada aconteceu a 7 de Outubro”. E na rede social X, Gvir escreveu que as “celebrações do Hamas no Monte do Templo” não são a “vitória total” que Israel prometeu na sua guerra contra o grupo.

Ainda segundo o Religión Digital, o ministro da Defesa, Yoav Gallant, o chefe do Estado-Maior Herzi Halevi e o diretor da agência de segurança Shin Bet, Ronen Bar, defenderam a máxima liberdade de acesso à mesquita para os árabes israelitas de fé muçulmana durante o Ramadão.

O Hamas, que controlava até agora, de facto, a Faixa de Gaza, tinha apelado em Janeiro aos palestinianos de Jerusalém Oriental ocupada e da Cisjordânia para que se revoltassem contra qualquer “medida criminosa” que proibisse a entrada na mesquita de Al-Aqsa. O ataque terrorista do Hamas em Israel, em 7 de Outubro, que provocou mais de mil mortos e 250 pessoas raptadas (das quais mais de 100 ainda se encontram reféns do grupo), desencadeou a imediata ofensiva militar de Israel em Gaza, que provocou até agora pelo menos 30.717 mortos (dos quais 86 na quarta-feira, 6) e 72.156 feridos. Destes números, a maior parte são civis, sobretudo mulheres e crianças.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This