Yom Kipur: misericórdia, justiça – e o que faz aqui Nina Simone?

| 20 Set 18

O que faz um homem que errou e não sabe para onde voltar-se em busca da redenção? Em Sinnerman, Nina Simone canta esse homem que corre, corre e não encontra onde esconder-se – e que apenas encontra a paz quando se socorre de Deus e do seu refúgio.

“Mais do que expressar a nossa fé em Deus, o Yom Kipur é a expressão da fé de Deus em nós”, escreve o rabi judeu inglês Jonathan Sacks, a propósito da festa que os judeus de todo o mundo assinalam desde a noite de 18 de Setembro ao fim da tarde de 19 de Setembro, no décimo dia do sétimo mês – o mês de Tishrei.  “Para aqueles que se abrem totalmente a ele, o Yom Kipur é uma experiência transformadora de vida. Diz-nos que Deus, que criou o universo em amor e perdão, nos alcança em amor e perdão, pedindo-nos para amar e perdoar os outros. Deus nunca nos pediu para não cometer erros. Tudo o que Ele pede é que reconheçamos os nossos erros, aprendamos com eles, cresçamos através deles e façamos as pazes onde pudermos”, escreve ainda, num texto com o título Yom Kipur – como ele nos salva, que pode ser lido aqui, na íntegra, em inglês.

O Yom Kipur, a Festa do Perdão, fala da possibilidade do erro e da possibilidade da purificação. Concluindo o período de dez dias da festa de Rosh Hashaná (literalmente, a “cabeça do ano”, ou Ano Novo judaico), Yom Kipur é a festa maior do judaísmo, assinalada por um jejum de 24 horas. Os cultos das sinagogas sucedem-se, como explica o rabi Marcelo M. Guimarães neste texto, que lê mesmo nas palavras de Paulo, na Carta aos Romanos – “Que homem miserável sou eu! Quem me há-de libertar deste corpo que pertence à morte?” – alguma influência das orações do dia da expiação (Marcelo Guimarães integra a Associação Ministério Ensinando de Sião, que reúne judeus, não-judeus e descendentes de judeus que acreditam em que Jesus, Yeshua haMashiasch é o Messias de Israel). (Ao lado: James Tissot, Agnus Dei. O bode expiatório (1894), Museu de Brooklyn, Nova Iorque, EUA; ilustração reproduzida daqui)

No texto antes referido, Jonathan Sacks fala desta festa como uma celebração da possibilidade do exercício da liberdade: “Nenhuma religião sustentou uma visão tão elevada da possibilidade humana. O Deus que nos criou à Sua imagem deu-nos liberdade. Nós não somos contaminados pelo pecado original, destinado a falhar, preso nas garras de um mal que somente a graça divina pode derrotar. Pelo contrário, temos dentro de nós o poder de escolher a vida. Juntos, temos o poder de mudar o mundo.

Tão pouco somos, como alegam alguns materialistas científicos, meras concatenações de substâncias químicas, um monte de genes egoístas replicando-se cegamente no futuro. As nossas almas são mais do que as nossas mentes, as nossas mentes são mais do que os nossos cérebros e os nossos cérebros são mais do que meros impulsos químicos respondendo a estímulos. A liberdade humana – a liberdade de escolher ser melhor do que éramos – permanece um mistério, mas não é um mero dado. A liberdade é como um músculo e quanto mais o exercitamos, mais forte e saudável se torna.

O judaísmo pede-nos constantemente que exerçamos a nossa liberdade. Ser judeu não é ir com o onda, ser como todo a gente, seguir o caminho da menor resistência, adorar a sabedoria convencional da época. Ao contrário, ser judeu é ter a coragem de viver de uma maneira que não é o caminho de todos. Cada vez que comemos, bebemos, rezamos ou vamos trabalhar, estamos conscientes das exigências que a nossa fé faz em nós, de viver a vontade de Deus e ser um dos Seus embaixadores para o mundo. O judaísmo sempre foi, talvez sempre seja, contra-cultural.”

A festa de Yom Kipur tem uma forte raiz bíblica, como se explica neste outro texto, onde também se fala do significado desta festa para os cristãos e da origem da expressão “bode expiatório”.

O Yom Kipur fala, enfim, do acrescento da misericórdia à justiça, como explica ainda Jonathan Sacks: Deus “acrescentou misericórdia à justiça, compaixão à retribuição, tolerância ao estrito estado de direito. Deus perdoa. O judaísmo é uma religião de perdão, a primeira do mundo, de perdão.” (Aqui podem ler-se, em português, outros textos do rabi Sacks, a propósito da festa de Yom Kipur)

Breves

Boas notícias

É notícia

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Pessoas

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, receberá nesta terça-feira o Nobel da Paz de 2019, numa cerimónia em Oslo. O Comité Nobel não o disse, mas várias das atitudes e propostas do mais jovem líder da África, com 43 anos, radicam na sua fé cristã de matriz pentecostal.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Fale connosco