Yunus, Jeffrey Sachs e Boff entre os conferencistas do encontro A Economia de Francesco (que o Papa encerrará)

| 18 Nov 20

MuhammadYunus. Foto © Ralf Lotys (Sicherlich)/Wikimedia Commons

 

O Prémio Nobel da Paz, Muhammad Yunus, e o economista Jeffrey Sachs, autor do livro O Fim da Pobreza, a activista ambiental hindu Vandana Shiva, o sociólogo e fundador do movimento slow food Carlo Petrini ou o teólogo católico Leonardo Boff, um dos expoentes da teologia da libertação, estão entre os oradores do encontro A Economia de Francesco, que decorre a partir de Assis (Itália) e com ligações a 120 países diferentes, entre quinta-feira e sábado desta semana (19 a 21 de Novembro). O Papa intervirá no final, também através de ligação video.

A iniciativa, convocada pelo Papa Francisco, era para ter sido realizada em Março, mas foi adiada devido à pandemia. O seu objectivo é colocar em diálogo jovens economistas e empreendedores do mundo inteiro, para imaginar como se pode criar uma economia mais justa, fraterna, inclusiva e sustentável, sem deixar ninguém para trás.

Tendo em conta as limitações devidas à pandemia, o encontro terá alguns participantes em Assis, mas os seus 2000 membros estarão, na maioria, ligados através de videoconferência, podendo falar e intervir nas mesmas condições partilhando as suas experiências, trabalhos, propostas e reflexões desenvolvidas nos últimos meses, informa a Sala de Imprensa da Basílica franciscana de Assis, onde se localizará o centro do encontro.

“Haverá quatro horas por dia de transmissão ao vivo e uma maratona de 24 horas, a 20 de Novembro, graças às ligações e contribuições de jovens ligados em 20 países diferentes e Assis acolherá a ‘direcção’ do evento e ligações ao vivo dos lugares históricos franciscanos”: além da Basílica de São Francisco de Assis, também a Igreja de São Damião, a Basílica de Santa Clara e outros.

Além dos nomes já citados, o encontro prevê a participação de outros e outras economistas, empresários, investigadores ou líderes religiosos, com uma grande variedade de experiências. A lista vasta inclui mulheres e homens, africanos, asiáticos e latino-americanos, pensadores e activistas. Destaquem-se mais alguns nomes e proveniências: Kate Raworth (economista, universidades de Oxford e Cambridge, Reino Unido), Pauline Effa (da Parceria França-África para o Co-Desenvolvimento, Camarões), John Perkins (autor e activista, EUA), Jennifer Nedelsky (politólogo, Canadá), Stefano Zamagni (economista, presidente da Academia Pontifícia de Ciências Sociais), Juan Camilo Cárdenas (economista, Colômbia), Susi Snyder (Campanha Internacional para a Abolição de Armas Nucleares, Holanda), Raul Caruso (professor de Economia da Paz, Itália) ou Rob Johnson (Instituto para o Novo Pensamento Económico, EUA).

 

Nasceu o maior movimento de jovens economistas

Desmatamento na Amazónia: o objectivo do encontro é debater uma economia justa que não destrua o ambiente nem deixe ninguém para trás. Foto © Gérard Moss/Projecto Brasil das Águas-Simpósio Religião, Ciência, Ambiente.

 

A primeira conferência será a de Jeffrey Sachs, que falará sobre “Aperfeiçoar a Alegria: três propostas para deixar a vida florescer”, depois de um vídeo com o título “Ouvir o grito dos mais pobres para transformar a terra”, preparado pelo Movimento Internacional ATD Quarto Mundo.

“Graças a São Francisco e ao Papa Francisco, nasceu o maior movimento de jovens economistas do mundo. É desta notícia que a sociedade e a Igreja precisam hoje”, diz, citado pela mesma informação da Basílica de Assis, o director científico do encontro A Economia de Francesco, o italiano Luigino Bruni. A adesão dos jovens, aliás, foi notória, como o 7MARGENS já referiu.

Entre outros temas previstos, estão a reconversão industrial e a economia da paz, experiências em comunidades ecológicas e de transição social, a promoção do desenvolvimento a partir da base, ou os novos pilares do trabalho. Além das conferências “plenárias”, haverá “aldeias” temáticas, sobre temas como trabalho e cuidados; gestão e doação; finanças e humanidade; agricultura e justiça; energia e pobreza; lucro e vocação; políticas para a felicidade; CO2 da desigualdade; negócios e paz; economia é mulher; negócios em transição; vida e estilos de vida.

Além do acompanhamento em directo, há lugares previstos para poder acompanhar em pequenos grupos, respeitando as medidas de segurança. Alguns deles são em Portugal e a lista completa está também na página da iniciativa.

Se as condições de saúde pública o permitirem, está prevista uma sessão presencial, de novo em Assis, no Outono do próximo ano. Para já, alguns números dão ideia da dimensão que já atingiu A Economia de Francesco: 27 conferências preparatórias em vídeo, de Maio a Outubro, através das redes Facebook e YouTube, ligaram participantes em quase meia centena de países e foram vistas por 45.569 pessoas; entre os dois mil participantes menores de 35 anos há 56% de homens e 44% mulheres, entre economistas, empreendedores, estudantes, activistas e assistentes sociais movidos pelo objectivo comum de construir um mundo mais justo e mais sustentável.

 

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix novidade

Não Olhem Para Cima é uma nova sátira da Netflix escrita e realizada por Adam McKay e que conta a história de dois astrónomos que entram em pânico para chamar a atenção da humanidade para a colisão de um cometa cujo tamanho gerará uma extinção em massa. Em suma, a humanidade deixará de existir. A sátira está numa humanidade que vive de tal forma na sua bolha de entretenimento, entre sondagens políticas e programas da manhã que, simplesmente, não quer saber.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This