Yves Congar, uma viva fonte de inspiração

| 4 Jul 20

Yves Congar. Foto © Arquivo da Ordem dos Pregadores

 

Yves Congar, uma das figuras gigantes da teologia cristã do século XX, morreu há 25 anos – completados no dia 22 de Junho. Sobre Congar alguém teria dito que o Concílio Vaticano II, que promoveu a reforma do catolicismo, era ele. A propósito da data, o 7MARGENS pediu a frei Bento Domingues, seu confrade da Ordem dos Pregadores, um testemunho sobre a figura do dominicano francês e a sua obra.

 

1.

O dominicano Yves Congar foi um dos maiores teólogos do século XX e continua a ser o eclesiólogo incontornável pela grande viragem que provocou nas abordagens da história e da vida da Igreja. Muito lutou e sofreu por publicar as suas investigações que punham em causa tabus, doutrinas e apologéticas que sufocavam a revisão teológica da sua história e impediam as reformas de que precisava para se abrir às outras Igrejas cristãs, ao universo das outras religiões e ao mundo contemporâneo.

A introdução de um livro fascinante, sobre a sua biografia intelectual e sobre o percurso temático da sua teologia, abre com uma declaração atrevida, mas espantosamente justa. Dizem os seus autores que se pode aplicar ao teólogo Yves Congar aquilo que o filósofo Étienne Gilson tinha afirmado do padre Chenu: “Um padre Congar, só existe um em cada século!”[1]

Nasceu em 1904 e faleceu em Paris a 22 de Junho de 1995 – fez agora 25 anos! O funeral foi celebrado na catedral de Notre-Dame de Paris. Os seus restos mortais repousam no cemitério de Montparnasse, ao lado da sepultura que evoca a vida do seu confrade e grande amigo, Marie-Dominique Chenu. A sua vida e a sua obra continuam uma fonte de inspiração, para quem ama a Igreja e luta para que nunca se esqueça que a sua lei, e a de todos os seus membros, é a de viver em reforma permanente, na graça do Espírito de Jesus Cristo.

A existência de Y. Congar coincide com o século XX e as suas grandes tragédias e esperanças. Elaborou a sua teologia – em constante evolução e revisão – a partir do centro da vida e da história da Igreja Católica, em diálogo com as outras Igrejas cristãs, na escuta do universo das religiões não-cristãs e das correntes que agitam o mundo.

Nos anos 30 do século passado, em face da crescente descrença e indiferença religiosa, sintetizou o seu diagnóstico perspicaz: a uma religião sem mundo sucedeu um mundo sem religião.

Os autores da obra citada atrevem-se a dizer que o destino deste teólogo e o da Igreja, no século XX, se confundem. Acompanhou e marcou, sob o ponto de vista teológico, os grandes movimentos eclesiais que desaguaram no Concílio Vaticano II. Muitas vezes, foi ele que os precedeu e preparou. Estou a pensar, especialmente, no ecumenismo, na eclesiologia em todas as suas facetas, na teologia do laicado e nas propostas de reforma na Igreja.

O próprio Y. Congar o reconheceu: “Estou impressionado e feliz. As grandes causas que procurei servir chegaram ao Concílio: renovação da Eclesiologia, estudo da Tradição e das tradições, reforma na Igreja, ecumenismo, laicado, missão, ministérios… Isto, além da oração litúrgica e a função doxológica da confissão da fé celebrada: valores em que acredito cada vez mais.”

Congar: “Estou impressionado e feliz. As grandes causas que procurei servir chegaram ao Concílio.” Foto © Arquivo da Ordem dos Pregadores

2.

De forma mais global, desde os começos de 1930, entregou-se a uma incansável investigação da Tradição eclesial, desde as suas origens. Foi o retorno às fontes bíblicas, patrísticas e medievais, que lhe permitiu renovar a abordagem de, praticamente, todas as questões teológicas e eclesiais do seu tempo e de lhes conferir uma profundidade e um alargamento de campos que tinham perdido. Este reditus ad fontes permitiu-lhe, também, novas perspectivas e problemáticas que, de facto, até eram profundamente tradicionais, mas que tinham sido ocultadas sob a sedimentação de séculos de teologia pós-tridentina ou “barroca”, conceptualista, apologética e sob o signo da afirmação da autoridade[2].

Os teólogos, muito especialmente os dedicados ao ecumenismo, e os eclesiólogos – e não apenas os católicos – reconhecem uma grande dívida para com ele e confessam que aprendem sempre muito frequentando-o, corrigindo certas posições anteriores, seja quanto ao modo de conceber o diálogo ecuménico, de abordar os ministérios ou de apresentar o papel de Cristo e do Espírito na vida eclesial. Há, nesta figura, uma evolução progressiva e permanente, inteligente, corajosa e leal na percepção espiritual do seu tempo, da sua Igreja e das outras Igrejas.

Congar durante o Vaticano II, onde participou como consultir teológico: “Um aspecto fascinante desta grande figura teológica é a sua capacidade de evoluir com serenidade e de reconhecer, publicamente, esta evolução.” Foto © Arquivo da Ordem dos Pregadores

 

3.

Para além dos seus notáveis e inumeráveis estudos, históricos e teológicos, Yves Congar deixou-nos, em herança, uma postura teológica para a busca da verdade e da unidade cristã. O que dele ficará, sem dúvida, é uma capacidade exemplar de historiador e de vedor, isto é, de detectar as fontes e os filões prometedores, no seio da tradição eclesial, para uma reflexão teológica actualizada. Noutros termos, uma capacidade heurística de reunir e explorar documentos do passado cristão ao serviço da verdade da fé e da unidade das Igrejas. De forma mais ampla ainda, é um método fundado sobre a escuta do real em todas as suas formas, é um espírito, uma inspiração, um sopro evangélico em resposta aos apelos do seu tempo (descrença, outros cristãos, reformismo, outras religiões…). É uma certa concepção das relações entre história e teologia que ensina a não absolutizar nenhuma realidade humana nem que seja a Igreja[3].

Para permitir ao leitor familiarizar-se com esta obra imensa e múltipla, os autores do livro Yves Congar, já citado, procuraram estabelecer um itinerário teológico de toda a sua obra. É um percurso biográfico e temático que oferece as chaves essenciais para apreender este pensamento teológico e o seu modo de elaboração. Tiveram a feliz ideia de completar o livro com uma selecção com 19 textos de Y. Congar que fazem a cobertura das suas principais temáticas teológicas.

4.

Capa da edição espanhola da biografia de Congar.

Conheço razoavelmente bem a sua obra que fui acompanhando, desde os anos 50 do século passado. Tive com ele uma grande entrevista teológica, em 1962, quando já tinha regressado dos seus vários exílios e vivia no convento dominicano de Estrasburgo. Foi um momento muito especial. Em 1966, participei, em Valência, num Congresso de Eclesiologia. Registou as intervenções de vários participantes e privilegiou-me com uma referência imerecida: Certains posent ces questions d’une manière valable et, au fond, sérieuse, ainsi le P. Dominguez, du Portugal, qui me semble être un homme d’avenir. Dois dias depois, conta o que eu lhe dissera: Il faut venir au Portugal; nous y sommes isolés![4]. De facto, veio duas vezes a Portugal, às Semanas da Igreja e Missão, e sempre reatámos o nosso afectuoso diálogo.

É reduzida a publicação da sua obra em Portugal, mas valia muito a pena reeditar Yves M.-J. Congar, O.P., Igreja Serva e Pobre (Editorial Logos, 1964).

A produção teológica de Yves Congar é imensa. Em 1987, já contava 1.790 títulos. Ainda durante a sua vida, Jean-Pierre Jossua escreveu um livro com o título: Le P. Congar: La théologie au service du peuple de Dieu (Cerf, 1967); outros dois importantes : Jean Puyo interroge le Père Congar. Une vie pour la vérité (Centurion, 1975); B. Lauret, Yves-Marie Congar. Entretiens d’automne (Cerf, 1987).

Um ano depois da sua morte, foi organizado um colóquio, nos dias 3 e 4 de Junho de 1996, absolutamente notável (as actas estão em André Vauchez (dir.), Cardinal Yves Congar 1904-1995 (Cerf, 1999); no centenário do nascimento de Y. Congar, sob a direcção de Gabriel Flynn, foi publicada, com a colaboração de peritos de nove países, uma tentativa de análise de toda a sua obra, um livro muito especial: Yves Congar. Théologien de l’Église (Cerf, 2007). Para alguém se iniciar no conhecimento da sua obra, recomendo o já referido livro de Joseph Famerée et Gilles Routhier, Yves Congar (Cerf, 2008).

Boa leitura!

Lisboa, 2 de Julho de 2020

Notas
[1] Joseph Famerée et Gilles Routhier, Yves Congar, Cerf, 2008
[2] Cf. Op. cit., p. 8
[3] Cf. Op. cit., pp. 8-9
[4] “Alguns fazem estas perguntas de uma forma válida e, no fundo, séria, por exemplo o P. Dominguez, de Portugal, que me parece ser um homem do futuro. (…) Tem de vir a Portugal; estamos lá isolados!”, in Yves Congar, Mon Journal du Concile II, Cerf, 2002, pp. 524 e 526, onde, em notas, o meu nome vem corrigido.

Frei Bento Domingues é frade dominicano e teólogo, autor de A Religião dos Portugueses

 

Artigos relacionados

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar novidade

Por força não sei de que determinação, o meu mundo, o mundo teatral, divide-se, também ele, em duas partes. Não há Tordesilhas que nos imponha o mundo assim, mas a verdade teatral determina-o: o mundo da sala e o mundo do palco. A cortina de ferro divide esses dois mundos de forma inexorável. Por razões de segurança, mas também por todas as outras razões. E esses dois mundos apenas se comunicam, quando o Encontro, como chamavam alguns antigos ao espectáculo, se dá.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade novidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This