Caminho Sinodal alemão, um serviço à Igreja universal (ensaio)

| 4 Jan 21

Não se pode preservar a doutrina sem permitir o seu desenvolvimento. Também não se pode prender a doutrina a uma interpretação estrita ou imutável, pois isso seria uma humilhação para o Espírito Santo e a sua acção.” Foi isto que o Papa Francisco disse em Outubro de 2017, na comemoração do 25º aniversário da publicação do Catecismo [da Igreja Católica].

 

Longo percurso até ao Caminho Sinodal

Imagem da página oficial da Conferência Episcopal Alemã sobre o “Caminho Sinodal”: depois de polémicas várias durante vários anos, o processo foi iniciado em 2019.

 

Quando em 1995, após acusações de abuso sexual contra o cardeal vienense Hans Herman Groër, foi lançada a petição “Nós Somos Igreja”, primeiro na Áustria e depois na Alemanha, ainda houve 16 dos 27 bispos alemães que proibiram a recolha de assinaturas nas suas dioceses. Agora, os fóruns sinodais do “Caminho Sinodal” alemão correspondem exactamente aos quatro pontos da petição: “Construção de uma Igreja fraterna”, “Igualdade total para as mulheres”, “Livre escolha entre vida celibatária e não celibatária” e “Avaliação positiva da sexualidade”.

O quinto ponto, “Boas novas em vez de mensagens ameaçadoras”, pode certamente ser interpretado como o equivalente da evangelização que o Papa Francisco repetidamente clama para um processo sinodal. Porque enquanto os temas do Caminho Sinodal [alemão] não forem realmente tratados, todos os esforços de evangelização, por muito bem-intencionados que sejam, serão em vão.

Após a revelação dos abusos no Colégio Canisius de Berlim, em Janeiro de 2010,  os bispos tentaram sozinhos um “processo de diálogo” controlado por eles, mas este foi muito rapidamente reduzido a um “processo de debate” não vinculativo, que acabou por não dar em nada. Apenas os resultados chocantes do estudo MHG [investigação interdisciplinar sobre abuso sexual de menores por padres, diáconos e membros masculinos de ordens religiosas católicas na Alemanha], no Outono de 2018 e os protestos, especialmente de mulheres, durante a [assembleia da] Conferência Episcopal em Lingen, na Primavera de 2019, levaram à percepção de que os bispos estão dependentes da cooperação com o Comité Central dos Católicos Alemães (ZdK) e com especialistas “de fora”.

O Vaticano não se tem mostrado útil neste conflito político-eclesial. A inesperada carta do Papa Francisco “Ao povo peregrino de Deus na Alemanha” e outras vozes do Vaticano desencadearam um eco muito diferente em 2019. Mas Francisco fala de um “ponto de viragem”, “que levanta novas e antigas questões, em vista das quais um confronto é justificado e necessário”. Encoraja uma “resposta franca à situação actual” e elogia o facto de a Igreja na Alemanha ter “dado à Igreja universal grandes homens e mulheres santos, grandes teólogos, pastores espirituais e leigos”. Francisco fala de uma “sinodalidade de baixo para cima”, só depois vem a “sinodalidade de cima para baixo”.

 

Praticar a fraternidade
Georg Batzing, presidente da Conferência Episcopal Alemã,

Georg Batzing, presidente da Conferência Episcopal Alemã, depois de uma audiência com o Papa Francisco, em Junho de 2020. Foto: Direitos reservados/Vatican News

 

O Papa Francisco, que se apoia em Paulo VI e no Concílio Vaticano II para se declarar veementemente a favor de uma Igreja sinodal a todos os níveis, deveria alegrar-se com isto: na primeira assembleia geral do Caminho Sinodal, o debate foi muito franco e com uma grande capacidade de escuta, como há muito tempo não acontecia num organismo católico oficial. A renúncia a todo o simbolismo de poder caracterizou a primeira assembleia sinodal, mas pareceu incomodar alguns.

Este Caminho Sinodal pressupõe uma mudança fundamental de mentalidade, senão mesmo de paradigma, inteiramente no espírito do documento episcopal “Ser Igreja Juntos” (2015). Pois as estruturas formais também fazem parte da mensagem da Igreja, especialmente numa Igreja tão centrada na tradição e no simbolismo. E todas as tentativas de colocar de novo a fé e a evangelização no centro das atenções só podem dar frutos se tiverem as estruturas alteradas como pano de fundo.

À margem da primeira assembleia sinodal e das cinco conferências regionais, foi muito notada a presença de grupos reformadores, associações de mulheres e o movimento Maria 2.0 como sinais de esperança numa Igreja transformada. Pelo menos houve alguns bispos que disseram que a Igreja não quer perder completamente o contacto com as mulheres. Mas falar apenas amigavelmente uns com os outros já não será suficiente.

 

Dinâmica das resistências
Moinho de areia. Tempo.

Günther Uecker, Sandmühle (Moinho de areia), 1970, Städel Museum, Frankfurt am Main, Alemanha: “Será que não se tomou nota dos debates dos últimos 50 anos?” Foto © António Marujo

 

A crise do coronavírus intensificou e acelerou os processos de alienação em curso entre a liderança da Igreja e o povo eclesial. Após a instrução completamente inesperada e extremamente desconcertante da Congregação para o Clero [CpC] em Julho de 2020, alguns chegaram a afirmar que o Caminho Sinodal tinha chegado ao fim. O texto, que foi elaborado em Roma sem qualquer consulta às igrejas locais e é alheio à vida e à fé, age como se nós, na Alemanha, nunca tivéssemos pensado em paróquias missionárias antes.

Será que a CpC não tomou nota dos debates científicos e pastorais dos últimos 50 anos? Mas nem a crise do coronavírus nem as recentes instruções da Congregação para o Clero deveriam poder travar ou mesmo paralisar o processo de reforma iniciado com grande dificuldade e que é urgentemente necessário, conforme apelou uma Carta Aberta do Nós Somos Igreja, que mereceu grande aprovação. É necessária uma ampla aliança de forças reformadoras, inclusive na Conferência Episcopal.

É claro que a Igreja Católica Romana não pode simplesmente mudar a sua doutrina livremente. Facto é que os quatro fóruns do Caminho Sinodal tratam de questões que têm sido debatidas desde o Concílio Vaticano II (1962-1965). Mas o povo eclesial tem sido enganado, década a década. O cardeal Müller intromete-se, a partir de Roma, na Igreja da Alemanha: “É pouco provável que um processo como o Caminho Sinodal na Alemanha possa reivindicar o Espírito Santo para si próprio”, disse, citado no Tagespost.

As advertências de bispos individuais contra uma Igreja nacional alemã, um cisma na Igreja ou um debate de baixo nível teológico criam um pano de fundo ameaçador, que é errado e extremamente negativo. A tentativa das forças conservadoras-tradicionalistas, incluindo as do estrangeiro, de exercer influência nos meios de comunicação social é também extremamente negativa.

 

Serviço à Igreja mundial

Sessão de abertura do Caminho Sinodal da Alemanha, a 31 de Janeiro de 2020. Foto © Isabella Vergata

 

A nível internacional, o Caminho Sinodal já está a atrair uma atenção considerável. A nível mundial, há a expectativa de que se encontrem respostas pastoralmente responsáveis e com base teológica para as crises de hoje. Precisamos que a doutrina da Igreja continue a evoluir. As propostas para modernizar ministérios e estruturas devem ser apoiadas pela grande maioria de todos os participantes, incluindo os bispos.

De acordo com a actual lei eclesiástica, a implementação deve, em qualquer caso, ser feita por cada bispo individualmente para a sua diocese. E muitas das questões fundamentais, como o celibato obrigatório para sacerdotes ou a ordenação de mulheres, são e continuarão a ser da competência do Papa ou mesmo de um concílio.

O Caminho Sinodal na Alemanha não quer e não pode mudar directamente a Igreja Universal, por muito bons que sejam os debates e as decisões. Mas a crise na liderança da Igreja revelada pelos escândalos de abusos, e a recusa de implementar reformas adequadas ao nosso tempo, não existem apenas na Alemanha.

Como mostram os escândalos de abuso, a Igreja Católica Romana encontra-se numa crise existencial em todo o mundo. Se, contudo, for possível realizar aqui na Alemanha um debate teológico compatível com o nosso tempo, e encontrar soluções viáveis para as reformas reprimidas, então o Vaticano não poderá continuar a ignorá-las. Este não seria então um caminho especial da Alemanha, mas um serviço à Igreja universal. Sem resultados apresentáveis e o seu reconhecimento por Roma, porém, a Igreja Católica continuará a perder credibilidade e será abandonada até por aqueles que por enquanto ainda nela se empenham.

 

Pergunta-chave: A questão das mulheres

Votação numa assembleia da KFD – Assembleia de Mulheres Católicas na Alemanha Foto © Kay Herschelmann/KFD:

 

O sistema católico de ministérios encontra-se numa crise profunda e a igualdade de género é uma questão-chave. Não é a consagração das mulheres que deve ser justificada, mas a sua exclusão! A discussão aberta, mesmo controversa, no grupo de trabalho “Mulheres” dá pelo menos motivos para alguma esperança. Foram aí enumeradas muitas reformas que já poderiam ser implementadas agora, sem alterações na lei da Igreja. No final, o primeiro passo na questão da ordenação poderia ser uma recomendação, tão unânime quanto possível, do diaconado permanente para as mulheres numa Igreja diaconal sinodal com ministérios reformulados – semelhante à votação do Sínodo de Würzburg há 45 anos.

As mulheres em associações, ordens religiosas e iniciativas já não permanecem em silêncio face às manifestações, até agora apenas verbais, de reconhecimento da igual dignidade e de estima pela mulher. No decurso da crescente crise na Igreja Católica, elas estão unidas e determinadas a pôr fim aos abusos, ao clericalismo e a uma Igreja patriarcal que não concede às mulheres um estatuto de igualdade e autodetermina. Um lugar que as pesquisas recentes sobre a Bíblia e a história da Igreja também lhes outorgam. Os sinais dos tempos devem ser reconhecidos e reflectidos na doutrina da Igreja, que não é uma colecção de formas tradicionais de fé, mas deve reafirmar no nosso tempo a confiança primordial de que Deus está do nosso lado, para que a Igreja tenha um futuro.

 

O tempo urge
Foto KFD Comunidade Catolica das Mulheres Alemanha

“…porque eu também sou Igreja”, diz o cartão. Foto © KFD-Assembleia de Mulheres Católicas na Alemanha

 

Muitas oportunidades foram perdidas, algumas pessoas vêem o Caminho Sinodal como uma “última oportunidade”. O documento do ZdK “Diálogo em vez de recusa do diálogo” (1992), que já apelava ao distanciamento do clericalismo, patriarcado e centralismo, a petição Nós Somos Igreja, de 1995, com 1,8 milhões de assinaturas, a petição não vinculativa “processo de diálogo/processo de conversações” (2011-2015) dos bispos alemães e muitos outros processos e iniciativas de reforma das últimas décadas – todos eles ficaram sem consequências oficiais na Igreja. Em 2008, os bispos rejeitaram a proposta da “conferência conjunta” para um “fórum do futuro”. Grupos reformadores como “Nós Somos Igreja” não foram incluídos nem no processo de discussão 2011-2015 nem na dinâmica sinodal.

O Caminho Sinodal é e deve ser um caminho pedregoso. Só quando, após aprofundado debate, se notarem arrependimento, conversão e reorientação verdadeiros, e só quando houver mudanças concretas, é que a Igreja estabelecida merecerá que as pessoas lhe reconheçam credibilidade.

Não há alternativa. Uma mudança fundamental na doutrina e na estrutura, na teologia e no cuidado pastoral é urgentemente necessária se o cristianismo quiser continuar a ser relevante para as pessoas no futuro.

O tempo urge. A janela de oportunidade para que a Igreja recupere a sua credibilidade está a fechar-se. Só unidos, povo e liderança eclesiais, poderemos moldar o futuro da Igreja de tal forma que ela possa voltar a ser a casa de muitos: uma Igreja de crentes, dos que têm esperança e dos que amam, que aborde os temas das pessoas de hoje, nomeadamente a solidariedade mundial e a preservação da criação. Procuremos juntos novos caminhos que possamos percorrer com confiança no poder do Espírito Santo; caminhos que muitos que desesperam na Igreja de hoje possam seguir, pois não desistiram da fé na boa nova do Reino de Deus; caminhos que também possam inspirar adolescentes e jovens adultos. Pensemos no impossível: aquele que não tem utopia não é realista. Ajudemos aqui na Alemanha o Papa Francisco, que quer uma Igreja sinodal a todos os níveis!

Todos aqueles que em princípio ainda duvidam da necessidade do Caminho Sinodal devem tomar consciência da profunda crise de confiança e credibilidade causada pela violência sexualizada contra crianças, jovens, seminaristas, mulheres e mesmo mulheres religiosas que tem sido praticada e encoberta há décadas. Temos de concordar com o prof. Thomas Söding, que afirmou na primeira assembleia sinodal: “Não vamos resolver todos os problemas da Igreja Católica na assembleia sinodal. Mas temos de começar por onde nos possamos queimar.”

 

Susanne Ludewig (n. 1965) fez Estudos Românicos, é chefe de serviços de enfermagem em cuidados geriátricos e integra a equipa federal do movimento Nós Somos Igreja – Alemanha, Kassel;

Christian Weisner (n. 1951) é urbanista aposentado, foi co-iniciador da Petição do Povo de Deus em 1995, na Alemanha, e integra a equipa federal do movimento – Alemanha, Dachau.

 

O 7MARGENS agradece a Helena Araújo o apoio na tradução.

 

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares novidade

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Semana pela Unidade dos Cristãos: Aplicação disponibiliza orações em árabe novidade

Pela primeira vez, os cristãos de língua árabe podem acompanhar as orações e meditações bíblicas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (que se assinala entre 18 e 25 de janeiro) no seu próprio idioma, graças à tradução assegurada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em parceria com o Conselho de Igrejas do Médio Oriente (MECC) e a aplicação bíblica You Version – The Bible App.

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Bispo Manuel Martins evocado nos 94 anos do seu nascimento novidade

Naquele que seria o dia do 94º aniversário do primeiro bispo de Setúbal, D. Manuel Martins, um grupo coordenado por Eugénio Fonseca promove uma sessão de evocação e homenagem, durante a qual intervém Manuel Malheiros, da Liga Portuguesa dos Direitos Humanos/Civitas.  

Indonésia: Paróquias acolhem 15 mil desalojados após terramoto

Na sequência do violento terramoto que atingiu a Ilha de Sulawesi, na Indonésia, na noite de quinta para sexta-feira, dia 15, a Cáritas local criou um centro de emergência para apoio à população afetada, tendo acolhido em duas paróquias um total de 15 mil pessoas que ficaram sem casa. A Conferência Episcopal Italiana (católica) doou, por seu lado, 500 mil euros para ajudar as famílias mais atingidas.

“Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, apela o arcebispo de Manaus

Com o aumento vertiginoso de casos de covid-19 no Estado do Amazonas (Brasil), particularmente na capital Manaus, e com as principais unidades de saúde já sem oxigénio disponível, o arcebispo da diocese, Leonardo Ulrich Steiner, gravou um vídeo apelando à solidariedade de todos. “Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, pediu na mensagem divulgada esta sexta-feira, 15 de janeiro, pelo Vatican News, sublinhando que a região se encontra “num momento de pandemia, quase sem saída”, em que as pessoas estão a morrer “por falta de oxigénio, por falta de camas” nas unidades de cuidados intensivos.

Bangladesh: Incêndio em campo de refugiados rohingya deixa 3.500 sem casa

Um incêndio devastou esta quinta-feira, 14 de janeiro, o campo de refugiados da cidade portuária de Cox’s Bazar, no sul do Bangladesh, tendo destruído mais de 550 casas que abrigavam cerca de 3.500 pessoas da minoria rohingya. Não são conhecidas até ao momento quaisquer vítimas mortais ou feridos graves, mas este incidente “terá roubado a muitas famílias o abrigo e dignidade que lhes restava”, afirmou o diretor da ONG Save the Children no país, Onn van Manen.

Entre margens

“Re-samaritanização” na “Fratelli Tutti” novidade

O Papa Francisco entendeu por bem dedicar o segundo capítulo da encíclica Fratelli Tutti (FT) à parábola do Bom Samaritano (Lc 10, 25-37). E a maneira como aborda o tema permite-nos falar de “re-samaritanização”, por dois motivos: primeiro, porque vem recordar que este modelo tão antigo de caridade e de ação-intervenção social mantém plena atualidade; e, em segundo lugar, porque interpreta a parábola de maneira diferente da mais comum e tradicional.

A fraude do nacionalismo cristão novidade

A secção de língua inglesa da International Bonhoeffer Society (fundada em 1973), um grupo de teólogos e académicos dedicados a estudar a vida e os escritos deixados pelo pastor luterano alemão e resistente antinazi Dietrich Bonhoeffer, executado em 1945 num campo de concentração, juntou-se ao crescente coro de autoridades eleitas, académicos e líderes religiosos que pedem a destituição do Presidente Donald Trump.

Euforia, esperança ou amnésia coletiva

2020 foi um ano em que, em boa parte, nos perdemos. Alguns arriscaram, mas, perante as consequências do destemor inicial, recuaram e reposicionaram a sua forma de vida. Outros não aprenderam nada e exibiram-se heróis, como se os riscos comprovados não existissem, como se as ameaças fossem coisa de fracos e de gente fora de moda. Pois é mesmo disso que tenho medo – de uma amnésia coletiva.

Cultura e artes

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Palavra e Palavras

Durante as semanas de Advento li o novo livro de Valter Hugo Mãe (VHM), Contra Mim. Trata-se de um livro que revela quem é Valter Hugo Mãe. A sua leitura literalmente me encantou e fez emergir múltiplas epifanias.  Um grande livro, um grande escritor. Uma prosa lindíssima e original. Uma profunda busca de Deus.

Auscultar a expressão de um Povo

A chamada Caixa de Correio de Nossa Senhora constitui um arquivo do santuário de Fátima no qual se conservam as mensagens ali enviadas de todo o mundo, a partir da década de 40 do século passado, dirigidas à Mãe de Jesus. Trata-se de cartas, bilhetes, postais, ex-votos, num número que atinge os milhões e que constituem uma expressão de devoção íntima e pessoal de inúmeros católicos de todas as origens sociais, económicas e familiares.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This