Encontro com James Martin no programa

Católicos LGBT abrem “centro arco-íris” durante a JMJ

| 19 Jul 2023

O centro permitirá o encontro entre pessoas e grupos da comunidade gay católica que estejam na JMJ. Foto © Sharon Mccutcheon / Unsplash

 

Por iniciativa de algumas pessoas da comunidade LGBT católica portuguesa a Casa da Cidadania do Lumiar vai transformar-se durante os dias da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) no Centro Arco-íris aberto a acolher e acompanhar os jovens LGBTQIA+ que se desloquem a Lisboa. Entre as várias iniciativas programadas, sobressai um encontro com o padre jesuíta James Martin no dia 2 de agosto, a partir das 18h30.

James Martin é uma figura destacada no que toca à pastoral de acolhimento das pessoas LGTB e autor de diversos livros sobre o tema, incluindo Construindo Uma Ponte, traduzido em português.

O seu trabalho com a comunidade gay e a sua reflexão sobres estes temas têm sido por várias vezes publicamente apoiados pelo Papa Francisco que o incluiu no conjunto de nomes que escolheu pessoalmente para participarem na assembleia do Sínodo dos Bispos de outubro próximo.

No comunicado enviado à redação do 7MARGENS, o grupo organizador acrescenta que o espaço será animado, logo a partir do princípio da tarde (15h00) de dia 1 de agosto por uma feira de apresentação de grupos e comunidades LGBTQIA+ católicas e iniciada a construção daquilo que apelidam de “Mural dos Afetos”.

O programa proposto pelo Centro Arco-íris contempla, além de outras iniciativas, a realização de uma celebração eucarística (dia 3 de agosto, às 15h00) no Convento de São Domingos – Rua João de Freitas Branco 12 (junto à estação de metro do Alto dos Moinhos), em Lisboa. Mais tarde (17h30) terá lugar no Centro Arco-íris – Largo das Conchas 1 (Quinta das Conchas, ao Lumiar) – uma conversa com o padre James Alison (outro nome incontornável no acompanhamento da comunidade gay). No mesmo local será projetado, no dia 4 de agosto (15h00 ), o filme Wonderfully Made, seguido de debate com o realizador e o produtor.

O Centro Arco-íris estará aberto todas as tardes (das 14h00 às 20h00) entre 1 e 4 de agosto para quem quiser visitá-lo, participar nas diversas atividades que ali terão lugar ou, simplesmente, encontrar-se com pessoas e grupos da comunidade gay católica que por ali vão passar.

Os organizadores sublinham que estas iniciativas nasceram da necessidade de afirmar a certeza e a confiança “de que todas as pessoas são chamadas a ‘levantar-se e a partir apressadamente’, grávidas de Luz, uma Luz que é a expressão da reunião de uma diversidade de cores” e que o Centro Arco-íris vai procurar “ser um lugar de celebração da afetividade e da identidade humanas, promovendo um local de encontro de portas abertas para todos”.

O endereço centroarcoirisjmj23@gmail.com está disponível para obter mais informação sobre o conjunto de atividades propostas e sobre o acolhimento previsto.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This