“Refuseniks” dão a cara

Os jovens israelitas que recusam alistar-se num “exército de ocupação”

| 14 Nov 2023

Manifestação de jovens pertencentes à rede Mesravot. Foto Mesravot

Ativistas da rede rede Mesravot. Os cartazes brancos dizem “Liberdade para os prisioneiros de consciência”, e o preto “Não mataremos nem seremos mortos ao serviço dos colonos”. Foto © Mesravot.

 

Há jovens, em Israel, a fazer objeção de consciência, recusando-se a prestar serviço nas forças armadas, devido à política de ocupação de territórios palestinianos. Alguns dizem mesmo: “Fomos nós que criámos este monstro”.

Um caso é o do Mesravot, uma rede de ativistas e objetores (refuseniks). Uma das suas ativistas, Ella Keidar, de 17 anos e residente em Telavive, e Yehelich Cialic, coordenador da rede, responderam a algumas perguntas de Anna Polo, uma colaboradora da ONG Mundo sem Guerras e sem Violência, publicadas no site da Pressenza – Agência Internacional de Imprensa.

Ella Keidar, que fala das consequências de se assumir como refusenik, responde que alguns “são condenados a prisão militar por algumas semanas ou alguns meses, e há problemas familiares que alguns … enfrentam”.  Mas no caso da rede Mesravot, a principal consequência é que a recusa não é uma questão meramente pessoal. “Estamos a transformar a nossa recusa numa ação política, falando à imprensa, divulgando a nossa recusa e agindo diretamente com outros ativistas, israelitas e palestinianos, o que nos coloca em perigo, especialmente com o clima político repressivo do momento”, explica a jovem.

À pergunta sobre as diferentes razões que levam jovens israelitas a não se alistar no exército, Ella Keidar refere o caso dela: “o que me levou a mim e aos meus amigos não só a não participar numa força militar violenta e ocupante, mas também a trabalhar ativamente contra ela, foi a esperança de podermos mudar a realidade deste lugar”.

Naturalmente que a situação criada pelo ataque do Hamas em 7 de outubro, no que se refere aos pacifistas e objetores, não poderia deixar de ser considerada. Segundo a entrevistada, já antes daquela data, “o apoio não era muito grande”. Mas agravou-se depois daquela data e a sociedade israelita “aceita muito menos” as ideias e posições dos que contestam os meios violentos”. Por isso, ainda que “ativos”, tiveram de adotar formas de ação mais “cautelosas”, “por medo de represálias civis e da repressão estatal”.

O Mesravot desenvolve atividades de entreajuda entre os seus membros, apoiando-se na recusa em combater, e dá apoio jurídico aos refuseniks que vão parar à prisão militar. Além disso, os membros participam em atividades públicas de sensibilização para o antimilitarismo e para a recusa de servir no exército.

Apesar do perigo, decorrente do atual contexto de guerra, o Mesravot tem desenvolvido atividades conjuntas com jovens ativistas da paz palestinianos e israelitas, como é o caso de uma carta que dirigiram à ONU e uma declaração conjunta para a paz subscrita por “muitas organizações da sociedade civil”.

Também por iniciativa de uma assembleia popular e de várias organizações da sociedade civil, dizem os entrevistados, em Telavive e Jaffa, foi criada “uma guarda civil mista árabe-judaica para impedir a violência e o racismo contra os palestinianos e para proteger os civis”. Apesar de todas as dificuldades, desabafa: “Penso que, apesar desta situação horrível, ainda há esperança”.

Ella Keidar (à direita) e o coordenador da Mesravot, Yehelich Cialic: “O único caminho” para a justiça e paz “é o de uma real colaboração judaico-palestiniana”. Foto © Mesravot.

 

Para eles, “o único caminho viável” para assegurar uma solução de “verdadeira justiça e paz é o de uma real colaboração judaico-palestiniana”, explicando: “há milhões de judeus israelitas e milhões de palestinianos nesta terra e ninguém quer sair. Temos de encontrar a nossa forma de viver juntos, através do reconhecimento mútuo, de uma verdadeira solução política, da soberania palestiniana, de reparações institucionais e do direito de regresso”.

O coordenador da rede Mesravot, Yehelich Cialic, tem um percurso político ligado também ao sindicato comunista que está ligado ao Partido Comunista Israelita, o único partido judaico-palestiniano no parlamento israelita, que é constituído por 90 por cento de palestinianos e 10 por cento de judeus. Numa entrevista dada ao site italiano AlaNews, este refusenik israelita refere que aprendeu árabe e trabalhou em “presença de proteção” na zona dos colonatos, que significa “documentar violações de direitos humanos, violência dos colonos, destruição de casas, negação de acesso a terras agrícolas” a palestinianos, e outros atos levados a cabo por militares e funcionários da administração das forças ocupantes.

Explica que o Exército do seu país se habituou a tornar a morte corriqueira, criando uma ideia de impunidade. “Somos o exército mais poderoso de sempre, somos Israel, podemos fazer o que queremos”, retrata Cialic, acrescentando: “fomos nós que criámos este monstro”.

O ativista defende que mais armas nas mãos das Forças de Defesa de Israel “para matar palestinianos como vingança…não resolveriam nada. Não me protegeriam. Digo-vos isto como israelita”. Para ele, “a única forma de evitar mais derramamento de sangue e mais sofrimento” passa por um cessar-fogo e a reabertura de negociações com as diferentes fações palestinianas.

 

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe novidade

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos

Como preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos novidade

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diaconisas, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024 novidade

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This