Católicos portugueses pouco entusiasmados?

Das “baixas expectativas” à “oportunidade de uma Igreja aberta” – Inquérito sobre o Sínodo

| 21 Set 2021

Inquérito aos movimentos: pouco interesse na dinâmica sinodal? Foto © Antenna | Unsplash

 

Um dos desafios a que o próximo Sínodo da Igreja Católica quer meter ombros é o de colocar pessoas, comunidades e estruturas em escuta. Como explicava há dias o Papa Francisco, não se trata apenas de uma tarefa, mas de uma atitude a cultivar, um modo de ser Igreja. Que pode assumir várias formas.

O 7MARGENS entendeu auscultar um conjunto de 63 movimentos e associações católicas, procurando contemplar diversidade de carismas e de setores e mesmo de atitudes perante o futuro. A auscultação decorreu na segunda metade de julho, num momento em que já se conhecia o cronograma e dinâmica do Sínodo. Enviámos três perguntas abertas:

  1. Que expectativas lhe suscita este desafio sinodal no que respeita à Igreja Católica em Portugal?
  2. Para que a Igreja Católica em Portugal acolha este desafio como uma oportunidade de renovação (pessoal, comunitária e de modos de funcionar) norteada pela Boa Nova de Jesus, que devem fazer os leigos? E que recomendações faria aos bispos portugueses?
  3. Que características e âmbito entende dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, até à primavera de 2022?

 

O primeiro dado a sublinhar é a percentagem muito reduzida de respostas. Dos 63 movimentos convidados, responderam nove, mesmo depois de insistências por telefone – pouco mais de 14 por cento. É difícil encontrar explicações para o silêncio de tantos grupos: um período em que alguns dirigentes já se encontravam de férias? O tema que não suscitou suficiente interesse? Haverá, por outro lado, algum significado no tipo de instituições que responderam? E poderá a fraca participação indiciar, de alguma forma, expectativas reduzidas para o Sínodo cuja abertura se aproxima e que culminará com a assembleia episcopal de 2023?…

 

Como vamos de expectativas?

A primeira questão incidia precisamente sobre as expectativas do desafio sinodal, tendo como referência a Igreja em Portugal. Para a organização católica O Ninho, que desenvolve na cidade de Lisboa o seu trabalho de estudo do fenómeno da prostituição e de acolhimento e inserção de pessoas prostituídas, as expectativas “não são muito altas”. Esclarece a sua visão observando que “a participação plena na vida da Igreja, por parte de todas e todos, sem aceção de ninguém, tem vindo a enfraquecer”.

O Ninho reconhece que novas associações e movimentos têm surgido, mas orientados, em alguns casos, por posicionamentos integristas e de secretismo. Refere como dificuldades “a preponderância do clero na condução da vida da Igreja” e uma “participação laical (…) mais centrada no ritualismo”, excetuando uma “elite de leigos” que, no entanto, “são, normalmente, submissos ao poder dos clérigos” Em suma, para O Ninho, “em Portugal, ainda há um longo caminho a percorrer para se entrar no dinamismo de uma Igreja sinodal”

As Oficinas de Oração e Vida (TOV, da sigla em espanhol)), com comunidades de oração presentes em 16 das dioceses do país, esperam que o Sínodo seja “uma oportunidade para, efetivamente, fazermos itinerário em comunidade – realçando a dimensão colegial da Igreja, cuja base é a participação ativa de cada batizado na missão sacerdotal e profética de Jesus Cristo, segundo a sua vocação”. Para isso haverá que “valorizar a co-responsabilidade e o diálogo entre os diferentes intervenientes”.

“Temos uma grande expectativa”, anotam por sua vez as Fraternidades Leigas Dominicanas, o ramo laical da Ordem dos Pregadores. Justificam de forma clara o motivo, deixando também, nos subentendidos, questões muito interessantes: “O desafio de sermos leigos pregadores nem sempre é fácil… quer pela questão da nossa formação teológica quer pelo lugar que nos é (ou não) dado”.

No caso da Ação Católica para os Meios Independentes (ACI), resume-se a abertura à iniciativa do Papa desta forma: “Sonhamos com uma Igreja aberta a todos, que siga o seu pastor, que seja cada vez mais e melhor um caminho de integração e de exemplo de vida coerente, generosa e cheia de alegria e de Vida! Temos de ser o verdadeiro ‘sal da Terra’ e a ‘luz do mundo’!!!.”

CBCEUA Bispos EUA

Os bispos reunirão a partir das reflexões e contributos dos movimentos e leigos, que deverão produzir uma síntese em cada diocese. Foto © USCCB.

 

No caso das Equipas de Jovens de Nossa Senhora, o maior desafio que enfrenta a dinâmica sinodal parece ser “a falta de comunicação entre os diversos grupos e movimentos católicos de Portugal”.  Para este movimento, presente em 11 dioceses e integrando à roda de 3000 jovens e casais em pequenos grupos-comunidades, uma igreja sinodal de comunhão e participação requer “oportunidades de escuta entre os responsáveis dos diversos grupos”, com a presença dos bispos para “nos orientar a favor das necessidades da Igreja”.

A Cáritas, organização sociocaritativa voltada para o desenvolvimento humano integral e a defesa do bem-comum, que cobre praticamente todo o território nacional, vê o Sínodo, “vivido em ‘pós’ pandemia”, “com muita expectativa”, na linha do caminho que, “desde sempre, o Papa Francisco propôs de “relação direta, frontal e de abertura ao mundo”. Preocupada com a transformação da sociedade, a Cáritas acredita que a Igreja “terá a ganhar quanto maior for a sua relação de proximidade com as comunidades locais”, em particular as mais vulneráveis.

Finalmente, a Obra Católica Portuguesa de Migrações, departamento da Conferência Episcopal, com presença em 17 dioceses, tem face ao processo sinodal a expectativa de que “sejamos capazes de crescer no diálogo e na construção de pontes”, “de ser internamente fraternos e conjugar esforços”, “conhecer melhor e valorizar os diferentes ministérios e carismas” e “não ter medo de mudar e inovar sem perder a memória, valores e princípios que nos edificam”.

 

Texto com os contributos de António Marujo, Eduardo Jorge Madureira e Jorge Wemans

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This