Lindomar Padilha, do Cimi: “No Brasil, os povos indígenas são vistos como estorvo”

| 13 Set 19

Lindomar Dias Padilha: “Nunca o Governo brasileiro realmente se preocupou nem com os povos e comunidades tradicionais nem com a própria natureza.” Foto: Direitos reservados

 

“O ataque aos territórios previamente demarcados já se tem intensificado e a tendência é piorar muito mais. São constantes os ataques, as invasões e mesmo as queimadas criminosas”, diz Lindomar Dias Padilha, um dos responsáveis do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), acerca da situação que se vive na Amazónia e no Brasil. O Cimi, organização de matriz católica, nasceu em plena ditadura militar com o propósito de “favorecer a articulação entre aldeias e povos, [tendo promovido] as grandes assembleias indígenas, onde se desenharam os primeiros contornos da luta pela garantia do direito à diversidade cultural”.

Hoje, o trabalho do Cimi, do norte ao sul do país, da costa ao interior amazónico, prende-se acima de tudo com a valorização e preservação das culturas indígenas, apoiando a demarcação das suas terras e denunciando os crimes cometidos contra estas populações no território brasileiro.

Na atual governação de Bolsonaro, onde a proteção do índio está longe de ser uma prioridade, e no contexto das últimas semanas em que incêndios avassaladores ocuparam os noticiários mundiais devido à destruição natural causada, o 7MARGENS foi tentar compreender melhor a real situação das comunidades ameríndias que tantas vezes acabam esquecidas no panorama nacional e internacional.

Lindomar Dias Padilha tem uma formação de base em filosofia e pós-graduação em Desenvolvimento e Relações Sociais no Campo. Trabalha em estreita ligação com os povos indígenas brasileiros desde 1991 como elemento do Cimi. Inicialmente esteve no Estado do Pará e, desde 1998, está no do Acre, onde já foi presidente da unidade regional Amazónia Ocidental. Fica a seguir a entrevista.

Amazónia. Foto © Tomás Sopas Bandeira e Maria Mouzinho

 

7M – Um líder indígena da etnia Wajãpi, no Estado do Amapá, foi recentemente assassinado e a aldeia posteriormente invadida por 50 garimpeiros (mineiros), numa região rica em ouro mas demarcada como reserva indígena e por isso não acessível a pessoas sem autorização para entrar na área. Em que medida os garimpos ilegais que hoje se fazem em toda a bacia amazónica afetam as comunidades indígenas e a biodiversidade da região?

Lindomar Dias Padilha (L.D.P.) – A atividade mineradora, garimpeira, sendo legal ou não, é uma das atividades que mais afeta o ecossistema e, consequentemente, as comunidades indígenas. O problema é que nunca o Governo brasileiro realmente se preocupou nem com os povos e comunidades tradicionais nem com a própria natureza.

O Brasil adota um modelo de desenvolvimentismo que, em última análise, considera os povos indígenas como um “estorvo” e “empecilho” ao progresso. Neste contexto, as terras indígenas, e mesmo a natureza como um todo, servem apenas para exploração, como é exemplo a exploração mineral, entre tantos outros projetos ligados à mercantilização de bens naturais e matérias primas.

7M – Já no tempo de Dilma se propôs uma emenda constitucional que procurava transferir a competência de demarcação das terras indígenas da Funai (Fundação Nacional do Índio) para o Congresso (na altura já de maioria ruralista). A Funai tem como missão “proteger e promover os direitos dos povos indígenas”, mas o novo presidente, Marcelo Augusto Xavier, foi delegado da Polícia federal, apoiado por deputados da bancada ruralista e tradicionalmente associados a políticas anti-indígenas. Como vê a situação atual relativamente à preservação dos territórios indígenas já existentes e a demarcação de novas terras previamente sinalizadas?

L.D.P. – A pressão da bancada ruralista sempre foi no sentido de não demarcar as terras indígenas para atribuir mais terras ao agronegócio, que eu chamo de “agro-crime”. Antes, a bancada ainda era pequena e, a partir do governo da ex-Presidente Dilma, a bancada cresceu muito. Não só a bancada ruralista, mas outras bancadas contrárias aos direitos humanos em geral. Cresceram exponencialmente as bancadas a que chamamos de BBB: “Boi, Bíblia e Bala”. São deputados e senadores de extrema-direita.

No atual Governo de Jair Bolsonaro dificilmente se demarcará alguma terra indígena, exceto por determinação explícita do poder judicial. Por outro lado, o ataque aos territórios previamente demarcados já se tem intensificado e a tendência é piorar muito mais. São constantes os ataques, as invasões e mesmo as queimadas criminosas.

Amazónia. Foto © Tomás Sopas Bandeira e Maria Mouzinho

 

7M – Um decreto do Presidente Temer, de 2017, anunciou a abolição de uma reserva natural na Amazónia do tamanho da Dinamarca, que acabou por não se concretizar após denúncia de inúmeras organizações nacionais e internacionais e a decisão por parte do tribunal federal ao considerar que não competia ao presidente decidir tal abolição. O atual Presidente tem-se aproximado de países como os EUA, para levar a cabo a exploração de recursos naturais na floresta amazónica e particularmente em terras indígenas. Em que medida a sociedade brasileira tem capacidade de contestar tais iniciativas de um presidente eleito?

L.D.P. – Bolsonaro foi eleito com uma grande margem de votos sobre o segundo candidato, o que não significa que terá facilidade em aprovar todas as medidas que desejar. Aliás, já é notória a perda de apoio popular e até mesmo de sectores políticos que antes lhe prestavam apoio. No entanto, a sociedade brasileira encontra-se muito dividida e uma parte significativa ainda mantém uma desconsideração profunda com o Partido dos Trabalhadores por associá-lo à corrupção e a desvios de recursos.

Por outro lado, os sindicatos também se encontram enfraquecidos e não conseguem esboçar reação. Pessoalmente, acredito que Bolsonaro acabará por cair por si mesmo, pela sua incompetência e por tomar medidas sem sentido. Pode ser que nasça uma nova força popular a partir desta intemperança do presidente.

7M – E que papel pode e deve ter a comunidade internacional nestes assuntos?

L.D.P. – A comunidade internacional tem o importante papel de denunciar as infrações do presidente, especialmente em relação às agressões feitas contra a natureza e as comunidades tradicionais e povos indígenas. A sociedade brasileira, por si só, não é capaz de exigir as mudanças necessárias. As denúncias de violações de direitos humanos no Brasil devem ser lideradas pelo povo brasileiro mas com apoio de governos e ONG internacionais.

Amazónia. Foto © Tomás Sopas Bandeira e Maria Mouzinho

 

7M – Segundo a ONG Survival International, as comunidades indígenas são as maiores protetoras do meio-ambiente e o Brasil é um exemplo de como a preservação da floresta se delimita muitas vezes pelas margens das reservas indígenas. Reconhecendo todos nós a riqueza do Brasil não só em termos de biodiversidade natural mas igualmente como um lugar de uma grande multiculturalidade, sendo casa de mais de 300 etnias indígenas diferentes, qual poderá ser o papel de cada um de nós pela proteção do índio americano?

L.D.P. – A proteção dos povos indígenas, também chamados de originários, bem como dos seus territórios, deve ser considerada de duas formas: na perspectiva dos povos que já possuem contacto com nossa sociedade ocidental; e os povos que ainda se encontram em situação de isolamento, voluntário ou não.

Os povos de maior contacto precisam de ter os seus territórios demarcados e apoio para que possam reproduzir-se física e culturalmente, segundo os seus costumes e tradições, sem que seja necessária a destruição do ambiente que tão bem têm preservado ao longo da História. Já os povos que ainda se encontram em situação de isolamento devem ter os seus territórios reconhecidos e protegidos, sem que seja feito o contacto uma vez que este seria um verdadeiro desastre para eles e para todos nós.

Creio que a comunidade internacional e os próprios países precisam de somar esforços no sentido de garantir a vida destes povos e, claro, de toda a sócio-biodiversidade.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Asteroide batizado com nome de astrónomo jesuíta do Vaticano

O asteroide, designado 119248 Corbally, tem cerca de um quilómetro e meio de diâmetro e foi descoberto a 10 de setembro de 2001 por Roy Tucker, engenheiro recentemente reformado, que trabalhou na construção e manutenção dos telescópios usados pelo padre jesuíta.

“Lei de naturalização dos sefarditas” num debate em vídeo

“A lei de naturalização dos sefarditas” é o tema de um debate promovido pela Associação Sedes, nesta quinta-feira, dia 2 de Julho, entre as 18h e as 20h. A iniciativa conta com a participação de Maria de Belém Roseira e José Ribeiro e Castro, dois dos mais destacados opositores à proposta de alteração à lei da nacionalidade apresentada pela deputada Constança Urbano de Sousa (PS).

Morreu Georg Ratzinger, irmão de Bento XVI

Georg Ratzinger, 96 anos, irmão de Joseph Ratzinger, que foi o Papa Bento XVI, morreu na manhã desta quarta-feira, em Ratisbona, cidade alemã onde viveu grande parte da sua vida.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

Economista social ou socioeconomista? novidade

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

O valor da vida não tem variações

Na verdade, o valor da vida humana não tem variações. Não é quantitativo (não se mede em anos ou de acordo com qualquer outro critério), é qualitativo. A dignidade da pessoa deriva do simples facto de ela ser membro da espécie humana, não de qualquer atributo ou capacidade que possa variar em grau ou que possa ser adquirido ou perder-se nalguma fase da existência. Depende do que ela é, não do que ela faz ou pode fazer.

Iniciativa Educação: Uma janela aberta à aprendizagem

Há uns anos – ainda era professora do ensino secundário –, uma pessoa amiga tinha duas filhas com personalidades muito diferentes. Foi chamada à escola do 1º ciclo do ensino básico. A professora disse-lhe que a filha mais nova não conseguira chegar aos objectivos propostos e que caberia a ela, mãe e responsável pela educanda, decidir se a filha deveria passar para o ano seguinte ou não.

Cultura e artes

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Aprender a falar com feijões

(Re)visto agora, a partir da janela do confinamento, este filme Uma Pastelaria em Tóquio ganha novos sabores, que é como quem diz, entranha-se em nós de uma maneira mais intensa.

Sedutora viagem no espaço e no tempo

O autor, arquitecto de formação universitária inicial – algo de relevante para entendermos esta obra fascinante – é sacerdote jesuíta, aspecto que, de imediato, identifica uma singularidade do olhar marcada pelos exercícios espirituais inacianos. Que lugar desempenhará, então, esse fragmento que interrompe o título – [Gráfico], onde uma outra convocação estética, de coabitação do textual e do visual se indicia?

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco