Lindomar Padilha, do Cimi: “No Brasil, os povos indígenas são vistos como estorvo”

13 Set 19Destaques, Newsletter, Últimas

Lindomar Dias Padilha: “Nunca o Governo brasileiro realmente se preocupou nem com os povos e comunidades tradicionais nem com a própria natureza.” Foto: Direitos reservados

 

“O ataque aos territórios previamente demarcados já se tem intensificado e a tendência é piorar muito mais. São constantes os ataques, as invasões e mesmo as queimadas criminosas”, diz Lindomar Dias Padilha, um dos responsáveis do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), acerca da situação que se vive na Amazónia e no Brasil. O Cimi, organização de matriz católica, nasceu em plena ditadura militar com o propósito de “favorecer a articulação entre aldeias e povos, [tendo promovido] as grandes assembleias indígenas, onde se desenharam os primeiros contornos da luta pela garantia do direito à diversidade cultural”.

Hoje, o trabalho do Cimi, do norte ao sul do país, da costa ao interior amazónico, prende-se acima de tudo com a valorização e preservação das culturas indígenas, apoiando a demarcação das suas terras e denunciando os crimes cometidos contra estas populações no território brasileiro.

Na atual governação de Bolsonaro, onde a proteção do índio está longe de ser uma prioridade, e no contexto das últimas semanas em que incêndios avassaladores ocuparam os noticiários mundiais devido à destruição natural causada, o 7MARGENS foi tentar compreender melhor a real situação das comunidades ameríndias que tantas vezes acabam esquecidas no panorama nacional e internacional.

Lindomar Dias Padilha tem uma formação de base em filosofia e pós-graduação em Desenvolvimento e Relações Sociais no Campo. Trabalha em estreita ligação com os povos indígenas brasileiros desde 1991 como elemento do Cimi. Inicialmente esteve no Estado do Pará e, desde 1998, está no do Acre, onde já foi presidente da unidade regional Amazónia Ocidental. Fica a seguir a entrevista.

Amazónia. Foto © Tomás Sopas Bandeira e Maria Mouzinho

 

7M – Um líder indígena da etnia Wajãpi, no Estado do Amapá, foi recentemente assassinado e a aldeia posteriormente invadida por 50 garimpeiros (mineiros), numa região rica em ouro mas demarcada como reserva indígena e por isso não acessível a pessoas sem autorização para entrar na área. Em que medida os garimpos ilegais que hoje se fazem em toda a bacia amazónica afetam as comunidades indígenas e a biodiversidade da região?

Lindomar Dias Padilha (L.D.P.) – A atividade mineradora, garimpeira, sendo legal ou não, é uma das atividades que mais afeta o ecossistema e, consequentemente, as comunidades indígenas. O problema é que nunca o Governo brasileiro realmente se preocupou nem com os povos e comunidades tradicionais nem com a própria natureza.

O Brasil adota um modelo de desenvolvimentismo que, em última análise, considera os povos indígenas como um “estorvo” e “empecilho” ao progresso. Neste contexto, as terras indígenas, e mesmo a natureza como um todo, servem apenas para exploração, como é exemplo a exploração mineral, entre tantos outros projetos ligados à mercantilização de bens naturais e matérias primas.

7M – Já no tempo de Dilma se propôs uma emenda constitucional que procurava transferir a competência de demarcação das terras indígenas da Funai (Fundação Nacional do Índio) para o Congresso (na altura já de maioria ruralista). A Funai tem como missão “proteger e promover os direitos dos povos indígenas”, mas o novo presidente, Marcelo Augusto Xavier, foi delegado da Polícia federal, apoiado por deputados da bancada ruralista e tradicionalmente associados a políticas anti-indígenas. Como vê a situação atual relativamente à preservação dos territórios indígenas já existentes e a demarcação de novas terras previamente sinalizadas?

L.D.P. – A pressão da bancada ruralista sempre foi no sentido de não demarcar as terras indígenas para atribuir mais terras ao agronegócio, que eu chamo de “agro-crime”. Antes, a bancada ainda era pequena e, a partir do governo da ex-Presidente Dilma, a bancada cresceu muito. Não só a bancada ruralista, mas outras bancadas contrárias aos direitos humanos em geral. Cresceram exponencialmente as bancadas a que chamamos de BBB: “Boi, Bíblia e Bala”. São deputados e senadores de extrema-direita.

No atual Governo de Jair Bolsonaro dificilmente se demarcará alguma terra indígena, exceto por determinação explícita do poder judicial. Por outro lado, o ataque aos territórios previamente demarcados já se tem intensificado e a tendência é piorar muito mais. São constantes os ataques, as invasões e mesmo as queimadas criminosas.

Amazónia. Foto © Tomás Sopas Bandeira e Maria Mouzinho

 

7M – Um decreto do Presidente Temer, de 2017, anunciou a abolição de uma reserva natural na Amazónia do tamanho da Dinamarca, que acabou por não se concretizar após denúncia de inúmeras organizações nacionais e internacionais e a decisão por parte do tribunal federal ao considerar que não competia ao presidente decidir tal abolição. O atual Presidente tem-se aproximado de países como os EUA, para levar a cabo a exploração de recursos naturais na floresta amazónica e particularmente em terras indígenas. Em que medida a sociedade brasileira tem capacidade de contestar tais iniciativas de um presidente eleito?

L.D.P. – Bolsonaro foi eleito com uma grande margem de votos sobre o segundo candidato, o que não significa que terá facilidade em aprovar todas as medidas que desejar. Aliás, já é notória a perda de apoio popular e até mesmo de sectores políticos que antes lhe prestavam apoio. No entanto, a sociedade brasileira encontra-se muito dividida e uma parte significativa ainda mantém uma desconsideração profunda com o Partido dos Trabalhadores por associá-lo à corrupção e a desvios de recursos.

Por outro lado, os sindicatos também se encontram enfraquecidos e não conseguem esboçar reação. Pessoalmente, acredito que Bolsonaro acabará por cair por si mesmo, pela sua incompetência e por tomar medidas sem sentido. Pode ser que nasça uma nova força popular a partir desta intemperança do presidente.

7M – E que papel pode e deve ter a comunidade internacional nestes assuntos?

L.D.P. – A comunidade internacional tem o importante papel de denunciar as infrações do presidente, especialmente em relação às agressões feitas contra a natureza e as comunidades tradicionais e povos indígenas. A sociedade brasileira, por si só, não é capaz de exigir as mudanças necessárias. As denúncias de violações de direitos humanos no Brasil devem ser lideradas pelo povo brasileiro mas com apoio de governos e ONG internacionais.

Amazónia. Foto © Tomás Sopas Bandeira e Maria Mouzinho

 

7M – Segundo a ONG Survival International, as comunidades indígenas são as maiores protetoras do meio-ambiente e o Brasil é um exemplo de como a preservação da floresta se delimita muitas vezes pelas margens das reservas indígenas. Reconhecendo todos nós a riqueza do Brasil não só em termos de biodiversidade natural mas igualmente como um lugar de uma grande multiculturalidade, sendo casa de mais de 300 etnias indígenas diferentes, qual poderá ser o papel de cada um de nós pela proteção do índio americano?

L.D.P. – A proteção dos povos indígenas, também chamados de originários, bem como dos seus territórios, deve ser considerada de duas formas: na perspectiva dos povos que já possuem contacto com nossa sociedade ocidental; e os povos que ainda se encontram em situação de isolamento, voluntário ou não.

Os povos de maior contacto precisam de ter os seus territórios demarcados e apoio para que possam reproduzir-se física e culturalmente, segundo os seus costumes e tradições, sem que seja necessária a destruição do ambiente que tão bem têm preservado ao longo da História. Já os povos que ainda se encontram em situação de isolamento devem ter os seus territórios reconhecidos e protegidos, sem que seja feito o contacto uma vez que este seria um verdadeiro desastre para eles e para todos nós.

Creio que a comunidade internacional e os próprios países precisam de somar esforços no sentido de garantir a vida destes povos e, claro, de toda a sócio-biodiversidade.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Carlos Farinha Rodrigues destaca importância da “economia de Francisco” novidade

A mensagem do Papa sobre a economia assenta no “combate às desigualdades e exclusão social”, na “dignidade do trabalho” e nas “preocupações com a casa comum”, diz o economista Carlos Farinha Rodrigues, em declarações à Ecclesia, a propósito de um debate sobre o encontro “A Economia de Francisco”, que decorrerá no próximo ano.

Duches para crianças pobres de Roma com apoio do Papa novidade

A Esmolaria Apostólica, que coordena as iniciativas caritativas do Papa, irá apoiar um projeto de banhos solidários para crianças pobres de Roma, já a partir desta quinta-feira, 19 de setembro. A iniciativa surge da associação italiana de médicos voluntários, a ‘Medicina Solidária’. “Estamos em guerra contra a pobreza”, afirma Lucia Ercoli, médica e presidente da associação, que gere seis consultórios itinerantes, também com o apoio da Esmolaria Apostólica.

John Kerry quer políticos a acelerar combate à emergência climática

O ex-secretário de Estado dos EUA, John Kerry, quer uma mobilização global dos governantes para acelerar o combate às alterações climáticas. Durante o encontro “O Futuro do Planeta”, organizado em Lisboa pelas Fundações Oceano Azul e Francisco Manuel dos Santos, o antigo candidato à presidência dos Estados Unidos afirmou que os governos mundiais têm atuado de forma irresponsável no cumprimento do Acordo de Paris, de 2015.

Bispos sul-africanos querem proteger mulheres contra homicídios

Os bispos católicos da África do Sul aconselham o Governo a agir contra a violência dirigida a mulheres e meninas, após uma série de mortes e violações que causaram revolta no país, que tem um dos maiores índices de homicídios do mundo: 3000 mulheres mortas em 2018 e 58 assassinadas diariamente.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O Brexit dos pobres novidade

Um Brexit puro e duro deixará um rasto de destruição nas vidas e famílias por todo o Reino Unido. Foi isso que a Igreja de Inglaterra disse, procurando ser fiel à sua responsabilidade profética.

Não aos casamentos prematuros: não andemos à deriva

As “tradições” acima narradas já tiveram o seu tempo. Devem ser abolidas, sendo importante que se encontrem rituais de passagem alternativos, que marquem a transição de rapariga para mulher, sem colocarem em causa a sua dignidade, nem o fundamento de se destacar que existe uma distinção clara entre o estado de uma menina e o de uma mulher.

“Todo o mundo é composto de mudança”

Li há dias uma notícia com o título: “Troca de padres não agrada a paroquianos”. Casos como este são excelente ocasião para esclarecer valores ou razões escondidas, concorrendo para o crescimento espiritual de todos (não só dos paroquianos).

Cultura e artes

O coração inebriado de Agostinho, na leitura das “Confissões”

No início, logo depois da primeira peça musical de Rão Kyao, um dos actores declamará: “Quem me fará repousar em ti? Quem fará com que venhas ao meu coração e o inebries para eu esquecer os meus males e te abraçar a ti, meu único bem?” No dia que a liturgia católica dedica a Agostinho de Hipona, 28 de Agosto, no antigo convento de Santo Agostinho, hoje transformado em Museu de Leiria, o Teatro Maizum produz, a partir das 22h, uma leitura encenada das “Confissões”.

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Sete Partidas

Amazónia, um pulmão a proteger

 Nestas últimas semanas, a Amazónia pegou fogo nas redes sociais! “A Amazónia está a arder”! – lia-se por todo o lado, em textos acompanhados de fotos ilustrativas, algumas das quais nem tinham nada a ver com a situação, ou porque eram fotos antigas ou de outras...

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Set
20
Sex
“Um milagre todos os dias” – projecção de filme e debate @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Set 20@11:15_13:00

O filme, estreado em 2018, foi realizado por Henrique Manuel Pereira e produzido pela Escola das Artes da Universidade Católica. Destaca a vida do Lar das Irmãzinhas dos Pobres, do Pinheiro Manso, inclui mais de três dezenas de depoimentos de residentes, funcionários, religiosas, voluntários e benfeitores.

“Com manifestações de humor e de solidão, de força e de fragilidade, de abnegada dedicação e criativo serviço, tendo por horizonte a ‘última estação da vida’, o filme configura um retrato realista do pulsar da vida daquela que é uma das instituições mais apreciadas e estimadas da cidade do Porto”, lê-se na sinopse.

A projecção será seguida por um debate com a participação do realizador, José Leitão (Centro de Reflexão Cristã), e João Eleutério, professor da Faculdade de Teologia.

Set
21
Sáb
Visitas guiadas ao Convento e Igreja de São Domingos, em Lisboa @ Convento de São Domingos
Set 21@10:00_12:00

As visitas serão acompanhadas pelo arquitecto João Alves da Cunha; haverá duas visitas: às 10h e 11h.

Encontro Também Somos Terra @ Casa de Espiritualidade do Linhó (Irmãs Doroteias)
Set 21@11:00_18:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco