Memória do Holocausto

Aristides, o padre Carreira e os outros justos que salvaram vidas homenageados em selos

| 16 Jun 2021

selos, memória, Holocausto, Aristides de Sousa Mendes, Carlos Sampaio Garrido, Alberto Teixeira Branquinho, padre Joaquim Carreira e José Brito Mendes.

O bloco filatélico e os cinco selos da emissão que homenageia os salvadores do Holocausto: Aristides de Sousa Mendes, Carlos Sampaio Garrido, Alberto Teixeira Branquinho, padre Joaquim Carreira e José Brito Mendes.

 

Na Segunda Guerra Mundial, em Bordéus, o então cônsul de Portugal nesta cidade francesa emitiu milhares de vistos a cidadãos de vários países, que tentavam fugir da França ocupada pelos nazis, em desespero, apenas por serem judeus.

A porta de saída da Europa era Portugal, mas a ditadura de Salazar exibia uma neutralidade fingida: o regime proibiu Aristides de Sousa Mendes, assim se chamava o cônsul, de emitir mais vistos e a admoestação pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros e o desrespeito dessas instruções valeram-lhe na altura o afastamento da carreira diplomática – mas um lugar definitivo entre os “justos entre as nações”.

Se o cônsul de Cabanas de Viriato ficou na História, não esteve sozinho entre portugueses, como recordam agora os CTT, numa emissão de cinco selos que lembra os gestos e os nomes de Aristides de Sousa Mendes, Carlos Sampaio Garrido, Alberto Teixeira Branquinho, padre Joaquim Carreira e José Brito Mendes. Os cinco que, de uma forma ou outra, “colocaram as suas vidas e carreiras em risco ao estenderem a mão a vítimas da perseguição nazi, na sua maioria judeus, na Alemanha e nos países ocupados, escondendo-as ou fornecendo-lhes documentos que permitiram que se salvassem”, como diz a informação divulgada pelos CTT.

Esses cinco homens são homenageados nesta emissão que é lançada nesta quinta-feira, dia 17, e à qual o 7MARGENS teve acesso em primeira mão. Cinco selos (e mais um bloco filatélico) que os apresentam como “Salvadores Portugueses”, no âmbito do Programa Nunca Esquecer – em torno da Memória do Holocausto.

Na pagela da emissão de selos, os CTT dizem tratar-se do “justo reconhecimento àqueles que devem constituir exemplo de vida, de cidadania e defesa dos Direitos Humanos”, num tempo e “num mundo que se quer democrático e solidário, isento de discriminação, intolerância e ódio”.

O padre Joaquim Carreira foi reitor do Pontifício Colégio Português, em Roma, e ofereceu abrigo a várias dezenas de pessoas perseguidas pelos nazis – e a sua história seria revelada mais tarde num trabalho publicado no jornal Público, da autoria de António Marujo, agora jornalista do 7MARGENS. A história teria mais tarde edição alargada em livro, com o título A Lista do Padre Carreira.

Joaquim Carreira é um dos três portugueses que foi declarado “Justo Entre as Nações”, pelo Yad Vashem – Autoridade para a Memória dos Mártires e Heróis do Holocausto, de Jerusalém. Para que isso aconteça, é necessário que uma pessoa que tenha sido salva testemunhe e descreva as circunstâncias em que foi ajudada. Aristides de Sousa Mendes e Carlos Sampaio Garrido são os outros dois.

Este último, embaixador de Portugal na Hungria, escondeu judeus na Legação de Portugal. Acabaram por ser todos presos, mas Sampaio Garrido lutou pela sua libertação mesmo depois de ter sido substituído na sua função por Alberto Teixeira Branquinho, que é também homenageado na emissão filatélica dos CTT. Encarregado de Negócios em Budapeste, Branquinho obteve permissão do Governo português para emitir 500 salvo condutos a todas as pessoas que tinham parentes em Portugal, Brasil ou, à data, nas colónias portuguesas. Emitiu 800 e procurou abrigar judeus e quem tentava dar proteção. Por fim, José Brito Mendes, emigrante português que vivia em França, e a sua mulher, Marie-Louise, de nacionalidade francesa, salvaram Cécile, uma criança judia, filha de um casal judeu vizinho, correndo grande risco de vida. José Brito Mendes está registado pelo Yad Vashem na lista dos “justos” franceses.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This