"Alfabetização emocional" no congresso de Braga

Seminários católicos têm de mudar – mas como?

| 17 Nov 2022

Celebração da missa nesta quinta-feira, no congresso de Braga: a mudança é necessária e urgente, sabe-se que direcções tomar, mas não se sabe como fazer. Foto © António Marujo

 

Em duas coisas coincidem os intervenientes no congresso internacional Erguendo os Olhos e Vendo, sobre os seminários católicos: a primeira é que o actual modelo de formação dos presbíteros, desenhado para responder à crise do catolicismo europeu do século XVI, já não serve; a segunda é que as mudanças a introduzir no modelo de formação devem ter em conta as mudanças culturais, sociais, afectivas, políticas e económicas das últimas décadas. Mas o problema está no modo de fazer a transição para o novo modelo – que ainda ninguém arrisca dizer como deve ser.

O segundo dia do congresso que decorre em Braga até ao próximo sábado, 19, teve três momentos essenciais: as intervenções da teóloga espanhola Cristina Inogés Sanz, que integra a comissão metodológica do Sínodo católico (e é colaboradora do 7MARGENS) e do teólogo francês Hervé Legrand, padre dominicano; e a apresentação do relatório da comissão organizadora.

Cristina Inogés tentou responder à pergunta sobre se se deve continuar formando seminaristas para um modelo esgotado; falou de um “desastre” anunciado desde há muito e propôs que as questões afectivas, emocionais e sexuais sejam afrontadas também nos seminários. Hervé Legrand referiu a importância da pluralidade de experiências dos padres – incluindo em termos de exercício de profissões “laicas”.

No relatório da comissão científica do congresso – composta por três padres e quatro leigos, incluindo uma mulher –, registam-se, no final, várias perguntas sobre o futuro dos seminários: porque não dados disponíveis sobre a realidade dos seminários? Quem deseja hoje os seus filhos nos seminários? Não será o estilo de vida dos padres um dos maiores obstáculos a que outros desejem assumir o ministério ordenado? Alguém quis saber porque não se sentem os jovens atraídos pela vida de padre? E sobre aquilo que eventualmente os poderia fazer pensar no assunto? Como proporcionar hoje às mulheres uma maior participação no governo, liturgia e pregação nas igrejas? Que preparação de líderes de comunidades existe para o facto de haver comunidades que celebram sem padre? E os baptizados são escutados para pensar e decidir sobre estas matérias?

 

Problemas e desesperanças

Capela da Imaculada, em Braga, na missa desta quinta-feira à tarde: a escolha das lideranças comunitárias devem envolver as próprias comunidades e não nascer da “imposição” do bispo.

 

O extenso documento propõe que o actual modelo de clérigo católico tem de passar de um padre “como representante de Cristo” ou de um corpo clerical para o modelo do líder de comunidades; de um modelo de poder concentrado e absoluto a um modelo de acompanhamento da comunidade”; da uniformidade de formação a um perfil variado, que inclua “celibatários e não celibatários; tempo inteiro e tempo parcial; celebrantes, directores espirituais, formadores, coordenadores, pregadores, etc.”, e com diferentes processos formativos; e com processos de escolha das lideranças comunitárias que envolvam as próprias comunidades e não nasçam da “imposição” do bispo.

Hervé Legrand também defenderia na sua intervenção que “a vocação é dada pela Igreja, pela comunidade”.

No documento da equipa científica partia-se de um contexto marcado por alguns problemas: a violência e abuso sobre crianças na Igreja Católica; a eclosão da invasão da Ucrânia pela Rússia; a elaboração da Ratio Nationalis – O Dom da Vocação Presbiteral, documento regulador da formação nos seminários; e o Sínodo sobre a Sinodalidade, promovendo a participação, a comunhão e a evangelização.

Também o quadro de desesperança dos jovens, o aumento das desigualdades sociais, a “economia que mata” e degrada o ambiente e esbulha e a pandemia da covid 19 marcam os “tempos de complexas mudanças” que se vivem, em que muitas pessoas abandonam a Igreja.

Apesar da ausência quase absoluta de estatísticas, a comissão recolheu alguns dos últimos dados disponíveis na página da Conferência Episcopal Portuguesa: somando os diocesanos e os religiosos, havia, em Portugal, 547 seminaristas em 2000, 444 em 2008 e 417 em 2014 – perto de 25 por cento de redução entre 2000 e 2014.

Hervé Legrand referiu também algumas das condicionantes sociais da formação dos novos padres: por exemplo, há hoje menos filhos nas famílias e o celibato de filhos único é menos possível do que em famílias alargadas.

O teólogo francês citou um texto do II Concílio do Vaticano que diz que “os pastores, com a ajuda da experiência dos leigos, estão em estado de julgar mais claramente e mais exactamente em matéria espiritual e temporal”. Defendeu que no exercício do ministério o “primeiro critério deve ser o bem dos fiéis”; que o ministério na Igreja “não tem de ser sempre o ministério ordenado”; e que ordenar padres casados significa que haverá experiências profissionais e também experiência sobre sexualidade.

 

Inteligência emocional

As mulheres têm sido escondidas na Igreja, mas elas devem estar presentes na formação dos seminários, defendeu Cristina Inogés. Foto © António Marujo

 

Cristina Inogés introduziu precisamente a questão da presença da linguagem afectiva nas casas de formação dos futuros padres – incluindo as questões LGBT e a presença de mulheres no processo formativo. “Os seminários católicos devem abrir a porta à alfabetização emocional, ajudando os seminaristas a saber gerir emoções e assumir sentimentos e afectos”, defendeu a teóloga.

A inteligência emocional deve estar presente nos seminários, de modo a “sentir, conhecer, canalizar e modificar estados emocionais em si mesmo e nos demais”, de modo a equilibrar as emoções e não a reprimi-las. Leigos, padres e bispos – “de cuja formação permanente não se sabe muito” – necessitam de uma formação permanente na linha afectiva. “Saber falar do nosso mundo emocional não nos faz mais frágeis nem vulneráveis.”

O modelo de formação nos seminários que ainda subsiste leva a que os padres apareçam como “homens com coração de aço” no que se refere a sentimentos. No entanto, referiu Cristina Inogés, Jesus chorou em público, acariciou crianças, falou com mulheres – tudo coisas proibidas na época; e Thomas Merton, um dos mais importantes místicos contemporâneos, apaixonou-se por uma enfermeira que o tratou; tendo rompido o voto de castidade, tinha decidido, pouco antes de morrer, continuar a ser monge mas vivendo a sua relação com M. – a mulher que apenas identifica assim, nos seus escritos.

Sobre o papel das mulheres, Cristina Inogés foi assertiva: “Os seminários continuam a formar sem a presença de mais de metade da humanidade que somos as mulheres; e irão trabalhar rodeados de mulheres – segundo os últimos estudos, 80% da Igreja são mulheres.”

 

“Romper a espiral da violência” é uma opção, garante o Papa

Segundo dia na RD Congo

“Romper a espiral da violência” é uma opção, garante o Papa novidade

“Esengo – alegria!” Assim iniciou Francisco a sua homilia na missa da manhã desta quarta-feira, 1 de fevereiro, que decorreu no aeroporto Ndolo, em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo (RDC). E a mesma palavra descreve na perfeição o ambiente que se viveu do início ao fim da celebração. Um ambiente pleno de cor, música e dança, em que ressoou a mensagem do Papa: sim, a paz é possível, se escolhermos “romper a espiral da violência”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This