[O flagelo que não acaba] (ii)

Algumas características do perfil dos abusadores (e dos encobridores)

| 3 Dez 2022

“Os abusadores – de qualquer forma de abuso – são narcisistas por natureza. Esta é uma característica geral. Têm uma alta estima pela sua pessoa e pelas suas faculdades de todo o tipo, e consideram-se a si próprios com um tal grau de superioridade que os leva a verem-se como intocáveis e obviamente inquestionáveis, façam aquilo que fizerem. Muitos deles têm fama de santidade em vida.”  Ilustração original de © Catarina Barbosa

 

 

Alguns podem não gostar, provavelmente muitos, mas sim, há um perfil de abusadores na Igreja regido por um padrão de comportamento: abusar do poder que foi concedido a uma pessoa. É importante ter isto em consideração porque não estamos a falar apenas de abusos sexuais, mas de todo o tipo de abusos que irei comentar.

Precisamente por isso, deve ter-se em conta que na Igreja o poder não se ganha; pelo contrário, é concedido por quem tem mais poder. Isto já assinala uma forma de comportamento muito contrária ao evangelho, extremamente hierárquica (o poder vem de cima), e que implica uma forma de actuação muito específica, tanto por acção como por omissão, de quem aspira a determinados cargos. Ou seja, se quiser alcançar uma determinada posição, devo comportar-me como a pessoa acima de mim deseja que eu me comporte. É uma espécie de sistema de colaboração entre as partes.

Isto já ajuda a clarificar que o perfil geral dos abusadores não é o do típico doente que, em muitas ocasiões, nos tentaram fazer ver. Alguns abusadores pode ser que sejam doentes. A maioria não. E isto deve ser claro e dizer-se claramente.

Os abusadores – de qualquer forma de abuso – são narcisistas por natureza. Esta é uma característica geral. Têm uma alta estima pela sua pessoa e pelas suas faculdades de todo o tipo, e consideram-se a si próprios com um tal grau de superioridade que os leva a verem-se como intocáveis e obviamente inquestionáveis, façam aquilo que fizerem. Muitos deles têm fama de santidade em vida.

A partir daqui, vão-se acrescentando algumas características (enumerá-las a todas requer um livro de dimensões consideráveis e uma análise psicológica profunda que não estou em condições de fazer); enumero três muito específicas.

O abusador é agressivo, embora não de forma continuada, e muito menos pública. Costuma ter episódios em que explode contra quem estiver à sua frente de forma descontrolada. Podem ser gritos, formas muito duras de apontar comportamentos alheios, intransigência perante determinadas questões, e um rigorismo moral muito suspeito onde a misericórdia não existe nem é esperada.

Agir assim, mesmo que seja de vez em quando, proporciona-lhe uma sensação – apenas sensação – de um certo equilíbrio entre a tensão da dissimulação em que deve viver e como gostaria de manifestar-se.

Evidentemente, alguns dos abusadores não se contentam apenas com estas formas agressivas e chegam ao abuso sexual. Aqui, ter-se-ia de diferenciar entre o abuso de crianças, adolescentes e pessoas adultas vulneráveis, e o abuso de pessoas adultas sob certas condições, circunstâncias, promessas, projecção de uma relação inexistente, mas secreta, que implicaria que “eu que não posso nem devo fazer isto, escolhi-te a ti para o fazer porque és muito especial…” Eles sabem procurar muito bem as suas vítimas.

O abuso de crianças, adolescentes e pessoas vulneráveis traz claramente ao de cima uma perversão muito calculada, dada a assimetria da relação entre a vítima e o agressor e a evidência de querer satisfazer um impulso sexual.

O abusador é manipulador, começando por ele próprio; ao manipular a sua própria condição de celibato como algo que lhe serve para “ganhar pontos” perante as pessoas em geral (embora, vendo aquilo que vemos, o celibato já não impressiona a quase ninguém). Esta manipulação do eu, que é disso que se trata, utiliza-a para se impor e dominar alguém ou dominar uma situação. E faz isso sem o mínimo pudor.

A sua identidade, que vê somente pelo prisma do sacerdócio, deve-a impor através dessa visão de superioridade que lhe dá o ministério, e porque renunciou a tudo na vida para ser padre. No tudo, entende-se que renunciou, evidentemente, à vivência da sua própria sexualidade. Por isso necessita de ter relações sexuais dominantes e agressivas – que nada têm a ver com a sexualidade – como mecanismo de compensação.

E, claro, manipula, se for o caso, a quem lhe pede explicações sobre algumas formas de comportamento, porque está tão seguro da sua superioridade a todos os níveis que se permite exercê-la em todas as direcções.

O abusador é rígido e autoritário, o que o leva a agir desde um pedestal que o eleva (ou nisso acredita) sobre os outros, a quem não quer, nem ama, nem respeita, nem lhe importam. Esta característica é própria daqueles que estão desesperadamente necessitados de afecto e carinho, e não o reconhecem por medo de perder a sua condição de “puros” em qualquer sentido.

A sua intransigência com o próximo não tem nada a ver com a vida que eles levam. São tão extremamente rigoristas que não conseguem dissimular nem em público nem em privado a sua forma de agir. No entanto, isto não parece atrair a atenção de ninguém, embora causem estragos por onde passam e em si próprios.

Estas são algumas das características mais habituais nos abusadores, não as únicas. No entanto, parecem não ser importantes para os encobridores, quando se descobre algo sobre eles.

Os encobridores, na sua maioria bispos ou pessoas hierarquicamente superiores aos abusadores, têm estado sempre mais atentos ao medo do escândalo pelo bem da instituição, que das pessoas abusadas e dos próprios abusadores. A realidade dos abusos de todo o tipo têm-na vivido como episódios soltos, sem nenhum tipo de conexão entre eles e sobre os quais, à pressa, tinha que se deitar terra por cima, porque os encobridores suspeitavam, não sem razão, que as suas carreiras poderiam vir a ser afectadas.

Com o tempo e algumas investigações, apesar de todas as tentativas para impedir que os resultados se tornassem públicos, percebemos que não eram questões desligadas. Pelo contrário, na maioria das dioceses havia toda uma trama corporativamente montada na própria estrutura diocesana. Daí a corrupção da mesma.

Sirva de modelo o caso de Boston, onde desde a mais alta instância, representada pelo cardeal Bernard Law (é uma piada do destino que o seu apelido signifique lei) e aqueles que o seguiam em cargos de responsabilidade, sabiam da realidade dos abusos (havia denúncias), conheciam os abusadores (as denúncias tinham os seus nomes) e consentiram que continuassem em acção, espalhando o mal ao mudá-los de paróquia, demonstrado pelas sucessivas nomeações.

A perversão chegou a tal ponto que os padres que foram obrigados a mudar de paróquia devido aos seus abusos – neste caso, sexuais – chegavam a oferecer uma determinada medalha às crianças abusadas para que, quem viesse substituí-lo, soubesse quais as crianças de que podia abusar. Isto era institucionalmente conhecido, admitido e permitido.

Os encobridores, sejam quem sejam, nunca agiram por amor à Igreja nem, obviamente, às vítimas. Têm agido assim para se protegerem e porque nunca acreditaram que a verdade vos libertará (João 32). Também eles abusaram e abusam do poder que tinham e têm e, justamente por isso, são moralmente responsáveis pela situação.

Estamos a assistir, não atónitos, porque sabemos que há muito para trazer à luz, mas sim muito preocupados, com a situação que se está a viver na Igreja de França. O que lá está a acontecer pode passar-se em qualquer outro país porque, assim como uma após outra, todas as conferências episcopais cometeram os mesmos erros, e foram acrescentando outros na hora de fazer frente à crise dos abusos, temo que continuem a cometer os mesmos erros a outros níveis e sempre dentro desta realidade.

A convocação do Sínodo da sinodalidade neste momento não foi algo casual. Ficou demonstrado que as dioceses e instituições eclesiásticas onde ocorrem mais casos de abusos de todos os tipos estão diretamente relacionadas com a falta de transparência no seu funcionamento. Daí o pouco entusiasmo que o Sínodo suscitou em algumas dioceses, embora não seja justo estabelecer uma relação direta entre o pouco entusiasmo sinodal, a falta de transparência e a presença de encobridores.

Um sinal de maturidade dos leigos – que foi demonstrado nas contribuições feitas na fase diocesana do Sínodo – seria, primeiramente, procurar a melhor informação e, caso seja possível, fora da instituição eclesial, sobre a realidade dos abusos. Porque todos temos responsabilidade na tremenda crise do abuso de poder na Igreja.

Neste momento já é mais do que evidente que a crise é real, não é uma invenção para atacar a Igreja; e que os seus protagonistas chegaram a ocupar altos cargos pastorais; contudo, a linha que separa o ser ou não cúmplices de permitir que a situação continue, é tremendamente fina. Basta não querer ver – nem sequer é necessário olhar com atenção – o que acontece e as provas que o demonstram. Não querer ver, negar a evidência, torna-nos a todos cúmplices da situação

Por isso, em segundo lugar e não menos importante, teria de haver um pedido de esclarecimentos, de mais transparência e de melhor e mais eficaz formação dos candidatos ao sacerdócio e na formação permanente do clero e dos bispos, da qual se sabe muito pouco. Porque a raiz de todo o abuso está aí. Na formação inicial, mas sobretudo, na inexistente formação permanente.

 

Cristina Inogés Sanz é teóloga e integra a comissão metodológica do Sínodo dos Bispos católicos. Tradução de Júlio Martin.

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This