Campolide: campo, horta e floresta em plena cidade

| 8 Fev 21

Bela Flor Respira-Agrofloresta de Campolide-2

Bela Flor Respira: O projeto aproximou mais de 400 pessoas do bairro, tirou os mais idosos do seu isolamento e permite aos mais jovens o contacto com a produção de alimentos ao ar livre. Foto: Direitos reservados.

 

Em Portugal sempre se praticou agricultura urbana de forma espontânea, mas agora surgem projetos comunitários estruturados que aproveitam o espaço público para produzir alimentos coletivamente. É o caso do projeto Bela Flor Respira (também com uma página página no Facebook), em Campolide, Lisboa, que conseguiu criar uma agrofloresta mantida por uma pequena equipa e pelos moradores do bairro que vão dando uma mão, e assim se apropriam e responsabilizam por um espaço público comum.

Bela Flor Respira” é uma agrofloresta, ou seja, um espaço onde crescem em simultâneo árvores de fruto, árvores florestais e hortícolas. O projeto aproximou mais de 400 pessoas do bairro, tirou os mais idosos do seu isolamento e tem permitido aos mais jovens o contacto com a produção de alimentos em atividades ao ar livre. A dinâmica gerada tem promovido a interação entre diferentes gerações e entre diferentes classes sociais, a integração de estrangeiros a viver em Portugal, e a criação de uma rede social diversa e inclusiva. A agrofloresta produz diferentes frutas e vegetais para quem quiser colher, divulga por vezes produtos menos conhecidos e, assim, promove uma alimentação mais variada e rica. No meio da atual crise, estes produtos têm permitido garantir o acesso a alimentação de qualidade.

Por outro lado, a iniciativa favorece a regeneração de um terreno de 1.000 m2 que não tinha utilização definida e comporta também um eixo de formação nas técnicas de regeneração de solos.

A ideia nasceu da conversa entre dois amigos e partiu de uma experiência já existente na regeneração de terra para fins agrícolas. Em 2018, Cátia Godinho, especialista em economia circular, propôs à Junta de Freguesia de Campolide, um projeto de agrofloresta comunitária seguindo os princípios da agricultura regenerativa, para revalorizar baldios no bairro municipal da Bela Flor. A Junta acarinhou o projeto e este foi financiado pelo programa Bipzip da Câmara Municipal de Lisboa.

Este é ainda um projeto piloto, mas em estudo está a forma de avançar para a criação duma rede de “polinizadores” que permita replicar a experiência adquirida.

“É necessário gerar casos práticos que inspirem estratégias alimentares nacionais e locais. Estas experiências concretas no terreno vão dar origem ao trabalho de topo da esfera política, até porque permitem quebrar tabus e evidenciar caminhos viáveis”, refere Cátia Godinho, com a energia própria de quem consegue passar estas ideias para a realidade.

Bela Flor Respira-Agrofloresta de Campolide-Cátia Godinho

Cátia Godinho, animadora do Bela Flor Respira-Agrofloresta de Campolide. Foto: Direitos reservados.

Agricultura urbana precisa-se!

Os mais velhos lembrar-se-ão de que, na segunda metade do século passado, era comum, em Lisboa, haver galinheiros ou pombais nas varandas. Hoje, há alguns vasos de aromáticas à janela: manjericão, salsa ou coentros. Mas desde os anos 1980 que os citadinos se têm afastado da terra, dependendo do comércio para se alimentarem com produtos que, frequentemente, vêm de longe. Estima-se que metade da população mundial viva, hoje, em aglomerados urbanos. Segundo a Pordata, a população portuguesa em lugares com mais de 10.000 habitantes passou, entre 1961 e 2011, de 2 milhões para 4,5 milhões de habitantes.

As grandes distâncias entre produtores e consumidores fragilizam as cadeias de fornecimento de alimentos e tornam-nas mais expostas a situações de contingência e a eventuais ruturas. Por outro lado, as cadeias longas obrigam a uma logística com fortes impactes financeiros e ambientais: mais quilómetros de transporte equivalem a mais emissões de gases com efeito de estufa (os sistemas alimentares são responsáveis por 1/3 das emissões globais segundo a EU), a mais embalagens, a mais consumo de energia para preservação dos produtos e a mais desperdício.

Por outro lado, os atuais sistemas de alimentação provocam impactes negativos de saúde, tanto a nível da sobrenutrição como da subnutrição. As cidades têm crescido a uma cadência que não tem permitido a integração de todas as pessoas e criam assimetrias socias significativas na forma de guetos de exclusão. Estas áreas com menos poder de compra, têm mais dificuldade em acompanhar a flutuação dos preços dos alimentos e, inclusive, ter acesso a alimentos com qualidade nutritiva adequada.

Como acontece com outros fenómenos, esta problemática está a ser abordada de cima para baixo, com a conceção de políticas públicas e de baixo para cima, com o surgimento de iniciativas cidadãs.

Ao nível público, a estratégia Farm to Fork (do prado ao prato), peça fundamental do Green Deal europeu, pretende criar sistemas de alimentação justos, saudáveis e de reduzido impacto ambiental. Segundo a Comissão Europeia, estes sistemas só podem ser resilientes a situações de crise como a pandemia de covid-19 se forem realmente sustentáveis.

Mais global, a Agenda Alimentar Urbana da FAO apresenta uma estratégia que passa pela criação de sistemas integrados de alimentos para as cidades que preveem, entre outros, o encurtamento das cadeias de fornecimento de produtos alimentares, ou seja: aproximar os produtores dos consumidores. A visão desta organização é a de concretizar sistemas alimentares resilientes, integrados, sustentáveis e inclusivos que salvaguardem o ser humano da fome e de qualquer forma de má nutrição.

Ao nível cidadão, as cidades estão-se a transformar em laboratórios vivos, ocupam-se os baldios com hortas e integra-se a comunidade, incentivam-se os restaurantes e os supermercados a reduzir os seus desperdícios através de doações e concebem-se campanhas de promoção de alimentação saudável que permitam aos cidadãos identificar as melhores opções alimentares.

Hoje, um pouco por toda a Europa, nos telhados de catedrais ou de empresas, nos canteiros das ruas das cidades produz-se, em comunidade, mel, alfaces, tomates e ervas aromáticas. São projetos ainda minoritários, mas vão tornar-se comuns. A população urbana irá aproximar-se da produção dos alimentos que consome, e aprenderá a comer de forma mais diversa e a reduzir a pegada ecológica da produção agrícola. Mas esses projetos oferecem, sobretudo, a oportunidade para que seja retomado o sentido de comunidade integrada no ciclo natural da vida, e assim transformar as cidades em espaços humanos e férteis.

Bela Flor Respira-Agrofloresta de Campolide

Uma das moradoras do bairro envolvidas no projeto: criar sistemas de alimentação justos, saudáveis e de reduzido impacto ambiental é uma das ideias deste tipo de iniciativas. Foto: Direitos reservados.

 

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Isto não é gozar com quem…?

[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura. Esta notícia, por exemplo: “Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021). O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Protestantismo

Colóquio internacional sobre Lutero

“Lutero – 500 anos: herege e inimigo do Estado” é o título do colóquio que tem lugar às 21h00 desta terça-feira, 25 de maio, via zoom, organizado pela Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Médicos Sem Fronteiras denunciam a perda de vidas civis em Gaza

Considerando “indesculpáveis e intoleráveis os ataques aéreos israelitas feitos nos últimos dias contra a população e infraestruturas civis em Gaza”, a organização internacional médica-humanitária Médecins Sans Frontières / Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirma que a clínica que opera em Gaza foi danificada na sequência dos bombardeamentos de domingo, 16 de Maio. Uma sala de esterilização ficou inutilizável e uma zona de espera foi destruída.

Do interior ao Médio Oriente e ao mundo, quatro jornalistas explicam como gastam a sola dos sapatos

Jornalismo com maior transparência, originalidade e com histórias contadas a partir de pessoas concretas, gastando as solas dos sapatos. Com esse ponto de partida, tendo como pano de fundo a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se assinalou neste domingo, 16 de Maio, o 70×7, programa da Igreja Católica na RTP2, foi este domingo ao encontro de quatro jornalistas, que procuram dar prioridade à ideia de contar histórias.

Entre margens

Moçambique

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Futebol

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco