Os cristãos a fazer “apagão” ao racismo e à discriminação

| 29 Fev 20

Catedral de Colónia iluminada: pelo menos uma noite, as luzes apagaram-se para “não dar luz ao racismo”. Foto © Thomas Wolf/Wikimedia Commons

 

Em 2015, a catedral de Colónia, uma das catedrais mais representativas e proeminentes na Europa, tomou uma decisão para assinalar a sua recusa da intolerância extrema simbolizada, à época, pelo movimento Pegida (Plataforma contra a islamização da Europa), que daria origem à AfD, o partido de extrema-direita em ascensão na Alemanha. A decisão foi simples: apagar as luzes que, durante a noite, iluminavam esplendorosamente a catedral. A diocese católica de Colónia aderia, assim, ao movimento cujo mote era: “Sem luz para o racismo”.

O distanciamento das Igrejas Católica e Luterana da Alemanha diante destes movimentos que, desgraçadamente, cresceram e continuam a crescer no país e na Europa, é irrefutável: assim o comprova o facto de haver padres católicos e pastores luteranos a começarem a ser perseguidos pela AfD. O argumento utilizado é que “os padrecos não têm nada que se meter em política” – um desvirtuamento e uma descontextualização de uma frase de Lutero, que, como é óbvio, a disse no contexto da sua crítica ao fausto da Igreja Católica do seu tempo – um dos aspetos centrais da sua mensagem.

É igualmente sabido que há cristãos na Alemanha (e não só – também cristãos portugueses) voluntários no salvamento e acolhimento a refugiados, procurando, no mínimo, fazer tudo para que eles não se afoguem ao largo do Mar Mediterrâneo. Não estão sós: o Evangelho de Mateus, no seu capítulo 25, é claro quanto à ligação entre a compaixão ativa (diferente da “caridadezinha”) e a fé, entre o rosto de quem sofre e o rosto de Jesus Cristo. “Cada vez que o fizeste a um dos teus irmãos, foi a Mim que o fizeste.”

Os católicos que tomam posição perante os atropelos aos direitos humanos, entre os quais se encontram formas de discriminação inaceitáveis, a desumanização do outro, o racismo, ou – contraditoriamente – a invocação do cristianismo para excluir aqueles que vêm precisamente de lugares de expansão do cristianismo no seu início – contam também com o apoio, com a inspiração de um Papa. Um Papa incómodo, porque, entre outras coisas, toca na ferida da exploração de seres humanos em nome de um sistema económico que, como ele já afirmou várias vezes, é um sistema que mata.

Francisco é incómodo, porque vai a Lampedusa e pergunta por que motivo não choramos com o drama dos refugiados, vai ao México e afirma que os cristãos não constroem muros, entra na catedral de S. Pedro acompanhado de chefes índios da Amazónia, pára (contra o estabelecido no protocolo da visita)  junto ao muro (mais alto que o de Berlim) que separa os palestinianos dos israelitas e encosta a sua mão contra a parede da discórdia. É um agitador. Sabe-se que é amado por muitos (incluindo por não-crentes) e odiado por outros tantos (incluindo crentes). Quer uma Igreja pobre, com os pobres, o que deve causar uma confusão enorme a quem se habituou a ver a Igreja como mais um pilar de uma estrutura social de pântano e adormecimento.

O que tem tudo isto a ver com a evocação da Igreja na Alemanha e com o “apagão” da catedral de Colónia? Tem a ver com os silêncios gritantes de outras igrejas locais, com a imobilidade e com o que parece ser o receio de dizer o que é evidente. De que estamos à espera para tomar posição quando há racismo, discriminações, injustiças estruturais? “Dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” não parece ser uma forma de dizer que a política (a vida em sociedade, porque é disso que se trata) não é para os cristãos. Talvez queira dizer que não se deve tratar o dinheiro como se fosse o que governa a vida, nem adormecer a consciência com uma fé que funciona como um instrumento de controlo social e moral.

No fundo, a pergunta poderia ser esta, muito simplesmente: de que têm medo algumas igrejas locais? Por outro lado, aqueles que invocam o cristianismo como um muro entre o “nós” e o “eles” a que cristianismo se referem? Que “parte” do cristianismo pode servir como estratégia para a sua ascensão? O 7MARGENS noticiou há poucas semanas uma reunião com 110 participantes, convidados por um instituto opositor do Papa.

Talvez não fosse má ideia as Igrejas locais contribuírem para um “apagão” das formas de discriminação que se tornam cada vez mais visíveis na Europa e às quais Portugal não está imune. Ou talvez fosse uma ideia adoptar campanhas capazes de dizer, claramente: “not in my name”. Não disse Jesus:” Seja, porém, o teu sim, sim! E o teu não, não!”?

 

Teresa Toldy é professora de Ética na Universidade Fernando Pessoa e co-coordenadora do Policredos – Observatório da Religião no Espaço Público, do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco