Os humanos e a Natureza: uma relação dialógica

| 13 Fev 20

O ponto central da teologia cristã em matéria ambiental não é se o planeta tem recursos próprios infinitos ou sequer se possui uma capacidade auto-regeneradora insuspeitável ou não. A ecoteologia é muito mais profunda do que isso.

 

Se para quem tem fé, os continentes, os oceanos e a atmosfera da Terra são obra de Deus, prejudicá-los e destruí-los será um atentado contra o próprio Criador, além de também o ser contra a Humanidade. Aliás, o Livro de Apocalipse alerta para um tempo em que Deus destruirá “os que destroem a terra” (11:18). Por outro lado, não temos o direito de privar as gerações presentes e futuras de usufruir de um meio ambiente harmonioso e saudável, muitas vezes em nome do egoísmo dos interesses económicos de uns poucos.

Mas, se a Natureza é obra divina, é importante e deve ser preservada, muito mais a própria Humanidade. E é aqui que tropeçam muitos fanáticos do ambientalismo, até porque, de acordo com o que disse Jesus no Evangelho, um ser humano não vale menos do que uma árvore ou qualquer animal: “Considerai os corvos, que nem semeiam, nem segam, nem têm despensa nem celeiro, e Deus os alimenta; quanto mais valeis vós do que as aves?” (Lucas 12:24).

Por outro lado, o conceito de “casa comum” tem chocado de frente com muitos dos pecados sociais em termos de ecologia humana: os nacionalismos, a xenofobia, o racismo, o colonialismo, a escravatura e o tráfico de pessoas. Mas também com a discriminação de género ou a discriminação etária, por exemplo, quando não se reconhece dignidade intrínseca a uma criança, um portador de deficiência ou um idoso ou, nos casos de violência doméstica, sobre esses elementos mais frágeis da sociedade. Mas também com o presente sistema de capitalismo selvagem, que promove o deslaçamento social, a falta de coesão, a pobreza, a fome e a subnutrição, e outras injustiças.

Já se descobriram cerca de 2.400 frases que se referem ao meio ambiente e que constituem quase oito por cento do total dos textos bíblicos. Por exemplo, existe uma determinação no Antigo Testamento que permitia a um israelita que estivesse em certas situações, como no meio do campo, com fome e sem provisões, ir aos ninhos e alimentar-se de aves, mas salvaguardando que nunca poderia matar ao mesmo tempo progenitores e crias, certamente para que não se alterasse o equilíbrio dos ecossistemas. Um outro caso curioso é que, também no Antigo Israel, em situação de guerra poder-se-ia abater árvores para construção e utilização de artefactos militares (como, por exemplo, aríetes para forçar as portas de cidades muralhadas), mas nunca à custa da destruição de árvores de fruto.

A doutrina da Revelação Natural referenciada em Romanos 1:19-21, é utilizada como evidência bíblica por alguns como forma de condenar os não-crentes que rejeitam a Deus, mesmo que nunca tenham ouvido diretamente a mensagem do evangelho. Parte-se do pressuposto de que a existência de Deus é óbvia à luz da beleza da criação. Todavia, nos lugares do mundo onde a água é salobra, o ar poluído e o ambiente deteriorado a ponto de colocar em risco a saúde pública, como pode Deus ser glorificado? Como é que isso aponta as pessoas para Deus? O salmista dizia que “Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos” (19:1). Mas, e quando as pessoas não conseguem sequer ver o céu devido à poluição?

Por outro lado, para os cristãos a Criação proclama o carácter do seu Criador, do ponto de vista da Beleza, da Harmonia e da Perfeição. Portanto, Deus importa-se com a sua obra da Criação e ensina-nos através dela. Veja-se que tem sido através da observação atenta do mundo natural que a esmagadora maioria dos avanços científicos foram alcançados, e que as Artes têm encontrado fonte de inesgotável inspiração, incluindo a arquitectura, como nos mostra Gaudí na Igreja da Sagrada Família, em Barcelona. Entretanto essa mesma Natureza proporciona qualidade de vida, como no caso das caminhadas e desportos ao ar livre em terra, no mar e no ar, assim como a preservação da saúde aos seres humanos, como acontece com os fármacos produzidos a partir de elementos do mundo vegetal.

A verdade é que Deus entregou aos seres humanos a responsabilidade de guardar e cuidar do meio ambiente, mas nunca de o destruir. Mas por vezes confunde-se a expressão genésica “dominar” com “fazer o que quisermos”.

A Bíblia diz em Génesis 2:15 “Tomou, pois, o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e guardar.” Deus quer que sejamos dignos de confiança na mordomia dos nossos recursos.

Cuidemos então do planeta e do ambiente, numa relação perfeitamente dialógica, mas sem esquecer o primado da pessoa humana. É que, segundo Carlos Neto, investigador em Motricidade Humana: “É inacreditável que hoje se passeiam mais os cães do que as crianças…”, talvez porque “Há pais que já não têm prazer em brincar com os filhos”.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco