Congregação tem primeiro geral africano

Padre Tony Neves é um dos seis assistentes gerais dos Espiritanos

| 22 Out 21

Tony Neves e o novo geral dos Espiritanos. Direitos reservados

Tony Neves e Alain Mayama, o primeiro africano a desempenhar o cargo de geral dos Espiritanos. Foto: Direitos reservados.

 

O padre Tony Neves, português membro dos Missionários do Espírito Santo, foi eleito como um dos seis assistentes gerais da congregação, conhecida como Missionários Espiritanos. A eleição ocorreu quinta-feira, 21, no capítulo geral que está a decorrer em Bagamoyo, Tanzânia, desde o dia 3.

A notícia, enviada pela congregação ao 7MARGENS, dá conta ainda da eleição, dia 18, do novo superior-geral, o padre Alain Mayama, o primeiro africano a desempenhar o cargo. Nascido no Congo Brazzaville em 1971, Mayama era até agora um dos assistentes gerais (ou conselheiros do geral), em Roma.

Padre desde 2000, Mayama começou a sua vida missionária nos Camarões, estudou nos EUA e trabalhou ainda no Gabão.

Tony Neves, colaborador regular do 7MARGENS, exercia desde 2018 o cargo de coordenador do Serviço de Justiça, Paz e Integridade da Criação e Diálogo Inter-Religioso da sua congregação. Nascido em 1962, o padre Tony foi ordenado em 1989 e trabalhou em Angola numa das fases mais intensas da guerra civil no país. Entre 2012 e 2018, foi o responsável máximo da província portuguesa dos espiritanos.

Com mais de 2500 membros em seis dezenas de países dos cinco continentes, os Missionários Espiritanos foram fundados em 1703 por Claude Poullart des Places. Em 2017, celebraram os 150 anos de presença em Portugal.

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This