Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana”

| 29 Nov 2022

Gracia Nasi, Judaísmo, Marranos, Sefarditas

Gracia Nasi com o sobrinho; ilustração de Arthur Szyk no livro The Last Days of Shylock, de Ludwig Lewisohn (Londres/Nova Iorque, 1931)

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos perseguida e expulsa de Castela. Tendo ficado viúva aos 25, herdeira de um império comercial e de uma incalculável fortuna por muitos cobiçada, Gracia iria revelar-se uma exímia gestora dos negócios fundados pelo seu marido, o banqueiro português Francisco Mendes. A sua vida e personalidade, e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, descendentes das comunidades judaicas da Península Ibérica, expulsos de Portugal por ordem de D. Manuel I, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi, que passa na noite desta quarta-feira, 30 de novembro (23h20), em estreia na RTP2.

O documentário de Nuno Garcia, diz a sinopse, percorre a história dessas pessoas, enquanto dá a conhecer a incrível mulher judia que, no século XVI, “se destacou pelo seu carácter e pelos seus feitos extraordinários”.

Tendo vivido “desde criança no mundo ambivalente de uma verdadeira fé escondida e de uma falsa declarada”, escreve Esther Mucznik na biografia que lhe dedicou (Gracia Nasi. A Judia Portuguesa do Século XVI que desafiou o seu próprio destino, ed. A Esfera dos Livros, 2010),

“Gracia Nasi era uma mulher de convicções sólidas, com uma grande força de carácter e de grande argúcia e capacidade empresarial. Mas os seus traços mais marcantes são a sua inquebrantável fé judaica e a compaixão que manifestou durante toda a sua vida pelos seus correligionários ‘marranos’, sujeitos às perseguições.”

De facto, depois de ter deixado Portugal após o estabelecimento da Inquisição no país, em 1536, atravessando meia Europa (Antuérpia, Veneza, Ferrara, onde mandou imprimir a primeira Bíblia em ladino, a famosa Bíblia de Ferrara…), Gracia chegou ao Império Otomano, onde encontrou a liberdade de professar o judaísmo sem o receio de ser perseguida. Aí, além de continuar a dirigir os negócios, dedica também parte do tempo e do seu dinheiro, a apoiar outros marranos na sua fuga à Inquisição, bem como o estudo e ensino do judaísmo, a edição de Bíblias e a ajuda a pessoas carenciadas.

Muitos desses marranos estendem-se nessa época por vários continentes, conta o documentário, fazendo permanecer a cultura sefardita por vários séculos. “Hoje, calcula-se que o número de judeus desta linhagem ronde os vinte milhões”, diz ainda a sinopse de Sefarad: Gracia Nasi.

Gracia Nasi, Judaísmo, Marranos, Sefarditas, Esther Mucznik

Capa do livro de Esther Mucznik.

No seu livro, Esther Mucznik escreve: “Muito cedo [Gracia] interiorizou o perigo de se afirmar abertamente como judia e só o fez verdadeiramente em Istambul, já na meia-idade, no final de uma errância que percorre o mapa europeu. Uma mulher que incarna nela própria o destino dos cristãos-novos ‘judaizantes’, eternamente dilacerados entre dois mundos, duas culturas, duas pertenças religiosas, duas identidades. Viúva aos 25 anos e à frente de um império baseado no comércio de especiarias cobiçado por reis, príncipes e papas que não se coibiam de exercer sobre ela as mais violentas pressões para se apoderarem da sua riqueza, ela assumirá o seu papel de ‘mulher de negócios’ simbolizando ao mais alto grau o espírito pioneiro, empreendedor e preponderante assumido na época pelos sefarditas judeus/cristãos-novos. Mas, como muitos marranos, ela aliava um grande sentido prático e o instinto de sobrevivência a uma religiosidade mística e fervorosa que a fazia preferir o face a face com Deus à companhia dos homens.”

A investigadora de assuntos judaicos acrescenta: “A vida de Grácia ilustra a história do marranismo português. Mesmo judia, Grácia nunca deixou na verdade de ser ‘marrana’. A longa vivência dupla, acompanhada de uma exposição permanente ao sofrimento e às perseguições dos cristãos-novos acusados de ‘judaizarem’, contribuíram para manter acesa a sua identidade de grupo, mesmo já no seio do judaísmo. Grácia Nasi combateu toda a vida por aquilo em que acreditava, sem nunca alterar as suas convicções e a sua fé e protegendo sempre os seus correligionários perseguidos. Habituada ao convívio de igual para igual com os poderosos do mundo cristão e muçulmano e a enfrentar os permanentes assaltos à sua família e ao seu poder económico, a resignação não estava na sua índole, nem na sua história. Ela teve o mérito de ousar proclamar que nada condenava os judeus a aceitar passivamente a perseguição e o sofrimento.”

Neste que é “um dos mais impressionantes episódios da Europa seiscentista”, Gracia Nasi surge como “uma figura maior do judaísmo do século XVI: judia e marrana, não judia ou marrana”, escreve ainda Esther Mucznik. Que conclui: “Pelo seu próprio exemplo demonstrou o fracasso da assimilação forçada. O que, afinal, toda a história humana nos comprova. “

Sobre ela, a escritora francesa Catherine Clément escreveu A Senhora (1992), romance histórico que conheceu um êxito assinalável e foi publicado em Portugal pela Asa.

“O nosso verdadeiro nome comum era Nasi, que quer dizer príncipe. Pobres de nós! Nessa época já não éramos príncipes, mas proscritos disfarçados”, escreve a autora, colocando estas palavras na boca do sobrinho de Gracia. Sobre este livro, escreveu o Magazine Littéraire que através do livro de Clément “o mundo mediterrânico ressuscita com a luz, os seus perfumes, o esplendor e a desgraça dos marranos“.

 

Sefarad: Gracia Nasi (estreia)
RTP2
Quarta, 30 de novembro, 23h20
Documentário

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This