Documentário em Melgaço

Festival de cinema reclama outro olhar para o interior do país

| 31 Jul 2022

Carlos Eduardo Viana: o coordenador do Festival critica a disparidade de critérios na atribuição de subsídios por parte do ICA aos projectos de cultura cinematográfica. Foto: Direitos reservados

Carlos Eduardo Viana: “Verificamos a tendência de apoiar em quase 90% os festivais organizados nas áreas metropolitanas.” Foto © Direitos reservados

 

“Em nossa opinião, esta política cultural [do ICA, Instituto do Dinema e do Audiovisual] não fomenta a igualdade na acessibilidade dos públicos ao cinema e continua a promover assimetrias na distribuição do financiamento público”, sublinhou Carlos Eduardo Viana, coordenador do MDOC – Festival Internacional de Documentário de Melgaço, em entrevista ao 7MARGENS. A propósito do início do certame nesta segunda-feira, 1 de Agosto (e que se prolonga até ao próximo dia 7), sob o prisma Identidade/Memória/Fronteira, o responsável do MDOC critica, implicitamente, o modelo de financiamento dos festivais, o regulamento do ICA na atribuição de subsídios, a falta de descentralização de apoios à cultura cinematográfica.

O Festival, recorde-se, visa promover e divulgar o cinema de carácter etnográfico e social. Nesta edição estarão a concurso 32 filmes, e o programa prevê diversas manifestações paralelas, exposições, cursos de Verão/Fora do Campo; Plano Frontal/Residência Cinematográfica e Fotográfica, entre muitas outras oficinas e criações artísticas. Dia 1, no Museu Jean-Loup Passek, será inaugurada uma exposição de cartazes originais de filmes portugueses. O MDOC é organizado pela Associação Ao Norte e Câmara Municipal de Melgaço.

 

7M – Na apresentação do Festival foi referido que o apoio financeiro da tutela ao MDOC não corresponde à importância do Festival. É pelo facto de o festival acontecer numa zona de fronteira e distante da macrocefalia do Poder?

CARLOS EDUARDO VIANA (C.E.V.) – Em Portugal, como se sabe, é o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) que atribui o apoio financeiro aos festivais de cinema. Se analisarmos a distribuição desse financiamento, verificamos a tendência de apoiar em quase 90% os festivais organizados nas áreas metropolitanas. Em nossa opinião, esta política cultural não fomenta a igualdade na acessibilidade dos públicos ao cinema e continua a promover assimetrias na distribuição do financiamento público.

O atual regulamento do ICA não prevê qualquer discriminação positiva relacionada com a distribuição geográfica das entidades apoiadas. Essa discriminação é fundamental porque não existem as mesmas condições sociais, culturais e de infraestruturas em todo o país. Defendemos a opção de uma política que promova uma maior descentralização do acesso à cultura cinematográfica, integrando no Regulamento do Programa de Apoio a Festivais em território nacional critérios que contribuam para a coesão territorial e que permitam valorizar a sua realização em territórios de baixa densidade. Como exemplo, uma das medidas que deveriam ser adotadas, no que diz respeito ao limite de apoio a conceder pelo ICA, os festivais fora das áreas metropolitanas deveriam ter fixado o seu limite máximo de financiamento em 80%, contrariamente aos atuais 50%.

 

7M – A Câmara Municipal de Melgaço tem sido, desde início, o grande parceiro institucional do projecto, mas situando-se o festival a meio caminho com a Galiza, nunca pensaram em expandir o certame além-fronteiras? O projecto é viável, ou existem questões difíceis de ultrapassar? O que pensa fazer sobre este tema?

C.E.V. – O MDOC realiza-se num território caracterizado, do ponto de vista demográfico, por uma baixa densidade populacional, situação que se repete do outro lado da fronteira. Apesar disso, tem sido política do festival, dentro dos constrangimentos financeiros e logísticos existentes, levá-lo até localidades na Galiza, itinerância que já aconteceu em Padrenda, Arbo e Entrimo.

Realizar extensões em localidades mais afastadas tem estado fora de causa devido aos encargos financeiros que acarreta. No entanto, a internacionalização tem ocorrido e, devido a uma parceria com o Diversitas – Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos da Universidade de S. Paulo, já foram organizadas três extensões do Festival no Brasil, a que chamamos MDOC – S. Paulo.

 

7M – O Festival tem tido reconhecimento e prestígio, mas muita gente diz não poder participar por causa das férias e outros factores como a distância, etc. Já pensaram em promover a extensão do Festival a outras cidades do país, Porto, Coimbra, Lisboa?

C.E.V. – Para o MDOC a aposta é fazer de Melgaço um ponto de encontro do documentário e de todos os interessados na não ficção. Um momento que passa pela programação do documentário contemporâneo, pela reflexão e troca de ideias sobre projetos de pesquisa e narrativas digitais e audiovisuais, pela formação e, fundamentalmente, pelo convívio e diálogo entre realizadores, produtores, académicos e público que vem assistir e participar no Festival. Esta matriz, que queremos manter e aprofundar, é incompatível com extensões noutras localidades. Não é nosso propósito agir como meros programadores.

 

7M – Jean-Loup Passek dá nome ao Museu do Cinema, mas muitos ignoram que, em Melgaço, existe um museu de afectos e único na Europa. Estão previstas algumas iniciativas tendentes a dar outra visibilidade pública e com isso, levar gente a visitar o riquíssimo acervo documental do Museu?

C.E.V. – A criação do MDOC – Festival Internacional de Documentário de Melgaço deve-se à existência do Museu de Cinema de Melgaço e é uma das formas de lhe dar visibilidade. O Museu inaugura em cada edição do Festival uma nova exposição, que faz itinerância quando é solicitada. Na edição deste ano, a exposição é uma homenagem a Jean-Loup Passek e resulta de uma parceria com o Festival de Cinema de La Rochelle, em França.

Jean-Loup Passek foi o fundador e diretor desse festival e, por ocasião da sua 50ª edição e da 8.ª edição do MDOC – Festival Internacional de Documentário de Melgaço, Jean-Loup Passek é homenageado através de uma mostra da sua coleção e de uma seleção de cartazes originais de filmes portugueses. A exposição, com a curadoria de Sylvie Pras, diretora artística do Festival de La Rochelle e de Madalena Lima, responsável pelo Museu de Melgaço, esteve patente em La Rochelle de 1 a 10 de julho e será inaugurada em Melgaço no dia 1 de agosto, dia de abertura do MDOC. Prevê-se, entretanto, uma colaboração com o Festival de Cinema de Berlim.

 

7M – Uma das grandes novidades do certame de 2022 é a introdução da nova secção X-RayDoc coordenada pelo professor e cineasta Jorge Campos. Prevê-se a abertura de novas secções para as próximas edições?

C.E.V. – A secção X-RayDoc surge pelo desejo de criarmos um espaço para pensarmos, de uma forma mais exaustiva, o documentário, onde se fará a análise de um filme marcante na História do Documentário.

O Festival tem uma estrutura ancorada em secções que lhe dão corpo, como a programação e conversas com cineastas a partir dos filmes candidatos ao Prémio Jean-Loup Passek e ao Prémio D. Quixote, atribuído pela Federação Internacional de Cineclubes, o Plano Frontal, uma residência cinematográfica e residência fotográfica que produz obras sobre o território, o Fora de Campo, um curso de Verão que parte de projetos de pesquisa e narrativas digitais e audiovisuais para propor um debate entre a antropologia e o cinema e o projeto “Quem Somos os que Aqui Estamos?”, que põe o MDOC a dialogar com o território e a interrogar as comunidades locais sobre as suas memórias e o futuro que vai acontecendo num mundo cada vez mais globalizado.

A partir de toda esta dinâmica há novas ideias e necessidades que vão surgindo e é provável que outras secções ou atividades surjam.

 

7M – Em números aproximados quanto custa fazer o Festival e quais as instituições que apoiam este projecto? E qual o número de espectadores, gente que fica atraída pelo Festival? 

C.E.V. – O MDOC teve, este ano, um apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual de dez mil euros. A restante verba é assumida pela autarquia de Melgaço, que se traduz de forma significativa na cedência de espaços, no apoio com autocarros para deslocações, no apoio logístico e de técnicos da autarquia durante o Festival. Temos, também, a colaboração da Escola Básica e Secundária de Melgaço para a utilização das suas salas, o que permite concentrar as atividades formativas e as refeições. Para preparar o Festival e o realizar em agosto, a Associação AO NORTE conta com uma equipa de colaboradores que trabalham voluntariamente. Na última edição do MDOC contabilizámos cerca de 2.656 espectadores e participantes.

 

Manuel Vitorino é jornalista

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores