Conselho para Diálogo Inter-religioso

KAICIID vem para Lisboa em Maio

| 5 Mar 2022

Kyfork Aghobjian, arménio e responsável do programa de bolseiros do KAICIID (Centro Internacional Rei Abdullah bin Abdulaziz para o Diálogo Inter-religioso e Intercultural), num seminário de formação de líderes, em Lisboa, 23 Fevereiro 2022. Foto © António Marujo

Kyfork Aghobjian, no seminário de formação de líderes, em Lisboa: Portugal foi escolhido por manifestar “abertura e tolerância”. Foto © António Marujo

 

O Centro Internacional Rei Abdullah bin Abdulaziz para o Diálogo Inter-religioso e Intercultural (KAICIID, da sigla em inglês) irá transferir a sua sede para Lisboa a partir de Maio, soube o 7MARGENS junto de responsáveis da instituição, que organizou em Lisboa um seminário de formação de líderes. Nascido em 2007 sob o impulso do Papa Bento XVI e do rei saudita que lhe dá o nome, na sequência dos atentados do 11 de Setembro de 2001 nos Estados Unidos, o centro tomara em Outubro a decisão de transferência de Viena para Lisboa por considerar Portugal como “um farol do multiculturalismo” e um país que sempre manifestou a “abertura e tolerância” como “características fortes da identidade nacional do país”.

Kyfork Aghobjian, arménio e responsável do programa de bolseiros do KAICIID, assegura, em declarações ao 7MARGENS, que essas características fazem de Portugal “a nova sede perfeita para uma organização como o KAICIID”. Em Viena de Áustria, a organização “foi frequentemente arrastada para discussões políticas nacionais que não estavam relacionadas com o trabalho” que pretende fazer, mesmo se a instituição tentou que isso não interferisse na sua missão e por isso se considerou melhor sair da capital austríaca.

Nos últimos meses, o KAICIID tem estado em contacto com decisores políticos portugueses e líderes religiosos “que têm sido extremamente acolhedores e solidários”, diz Kyfork Aghobjian. “Estamos desejosos de reforçar essas relações e de colaborar mais estreitamente assim que tivermos mudado completamente para Lisboa”, acrescenta o responsável.

Durante o seminário de formação em Lisboa, os participantes dedicaram uma tarde a visitar três locais de culto, contactando com os seus responsáveis: a igreja católica de São Domingos, a igreja-catedral de São Paulo, da Igreja Lusitana (Anglicana) e a Mesquita Central de Lisboa. Também a Fundação Aga Khan participou já em várias iniciativas do KAICIID e a Nunciatura Apostólica (embaixada da Santa Sé) em Portugal também tem estado em contacto com a instituição.

A decisão de mudar a sede foi tomada pelo Conselho das Partes, um dos dois órgãos de governo do KAICIID, composto por representantes dos quatro estados fundadores: Arábia Saudita, Espanha, Áustria e Santa Sé. Organização intergovernamental, regida pelas normas do direito internacional, o Centro tem um segundo órgão dirigente: o Conselho de Administração, constituído por líderes religiosos, reunindo assim decisores políticos com seguidores e líderes de diferentes tradições religiosas.

Este conselho, com o Fórum Consultivo, que reúne mais de 60 líderes religiosos das principais tradições religiosas e culturais do mundo, permite ao KAICIID “ligar em rede comunidades de todo o mundo”. A organização entende-se, assim, como “convocadora e facilitadora, trazendo à mesa de diálogo líderes religiosos, responsáveis políticos e peritos, para que possam encontrar soluções comuns para problemas comuns”.

Nascido para “promover o diálogo intercultural e inter-religioso, colocando membros de diferentes tradições e outros interessados a promover e participar em diferentes espaços de diálogo, o Centro inclui, actualmente, representantes das cinco mais importantes tradições religiosas: cristianismo, islão, judaísmo, budismo e hinduísmo.

O programa de formação de líderes admite candidaturas todos os anos. Dos 500 concorrentes ao último, na primeira fase foram escolhidas 20 pessoas por região, de onde saiu o grupo de 61 que participaram na formação de Lisboa (45 das quais presencialmente; as restantes, ainda por causa da pandemia, participaram à distância), prevendo também que alguns temas se relacionem preferencialmente com algumas regiões: por exemplo, a cidadania no mundo árabe ou a integração de imigrantes e a dimensão intercultural para a Europa.

 

Prevenir e abrandar o conflito
Grupo de bolseiros do KAICIID (Centro Internacional Rei Abdullah bin Abdulaziz para o Diálogo Inter-religioso e Intercultural), numa visita à Mesquita Central de Lisboa durante um seminário de formação de líderes, em Lisboa, 22 Fevereiro 2022. Foto © Nuno Patrício.

O grupo de bolseiros do seminário de formação de líderes, em Lisboa, durante a sua visita à Mesquita de Lisboa, dia 22 de Fevereiro. Foto © Nuno Patrício.

 

No actual momento, com uma guerra no Leste da Europa, Kyfork Aghobjian considera que estruturas como o KAICIID podem ter um papel importante no desanuviamento: “Primeiro que tudo, sensibilizando a opinião pública para o facto de que a religião é instrumentalizada para fins políticos. E quando se verifica esse fenómeno, podemos capacitar líderes religiosos para o enfrentar, podemos contribuir para a paz.”

Em relação ao que se passa na Ucrânia, o responsável do KAICIID considera que “os líderes religiosos não devem entrar nos jogos políticos”, de modo a evitar que a fé não seja usada “para jogos ou cálculos políticos”. É parte da missão do Centro “prevenir a instrumentalização das religiões nos conflitos”, diz. “Trabalhamos para prevenir essa instrumentalização ou abuso das religiões, dos valores religiosos e das posições religiosas; e para que a violência nunca seja utilizada com argumentos religiosos.”

“As religiões ou instituições religiosas, como um dos elementos cruciais da sociedade, podem desempenhar um papel construtivo, para prevenir o conflito, abrandar o conflito e construir a paz”, acrescenta Aghobjian. “Mesmo quando o conflito não tem conotações religiosas, os líderes religiosos podem jogar um papel para prevenir a escalada de violência, chamando as diversas partes ao cessar-fogo, prevenindo a violência ou refreando-a.”

O responsável do programa de bolseiros do KAICIID cita alguns exemplos actuais: “Creio que não há quase nenhum conflito em que a religião (sejam os líderes ou as instituições) não possa ter um papel; basta pensar na covid-19, nas migrações, na crise dos refugiados, nos ataques a lugares de oração. Em todas estas questões, que atravessam fronteiras, as instituições e líderes religiosos podem ter um papel crucial.”

Pensando no que se passa num âmbito mais interno das estruturas religiosas, Aghobjian diz que o KAICIID privilegia a prossecução do diálogo como forma de “entender e ouvir o outro”, em detrimento da participação em debates do interior das instituições. “Quando providenciamos o espaço, é possível que tudo se discuta. Mas o diálogo não precisa de terminar sempre com um acordo de paz, é um espaço para alargar a compreensão mútua. E podemos equacionar como podemos usar textos religiosos para incrementar esse diálogo.”

O diálogo, acrescenta ainda o responsável, é uma “ferramenta para aprendermos uns dos outros e também sobre nós próprios, é um meio muito efectivo de concretizar a nossa compreensão, para criar um terreno comum mais amplo onde possamos trabalhar em conjunto”.

 

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This