Luís Moita: a relação, o humanismo, a promessa a Abraão, o desejo e um livro

| 21 Jul 19

Luís Moita no uso da palavra; na mesa, Brígida Brito, que fez a saudação inicial. Fotos © Departamento de Comunicação da UAL

 

E se invertermos a lógica do eu + tu = nós? Luís Moita, professor da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL), fez a pergunta no início da sua “última lição”. Tratou-se, à beira de completar 80 anos, de um “momento simbólico”, como o designou, já que continuará a dar esporadicamente algumas aulas e a acompanhar projectos de investigação. E desvendou aquele que seria o tema do “livro razoável” que gostaria de escrever.

A sessão no átrio da UAL, versou sobre “o conceito de relação” e decorreu perante várias centenas de convidados, amigos e outras pessoas da academia, da política e da cultura. Entre eles, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, a presidente do Conselho Nacional de Educação, Maria Emília Brederode Santos e os deputados José Manuel Pureza e Helena Roseta, alguns dos presentes que o académico fez questão de saudar, apesar de preferir conseguir dirigir-se “individualmente” a cada pessoa.

“Até posso inverter a lógica: o nós é igual ao eu + tu. Há uma anterioridade do plural sobre o singular: antes de sermos indivíduos, somos participantes de uma comunidade que nos faz ser nós próprios”, disse Luís Moita, dirigindo-se aos que o escutavam. “A minha convicção é sobretudo esta: que nós existimos uns por causa dos outros. É o tecido das nossas relações que nos constitui como pessoas.”

Na sua intervenção dia 11 de Julho, feita de forma descontraída e deslocando-se na frente da plateia, como se de uma aula se tratasse, o antigo vice-reitor da UAL fez um percurso por várias áreas do saber e do pensamento: “A ideia de relação é um conceito chave, que pode atravessar todos os nossos campos de saber, desde as partículas subatómicas ao sistema internacional e à humanidade no seu conjunto.” E retirou dessa afirmação a sua “moral da história: a realidade é relacional, o frágil dá consistência aquilo que parece forte”.

O académico recordou os lugares por onde passou: Externato Ramalho Ortigão, nas Caldas da Rainha, Seminário Maior dos Olivais, Instituto Superior de Serviço Social, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, ISCTE, Instituto de Altos Estudos da Força Aérea, Instituto de Estudos Superiores Militares (agora Instituto Universitário Militar) e UAL, onde lecciona desde 1988. Também, e esporadicamente, Barcelona, Madrid, Génova, Turim, Roma, Buenos Aires, São Paulo, Luanda e Díli. “Quando me tratam por professor, não reconheço um título, mas uma identidade”, afirmou.

Foi esse também o perfil que a antiga aluna de Luís Moita e agora docente da UAL e membro da direcção do Observare – Observatório de Relações Exteriores, Brígida Brito, recordou na sua intervenção inicial: a característica que melhor define o seu ex-professor é o “humanismo”, disse, pela sua “grande capacidade de aceitação e tolerância”. E acrescentou: “Todos o respeitamos pelo seu carácter, pela forma ímpar de entender a pedagogia, pelo trabalho académico e científico que tem vindo a desenvolver e através do qual nos ensinou que o caminho se faz caminhando.”

Brígida Brito recordou a “extrema capacidade” de Luís Moita para “ouvir e compreender, negociar e ceder”, bem como o seu “enorme sorriso” quando chegava a cada aula, “cumprimentando com grande cordialidade e uma atitude informal e leve” que “cativou de imediato” os alunos.

 

“Se alguma vez escrevesse um livro…”

Uma última lição ao ar livre, no átrio de entrada da Universidade Autónoma, em pleno centro de Lisboa. Foto © Departamento de Comunicação da UAL

“A seriedade desta convicção é a grande questão da ética, da nossa responsabilidade moral: assumirmos e levarmos a sério esta cumplicidade, a reciprocidade relacional que une os nossos destinos”, diria momentos depois o professor, quase que dialogando com o que dele dissera a antiga aluna.

Luís Moita responderia, aliás, sempre a propósito da relação, que também ele foi “aprendendo muito na actividade docente: passei pela história e pela filosofia, pela teologia e pela ética, pela epistemologia e pela sociologia, trabalhei sobre o sagrado e o profano, o civil e o militar, o individual e o colectivo”. Aprendeu ainda “muita coisa sobre o nosso corpo como lugar da interacção que nos é permitida, o nosso olhar recíproco provavelmente como o mais rudimentar modo de relação mútua”. E indicou: “Se alguma vez conseguisse escrever um livro razoável, seria sobre o tema do olhar humano, a sua enorme capacidade de expressão…”

Outra descoberta “luminosa” foi a da necessidade de “remontar da ética da obrigação para a ética do desejo – palavra mágica, bem mais importante que o vínculo ou a obrigação perante uma norma”. Desejo que, recordou, está plasmada também na tradição judaico-cristã: “Antes da lei atribuída a Moisés, que impõe a obrigação face ao mandamento, há a promessa feita a Abraão, que desencadeia a esperança; o binómio promessa-esperança é anterior ao binómio norma-obrigação.”

“Deus é também na sua essência relacional”, acrescentou, ainda sobre o modo como o conceito de relação pode ser lido na tradição cristã, já que a noção de Trindade supõe que “cada uma das entidades que compõem o nosso Deus só o é em relação”.

De resto, na viagem por alguns diferentes campos do saber e das ideias, referiu que as sociedades pré-industriais estão baseadas numa relação de parentesco alargada, “que se projecta no próprio processo produtivo”; que para Karl Marx as relações sociais de produção são “a estrutura basilar das nossas sociedades”; que as sociedades contemporâneas se caracterizam pela ideia da rede; e que a própria física quântica acaba por mostrar que “a matéria é relacional”.

 

“Uma coisa frágil…”

“Pensar é interiorizar uma linguagem de partilha, um código de significados que nos é comum”, definiu o professor da Autónoma, para perguntar: “O que é primeiro: a essência ou a relação? E se a relação fosse anterior à própria substância, se fosse a relação que desse consistência às coisas na sua própria natureza?”

“A relação é sempre uma coisa frágil, é um vaivém, é um fluxo”, respondeu. “Pode-se perder, pode-se degradar e, não obstante a sua fragilidade, é ela que dá consistência às coisas e, portanto, a nós próprios, como seres que vivemos em relação. À conta de estabelecermos relação entre nós, estamo-nos a construir.”

Claro que, admitiu, há o reverso de toda esta medalha, “que é a possibilidade de nos destruirmos, terrível e inquietante para os nosso destinos. A propósito citou dois textos de Jean-Paul Sartre, quando coloca as personagens da sua peça Huis Clos(“À porta fechada”) a perceberem que, enquanto esperam sem se saber bem o quê, o seu castigo é estarem juntos uns com os outros, com a conclusão dessa frase “terrível e perturbadora: o inferno são os outros”.

O também antigo dirigente (entre 1974 e 1989) do Cidac (organização não-governamental de cooperação para o desenvolvimento) referiu ainda o campo das relações internacionais, “onde subitamente o perímetro da situação se alarga” à humanidade inteira, passando ao “registo duro, do poder, do uso da violência”. O actual sistema de relações internacionais manifesta “tão grandes distorções, tantas descontinuidades na relação, que é difícil sermos conformistas em relação a ele”, disse, concretizando com as “dissociações entre o económico e o social, entre a justiça e a liberdade, entre a humanidade e a bio-esfera, aquela que de momento parece ser a mais dramática”.

“O tratamento do processo de todas as relações internacionais, não é pensável se não for um processo de humanização, onde nos construímos reciprocamente e tentar não nos destruirmos uns aos outros, agora em grande escala”, concluiu.

Melhor: a conclusão seria em forma de agradecimento, ainda e sempre sobre a relação: “Vou terminar com um obrigado, que não é só um remate, é uma expressão da minha gratidão pelos que me ouvem, porque esta minha convicção de que se existo agora como pessoa e não como ser inanimado, é porque vocês escutam, com cordialidade e com interacção, mesmo que pareça passiva. Mas eu sei que não está a ser, e por isso concluo, agora com outra densidade, dizendo: obrigado!”

 

(Os 39 minutos do áudio completo da sessão podem ser ouvidos ou descarregados em podcast neste endereço da página da UAL na internet.)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

Comunicar na era do coronavírus novidade

Byung-Chul Han é um observador perspicaz da sociedade contemporânea, por ele designada de várias maneiras, como “a sociedade do cansaço” ou “a sociedade da transparência”. Professor universitário em Berlim, ele analisa criticamente aquilo que designa como “o inferno do igual”, ou seja, algo de inevitável naqueles que a todo o custo pretendem ser diferentes mas que, na realidade, se aproximam por esse desejo comum – aliás não conseguido – de originalidade.

Deus sem máscaras novidade

Assisti à cerimónia da consagração ao coração de Jesus e ao coração de Maria, proposta pelos bispos de Portugal, Espanha e outros países. Um ponto de partida para reflectir sobre oração e rito.

A ilusão do super-homem

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Cultura e artes

Tagore: Em busca de Deus novidade

Rabindranath Tagore (1861-1941), Nobel de Literatura em 1913, é um grande poeta universal. Indiano, de família principesca, estudou Direito e Literatura, em Inglaterra, em 1877, não chegando a acabar o curso devido à secura do ensino superior ministrado. Tal como o seu amigo Gandhi, que sabia de cor e recitava todos os dias as Bem-aventuranças, foi atraído pelo cristianismo e

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Sete Partidas

A doença do coronavírus serve de desculpa para tudo? novidade

À boleia da pandemia que nos aflige, vejo coisas a acontecer que não podem deixar de me espantar, pela sua aberração e desfaçatez de quem as pratica. Em meados de fevereiro, em Mullaithivu, no norte do Sri Lanka, foi descoberta uma vala comum enquanto se procedia às escavações para as fundações duma extensão do Hospital de Mankulam. Segundo os médicos legistas, os restos mortais encontrados têm mais de 20 anos.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco