Mais para lá da música: Gen Verde inicia em Braga digressão portuguesa

| 27 Abr 19

Fotografias © Gen Verde

A segunda música é como que um emblema do disco e da banda: vinte jovens mulheres em palco, oriundas de 15 nacionalidades diferentes (a que se juntam 150 jovens para cantar, dançar, fazer teatro e tocar percussão, depois de prepararem essa participação numa oficina de quatro dias) só poderiam fazer esta música assim: Terra de Paz/A Nossa Terra Comum é o título, nas versões castelhana e inglesa.

O tema foi composto pela norte-americana Nancy Uelmen e pela mexicana Jamaica C. Lyra, que integram o Gen Verde, grupo musical internacional composto apenas por mulheres, do Movimento dos Focolares. “Ao escrevermos juntas esta canção, inspirada também nos nossos amigos que nos dois lados da fronteira do México e EUA procuram caminhar em paz todos os dias, queríamos compartilhar a nossa experiência de como as coisas podem ser diferentes. Esperamos que esta música seja mais um passo nesta jornada em direcção à compreensão recíproca.”

A música começa por uma afirmação lapalissiana: “Aqui no deserto, de cada lado da fronteira, acordamos com a mesma beleza das montanhas” e com “o mesmo rio que corre”… O vídeo seguinte, gravado no GenFest de Julho do ano passado, em Manila, Filipinas (o GenFest é um festival que reúne membros dos Focolares de uma região ou país), e aqui pode ouvir-se e ver a execução da música ao vivo:

Neste sábado à noite, o Gen Verde inicia uma nova digressão em Portugal, no Altice Forum, em Braga, às 21h, para apresentar o último disco From the Inside Outside  (De dentro para fora). Seguem-se Santa Maria da Feira (Europarque, 4 de Maio), Fátima (Centro Pastoral Paulo VI, 10 de Maio), Manique do Estoril (Colégio Salesiano, 17 de Maio), Évora (Arena, 25 de Maio) e Faro (Teatro das Figuras, 30 de Maio).

 

Oficina criativa com 150 jovens artistas

Os concertos, no entanto, são apenas a face mais visível da digressão: nos dias que precedem o espectáculo, as vinte artistas da banda fazem uma oficina criativa com cerca de centena e meia de jovens das escolas de cada região onde se apresentam em palco. Dança, teatro, percussão e canto são as áreas de trabalho desses dias, que culminam com a apresentação conjunta em palco (em Faro, será apenas a banda a apresentar-se).

Por detrás do trabalho artístico, há outros objectivos, como explica António Oliveira, dos Focolares, que acompanha a digressão do Gen Verde: ajudar os mais novos a descobrir-se melhor no seu interior, potenciando a sua auto-estima e consolidando competência sociais. Ao mesmo tempo, trabalha-se o reconhecimento da “violência nas relações diárias, em fenómenos como o bullying, o mobbing, a marginalização, o medo e a intolerância”, procurando treinar as reacções conscientes “contra todas as formas de exclusão social, procurando, em alternativa, desenvolver atitudes de cidadania, solidariedade, para resolver os conflitos que se enfrentam diariamente”.

A música é, aqui, o pretexto, o factor de unidade de vários outros elementos e o veículo para as mensagens que os focolares pretendem passar: além da questão das migrações e dos refugiados a que alude a faixa já citado, as canções deste novo projecto falam do racismo, do bullying, do perdão, da desesperança ou das dependências a que tantas pessoas se entregam. A música, que entra rapidamente no ouvido, alia o pop-rock, o electrónico ou o pop coreano ou os ritmos latinos, traduzindo nas melodias várias das origens geográficas da banda.

 

“Uma injecção de esperança”

Foto extraída de um vídeo do Gen Verde

 

Cantadas nas cinco línguas faladas no grupo – inglês, espanhol, italiano, português e coreano –, as músicas recolhem a experiência do disco e da digressão anteriores (On the Other Side) e do contacto com os jovens de de muitos países asiáticos e europeus: “Ficaram no nosso coração as suas belezas e os seus talentos, mas também as suas vulnerabilidades: os medos do futuro, dependências e inseguranças, a falta de autoestima. Na realidade, hoje todos nós precisamos de uma injecção de esperança. Assim, desta vez, quisemos concentrar-nos na descoberta da força que cada pessoa traz consigo, no grande potencial que cada um de nós possui para acender a luz que traz dentro de si e sair de nós mesmos para fora, para construir a paz”, diz Nancy Uelmen, numa entrevista a propósito do disco.

O Gen Verde começou na década de 1960, com uma bateria verde oferecida por Chiara Lubich, fundadora dos Focolares, para que através da música as jovens pudessem partilhar experiências e reconstruir vidas por vezes desestruturadas. O percurso da banda em mais de 50 anos é de renovação permanente – quer das artistas que a integram, quer da música que compõe e gravam, que responde aos estilos de cada momento e também às intuições musicais das suas integrantes. Tal como acontece com a banda “irmã”, o Gen Rosso, composta por músicos homens.

Criado em 1943 em Trento (Itália) por um grupo de jovens católicas (entre as quais a fundadora Chiara Lubich), que se dedicaram a apoiar vítimas da guerra, o movimento dos Focolares centra-se na promoção das ideias do diálogo e da comunhão. Daí o seu carácter ecuménico e inter-religioso que, apesar da matriz católica, permite que nele se integrem cristãos de outras confissões e, mesmo, crentes de diferentes religiões. Presente em quase todo o mundo, o movimento chegou a Portugal em 1966.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco