Nas margens da filosofia (XXXV)

O Futuro da Terra – um livro para as férias do Verão

| 11 Jul 2021

Papa Francisco Carlo Petrini Foto Vaticano News

“O pano de fundo é a ecologia integral, essa “nova disciplina” que nos leva a reflectir sobre o modo como se relacionam todas as criaturas.” Foto: Papa Francisco Carlo Petrini © Vaticano News

 

Em boa hora a Casa das Letras publicou O Futuro da Terra, volume de diálogos entre o Papa Francisco e Carlo Petrini.[1] O pano de fundo é a ecologia integral, essa “nova disciplina” que nos leva a reflectir sobre o modo como se relacionam todas as criaturas. O sujeito determinante é o ecossistema, sendo a tese subjacente a constatação de que tudo está ligado e de que, consequentemente, humanos e não humanos interactuam, devendo os primeiros preocupar-se em estabelecer uma relação respeitadora de um bem-estar comum.

Note-se que esta ideia de uma teia de relações, bem como da responsabilidade dos humanos na gestão das mesmas, aparece no pensamento de alguns filósofos do passado. E lembro Leibniz, um autor do século XVII, que na sua Monadologia nos alerta para a relação entre as partes e o todo do Universo, acentuando a interacção de todos os corpos: “(…) todo o corpo se sente de tudo o que se faz no Universo de tal modo que aquele que vê tudo, poderia ler em cada um o que se faz por toda a parte.”[2]

O Futuro da Terra não se dirige apenas aos ecologistas pois o seu público alvo é toda a humanidade. E uma das teses que defende com mais insistência é a de que “todos podemos ser sujeitos activos de mudança” (pg.35). Como tal, é-nos pedido uma alteração de comportamentos. Trata-se de um apelo a um esforço comum no que respeita à salvação do planeta. E todos são interpelados a mudar de hábitos, nomeadamente nos comportamentos simples do dia a dia, como é o caso de apagar as luzes ou de poupar na água que gastamos.

Os dois intervenientes situam-se em diferentes campos. Todos conhecemos o Papa Francisco e o contexto espiritual, social e político em que se situa. O que não o impede de estabelecer um diálogo aberto com Carlo Petrini, um ex-comunista que se assume como não-crente mas que admira a força extraordinária da Laudato Si´ (pg. 26), considerando esta encíclica um marco determinante para a alteração dos nossos modos de vida. Note-se que o Papa o trata como um “agnóstico pio”, reconhecendo nele o excelente parceiro de um diálogo frutuoso. Por isso Francisco desafia os crentes a compreenderem o “humanismo agnóstico” de Petrini, aconselhando-os a que se familiarizem com gente que pensa de outro modo.

A obra em causa está dividida em duas partes. Na primeira desenrola-se um diálogo clássico, com perguntas e respostas colocadas pelos dois autores. Revelando perspectivas e pontos de partida bem diferenciados, há no entanto muito de comum – ambos valorizam o sentido de humor e a abertura à diferença, o que afasta as discussões substituindo-as por comentários, informações e esclarecimentos extremamente úteis para percebermos quer a génese da encíclica Laudato Si’, quer as pessoas que influenciaram a sua escrita, quer a progressiva sensibilização às diferentes culturas, lembrando o que nos podem oferecer. É o caso da “redescoberta” da Amazónia e da vivência harmoniosa com a Natureza por parte dos seus habitantes.

A comida como instrumento de convivialidade, de relacionamento e de promoção de amizades é pretexto para a troca de receitas italianas e argentinas. E o manifesto da Slow Food (pps. 60-61) fala do direito ao prazer. O que leva ambos a recordar o filme A Festa de Babette – para Petrini uma das suas “obras cinematográficas preferidas” e para o Papa “um dos mais belos filmes que alguma vez” viu (p.70).[3]

Ao fechar a primeira parte do livro há uma referência aos “invisíveis” que trabalham nos campos sem protecções de qualquer espécie e a todos os rejeitados por uma política do descarte. A eles se contrapõe a importância das relações afectivas estabelecidas nos pequenos grupos. Contra uma “globalização esférica” que apaga as diferenças culturais, Francisco defende o respeito pela identidade de cada povo e Petrini valoriza a sabedoria camponesa, elogiando os saberes tradicionais e o bom senso dos humildes.

Na segunda parte do livro o diálogo prossegue estendendo-se pelo comentário a cinco temas actuais: a biodiversidade, a economia, as migrações, a educação e a comunidade. Alguns dos textos são já conhecidos do grande público pois trata-se de excertos de obras recentemente publicadas. No entanto a sua revisitação é oportuna pois os problemas mantêm-se e ganham uma nova acuidade.

O primeiro dos cinco temas é a biodiversidade, apresentada nas suas diferentes manifestações de carácter cultural, social e agrícola. O novo humanismo implica o respeito pela diferença bem como a salvaguarda do modo de vida dos nativos. O Sínodo Pan-Amazónico reconheceu que a biodiversidade cultural é uma mais valia e que os povos indígenas nos ensinam a viver em harmonia com a Terra. Por isso o capítulo II recupera excertos da Exortação Apostólica Querida Amazónia, lembrando a fragilidade da situação actual desta região e alertando-nos quanto à tentação de a colonizar culturalmente. Urge construir pontes que permitam desenvolver a diversidade, o que exige uma constante luta contra a imposição de outros padrões de vida e encoraja a aceitação de um cristianismo multicultural, aberto à escuta e reconhecendo valores diferentes dos habituais.

Petrini abre o tema da economia e debruça-se sobre as condições desumanas em que vivem os trabalhadores migrantes. O homo economicus instalou-se, com todas as suas consequências nefastas e o fundador do movimento Slow Food propõe a substituição deste paradigma pelo do homo comunitarius, valorizando o bem-estar social e a solidariedade. Aos efeitos negativos da pandemia contrapõe os valores positivos que nela se revelaram, como a amizade, a solidariedade, a paciência e a esperança.

Francisco contribui para este capítulo lembrando dois textos seus, anteriormente publicados.[4] No primeiro alerta-nos para a precariedade em que actualmente vivem muitos homens e mulheres “mesmo nos chamados países ricos” (p. 143). E denuncia a cultura do descarte, a globalização da indiferença e a nova idolatria do dinheiro, interpelando os movimentos populares que considera como o exército invisível da pandemia, tal como o trabalho silencioso das mulheres, dos camponeses, dos agricultores e de todos os cuidadores sociais.

No capítulo dedicado às migrações os autores lembram os trabalhadores estrangeiros e o papel importante que desempenham no crescimento social, desfiando-nos a instituir um sistema de compensações entre Norte e Sul e a favorecer o acolhimento. Petrini recorda-nos que todos somos “migrantes de longa data” e que a identidade se constrói através da troca (p. 162). Recordando a sua Mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, Francisco critica o medo e a intolerância perante o diferente, sublinhando que o verdadeiro desenvolvimento é inclusivo: acolher, proteger, promover e integrar são atitudes que desenvolvem qualquer sociedade.

A educação é outro tema sobre o qual se debruçam. Petrini denuncia o analfabetismo funcional dos pobres, mas valoriza todo um património de conhecimentos tradicionais até agora subavaliados. Urge recuperá-los atendendo “às múltiplas dimensões da existência humana”(p. 194). Francisco recorda o seu discurso de Bolonha, em 2017, na conclusão do Congresso Eucarístico Diocesano. Nele apontara as raízes humanistas da Universidade europeia, alertando para o direito à cultura, o direito à esperança e o direito à paz. Num segundo texto lança-nos um pacto educativo, convidando-nos a construir “uma aldeia da educação” que coloque as pessoas no centro, promovendo a escuta e o diálogo.

No capítulo sobre a comunidade, Petrini propõe um modelo alternativo de convivência e lembra a difusão do movimento das comunidades Laudato Si’ em toda a Itália, a atestar uma viragem ecológica e progressista, favorável à “inteligência afectiva” e à “anarquia austera”, promotoras de uma maior liberdade individual e de uma realização pessoal gratificante. O contributo do Papa é a recuperação da sua conferência de 2017, Rethinking Europe. Nele insiste nos temas do diálogo, do combate ao individualismo, da solidariedade e da subsidiariedade, desafiando todos no trabalho de promoção da paz. O que exige criatividade, amor à verdade e desejo de justiça.

O Futuro da Terra é um livro de esperança que aponta modelos concretos como as comunidades Laudato Si’ e Slow Food, testemunhos reais de que é possível uma vida diferente, mais amiga do planeta e promotora de um bem-estar que a todos inclui.

Sem dúvida que é um bom exercício para uma meditação individual e/ou colectiva nas férias deste Verão.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira (avó de sete netos e dois bisnetos) é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa.

 

[1] Carlo Petrini, O Futuro da Terra. Diálogos com o Papa Francisco sobre Ecologia Integral, trad. Mário Severo, Alfragide, Casa das Letras, 2021, 242 págs.
[2] Leibniz, Princípios de Filosofia ou Monadologia, in Leibniz. Obras Escolhidas, trad. António Borges Coelho, Lisboa, Livros Horizonte, s.d., §61, pg. 172.[3]O filme do realizador dinamarquês Gabriel Axel é baseado no livro de Karen Blixen, A Festa de Babette, Lisboa, ASA, 1995.[4] Um excerto do Evangelii Gaudium (pp. 143-149) e a Carta aos Movimentos Populares (pp. 151-155).

 

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This