Luísa Ribeiro Ferreira

O elogio do concreto em tempos de covid

Nas Margens da Filosofia – XXXIII   “As mentes politizadas não vêem indivíduos concretos que estão vivos, que amam e que são amados. Só vêem abstracções: capitalismo, comunismo, globalização.” (Rob Rieman, Nobreza de Espírito, Lisboa, Bizâncio, 2015, p. 115)    “Os filósofos parecem ignorar como os homens são feitos,...

Identidade e Pandemia

Nas Margens da Filosofia (XXXI) Quando à noite me sento no toucador para tirar a maquilhagem pergunto-me se fui eu que envelheci ou o espelho do quarto. Deve ter sido o espelho: estes olhos deixaram de me pertencer, esta cara não é minha, estas rugas e estas nódoas na pele serão manchas da idade ou o ácido a corroer o vidro. António Lobo Antunes...

Que memórias guardamos da pandemia?

Nas margens da Filosofia (XXX)   “Esquecer (…) é desprender-se da carga entorpecedora do desnecessário.” Antonio Muñoz Molina[1]   No livro X das Confissões, Santo Agostinho fala-nos da memória e sobre ela escreve: “Dirijo-me para as planícies e os vastos palácios da memória, onde estão tesouros de inumeráveis imagens...

Um livro que nos ajuda a resistir

Nas margens da Filosofia (XXIX)   Um dos aspectos positivos (se é que os há) desta pandemia é o facto de termos tempo para ler, escrever e pensar sem o stress habitual. E um dos livros que mais apreciei enquanto confinada foi A Resistência Íntima. Ensaio de uma filosofia da proximidade, de Josep Maria Esquirol.[1] No prefácio que escreveu para...