Luísa Ribeiro Ferreira

Ouvir a voz da solidão

Ouvir a voz da solidão Nas margens da filosofia (XXI) Há dois anos, as minhas netas mais velhas iniciaram-se no estudo da filosofia, uma disciplina obrigatória no 10º e 11º anos de escolaridade. E uma delas ofereceu-me pelo Natal uma fotografia com a seguinte legenda: “A filosofia ensina-nos a ouvir a voz da solidão.” Achei curioso...

A criatividade lexical de uma pandemia

A criatividade lexical de uma pandemia Nas margens da filosofia (XX)  Ao longo de três meses temos sido espectadores atentos de uma telenovela que nos envolve a todos – as notícias acerca da pandemia covid-19. Não irei debruçar-me sobre os diferentes capítulos deste romance de terror, nem sobre as reviravoltas a que tem sido sujeito e que...

Tudo está ligado

Tudo está ligado Nas margens da filosofia (XIX) A tese de que tudo está ligado tem aparecido recorrentemente na história da filosofia. E imediatamente lembro Espinosa e Leibniz, duas presenças determinantes nos diferentes cursos que leccionei sobre Filosofia Moderna. Em ambos, a ideia da relação de tudo com tudo ocupa um lugar central. O primeiro...

Comunicar na era do coronavírus

Comunicar na era do coronavírus Nas margens da filosofia (XVIII) “Cada época tem as suas doenças paradigmáticas (…). Apesar do medo descomunal de uma pandemia gripal, não vivemos presentemente na época viral. Graças ao desenvolvimento da técnica imunológica, já a conseguimos ultrapassar.” (Byung-Chul Han, A Sociedade do Cansaço.[1]) O excerto que...

A experiência da vulnerabilidade

A experiência da vulnerabilidade Nas margens da filosofia (XVII) “Mais cedo ou mais tarde, estamos destinados a fazer a experiência da vulnerabilidade.” (José Tolentino Mendonça[1])   A situação que presentemente vivemos com o Covid-19 preocupa-nos, angustia-nos e faz-nos pensar na fragilidade das nossas vidas, levando-nos a viver na carne a...