Depois da chuva de críticas em Portugal

Vaticano retirou polémico selo da JMJ de circulação, mas ele continua à venda “online”

| 17 Mai 2023

Selo do Vaticano, comemorativo da JMJ Lisboa 2023. Imagem Vatican Media

O polémico selo do Vaticano, comemorativo da JMJ Lisboa 2023, já não está à venda nos postos oficiais, mas continuava à venda “online” na noite desta quarta-feira.

 

O polémico selo do Vaticano alusivo à Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 foi retirado de circulação nas últimas horas e, ao que tudo indica, será destruído. A informação foi confirmada no Vaticano pelo 7MARGENS, através de um funcionário do Vaticano a quem tínhamos pedido para comprar um exemplar do selo. No posto de correios oficial da Praça de São Pedro, o empregado que atendeu disse que era impossível fazer a venda, por ordens superiores, pois ele iria ser retirado.

Normalmente, quando há uma decisão de retirada de circulação de uma emissão filatélica, os exemplares de selos que sobram são destruídos, o que faz aumentar exponencialmente o valor do selo no mercado. Ou seja, quem comprou na terça-feira o selo da JMJ tem, neste momento um objecto filatélico que pode vir a atingir um grande valor de mercado.

Já esta manhã, o 7MARGENS dirigira aos responsáveis do Serviço de Correios e Filatelia do Vaticano um conjunto de perguntas sobre o assunto, para enquadrar este episódio. Em concreto, queríamos saber se o autor do desenho, Stefano Morri, e os responsáveis do Serviço Filatélico do Vaticano estavam conscientes do significado ideológico do Padrão dos Descobrimentos e da estética usada na concepção do selo, em tudo idêntica à propalada pelo Estado Novo, como o próprio bispo e historiador Carlos Azevedo referiu.

Também perguntávamos se, mesmo não havendo esse conhecimento, não se considerou o selo como o oposto do que o Papa sugere como atitude para os cristãos, de universalismo e não nacionalismo e de falta de modernidade. Outra das perguntas pretendia saber se o Serviço do Vaticano tinha consultado alguém em Portugal ou na JMJ (a porta-voz da Jornada, Rosa Pedroso Lima, disse que o aquele departamento da Santa Sé comunicara a existência do selo no dia 5). E, finalmente, queríamos saber se tinham conhecimento no Vaticano das críticas surgidas em Portugal e se ponderavam retirar o selo de venda e de circulação.

Pelos vistos, a decisão foi rápida e já estaria tomada.

No entanto, na noite desta quarta-feira, o selo continuava disponível para venda online na página do Serviço Filatélico do Vaticano e era possível comprá-lo. O Observador citou ainda uma fonte oficial do Governorato do Estado da Cidade do Vaticano (a autoridade civil do pequeno país, que é o emissor do selo postal) que segundo a qual “o selo foi retirado”, acrescentando que haveria “um novo selo em substituição”.

 

A procura dos selos do Vaticano

Tal como o 7MARGENS noticiou, o selo mostra Francisco e diversos jovens e crianças no lugar dos exploradores representados originalmente no Padrão dos Descobrimentos. Após a divulgação da imagem do mesmo, foram vários os comentários negativos publicados nas redes sociais, alegando que a ilustração remete para o imaginário gráfico do Secretariado de Propaganda Nacional do Estado Novo e o colonialismo.

“Certamente o Papa Francisco não se identifica com esta imagem nacionalista” que “contraria a fraternidade universal”, reagiu o bispo Carlos Azevedo, que exerce as suas funções no Vaticano, citado pelo Diário de Notícias na terça-feira. O mesmo responsável considerava que o selo “recorre a uma obra muito conotada” e “evoca epicamente uma realidade pastoral que não corresponde a esse espírito”.

A porta-voz da Fundação JMJ explicara entretanto que o selo era da autoria de um artista italiano e que eram possíveis “várias leituras” sobre o desenho, cujo objectivo era “promover a Jornada Mundial da Juventude”. Rosa Pedroso Lima acrescentou ao 7MARGENS que a organização portuguesa da JMJ não tinha sido consultada e que recebera informação sobre o selo no passado dia 5.

Os selos do Vaticano são dos mais procurados entre filatelistas e chegam a atingir valores de mercado bastante altos. No caso de uma emissão de selos destruída depois de alguns exemplares terem sido vendidos e postos em circulação, esse valor tendencialmente pode atingir valores ainda mais altos.

Até ao momento, desde o início do ano, o Vaticano publicou já sete emissões de selos: duas dedicadas aos 10 anos do pontificado do Papa Francisco, outra à memória do Papa Bento XVI, que morreu em 31 de Dezembro último. Uma emissão alusiva à Páscoa reproduz uma obra do artista espanhol Raúl Berzosa. Uma outra celebra os 550 anos de Nicolau Copérnico, numa emissão conjunta com a Polónia. Um selo com a etapa africana da “peregrinação ideal à volta da Terra” integra também o lote das emissões já publicadas, a par de um outro que celebra os 100 anos da Aeronáutica Militar Italiana – publicada em conjunto com a Itália e a Ordem Soberana Militar de Malta.

No mesmo dia do polémico selo comemorativo da JMJ, foi colocada à venda a emissão anual dedicada à Europa, desta vez sob o tema da paz, na qual se reproduz uma foto do Papa com a bandeira ucraniana.

Até final do ano, o Vaticano tem previstas ainda, entre outras, emissões comemorativas alusivas ao Natal, às viagens do Papa em 2022 e à Década para a recuperação dos ecossistemas. Dois escritores serão também celebrados: os 150 anos da morte de Alessandro Manzoni, autor de Os Noivos, uma das mais importantes obras da literatura italiana; e os 150 anos do nascimento de Charles Peguy, autor de Os Portais do Mistério da Segunda Virtude, um longo poema dedicado ao tema da esperança.

Na lista, incluem-se ainda emissões alusivas aos 250 anos da instituição da Pontifícia Universidade Lateranense e o centenário da Comissão Permanente para a Tutela dos Monumentos Históricos e Artísticos da Santa Sé.

 

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This