Acusada de nacionalismo

Fundação JMJ rejeita “leituras abusivas” de novo selo do Vaticano e diz que não foi consultada

| 16 Mai 2023

Selo comemorativo da JMJ causa polémica nas redes sociais. Foto Direitos reservados

Após a divulgação da imagem do selo, foram vários os comentários negativos publicados nas redes sociais, alegando que a ilustração remete para o imaginário gráfico do Secretariado de Propaganda Nacional do Estado Novo e o colonialismo.. Foto © 7MARGENS.

 

A ilustração do novo selo comemorativo da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023, lançado esta terça-feira pelo Vaticano, gerou fortes críticas nas redes sociais, e mesmo do bispo português Carlos Azevedo (delegado do Comité Pontifício para as Ciências Históricas), que a considerou “nacionalista” e “de péssimo gosto”. A porta-voz da Fundação JMJ, Rosa Pedroso Lima, afirma que o único objetivo da mesma “é o de promover a Jornada Mundial da Juventude” e que “outras leituras e outros objetivos são abusivos”.

A mesma porta.voz disse ao 7MARGENS que “a estrutura da JMJ não foi – nem tinha de ser – consultada para esta iniciativa do Vaticano”, mas recebeu informação do Vaticano no passado dia 5 deste mês. Este selo foi decidido tal como, acrescenta, se decidiu e concebeu “o selo que vai promover, em Portugal, a JMJ Lisboa 2023 e emitido pelos CTT” em 2022, um ano antes da Jornada.

Selo, filatelia, JMJ

Selo comemorativo da JMJ, lançado pelos CTT em agosto 2022.

Tal como o 7MARGENS noticiou, o selo mostra Francisco e diversos jovens e crianças no lugar dos exploradores representados originalmente no Padrão dos Descobrimentos. Após a divulgação da imagem do mesmo, foram vários os comentários negativos publicados nas redes sociais, alegando que a ilustração remete para o imaginário gráfico do Secretariado de Propaganda Nacional do Estado Novo e o colonialismo.

“Certamente o Papa Francisco não se identifica com esta imagem nacionalista” que “contraria a fraternidade universal”, reagiu Carlos Azevedo, citado pelo Diário de Notícias esta terça-feira. O bispo, que exerce as suas funções no Vaticano, considera que o selo “recorre a uma obra muito conotada” e “evoca epicamente uma realidade pastoral que não corresponde a esse espírito”.

Em declarações à agência Lusa, citadas pelo mesmo jornal, a porta-voz da Fundação JMJ explicou por seu lado que “o selo foi feito por um ilustrador italiano, Stefano Morri, que tem trabalhado muitas vezes” com o Serviço de Filatelia e Numismática do Vaticano e cuja leitura para a ilustração do selo é “uma imagem do Papa num monumento de Lisboa, simbolizando, numa espécie de alegoria, a barca de S. Pedro e o Papa conduzindo os jovens e a Igreja para uma nova época”.

Para Rosa Pedroso Lima, “haverá sempre várias leituras sobre o que quer que seja numa obra de arte, seja ela um selo ou uma ilustração. Esta é a leitura que o Vaticano faz e o objetivo é o de promover a Jornada Mundial da Juventude. Outras leituras e outros objetivos são abusivos em relação às intenções expressas pelo Vaticano”, sublinhou.

A porta-voz da Fundação acrescentou ainda que “o Papa Francisco é um Papa empenhado no respeito, na quebra de muros, no alargamento de fronteiras, na comunicação de povos, culturas e religiões, e essa é a mensagem fundamental do Papa. Sempre foi, continuará a ser e será na Jornada Mundial da Juventude”.

Notícia atualizada às 22h30 de dia 16, com as declarações da porta-voz da JMJ ao 7MARGENS.

 

“Há mais mártires hoje do que no início do cristianismo… a sua coragem é uma bênção”

Vídeo do Papa de março

“Há mais mártires hoje do que no início do cristianismo… a sua coragem é uma bênção” novidade

“Sempre haverá mártires entre nós. É o sinal de que estamos no caminho certo”, afirma o Papa Francisco na edição de março d’O Vídeo do Papa, que acaba de ser divulgada. “Uma pessoa que sabe dizia-me que há mais mártires hoje do que no início do cristianismo. A coragem dos mártires, o testemunho dos mártires, é uma bênção para todos”, acrescenta. E é por isso que pede a todos que rezem pelos novos mártires deste tempo, para que “contagiem a Igreja com a sua coragem e o seu impulso missionário”.

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém

Via Sacra ecuménica

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém novidade

A guerra em Israel prossegue e o sentimento de insegurança em Jerusalém cresce. Ainda assim, ou talvez por isso mesmo, a tradicional Via Sacra que ali se realiza anualmente por ocasião da segunda semana da Quaresma não foi cancelada. Na passada sexta-feira, 23 de fevereiro, mais de mil crianças e jovens que frequentam as escolas cristãs da cidade, acompanhados de inúmeros familiares e professores, percorreram as ruas de lenços brancos na mão, pedindo a paz para todo o mundo, e em particular para a Terra Santa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This