Augusto Santos Silva

“A religião, como cultura, é parte do espaço público”

| 27 Mar 2022

Augusto Santos Silva, MNE Portugal

Augusto Santos Silva é candidato ao cargo de presidente da Assembleia da República. Foto © MNE 

 

“A dimensão religiosa é absolutamente essencial”, defende o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que nesta segunda-feira, 27, termina funções no Executivo e coloca o nome à votação dos deputados na eleição para o cargo de presidente da Assembleia da República.

Num perfil de percurso de vida assinado pela jornalista Bárbara Reis e que foi publicado no Público deste domingo, Santos Silva afirma-se religioso, ainda que não se considere católico. Diz acreditar em Deus no sentido de Fernando Pessoa: “Deus é existirmos e isso não ser tudo”.

O ministro, e previsível novo Presidente do parlamento, demarca-se do laicismo tal como concebido e praticado em França. Lá, refere, “as escolas não podem ter crucifixos; os padres e os bispos não podem participar em coisas públicas; a Igreja e o Estado têm de estar completamente separadas; a religião é do foro exclusivamente individual – não acredito em nada disso”, observa o ministro. E explica: “O cristianismo faz parte do espaço público e a dimensão religiosa é absolutamente essencial”. Mais: “a religião, como outros aspetos da cultura, é parte do espaço público”.

Esta posição leva a que camaradas do seu partido o considerem “o chefe de fila da ala católica do PS”.

Este político que se assume, antes de mais, como “sociólogo e professor universitário”, confessa algo que poderá surpreender muita gente: Maria de Lourdes Pintasilgo é a personalidade portuguesa que “ainda hoje mais o influencia do ponto de vista político, social e pessoal”. “É o único santinho que tenho”, revela Santos Silva a Bárbara Reis, mostrando um postal da campanha presidencial da antiga e única primeira-ministra que Portugal teve.

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This