Augusto Santos Silva

“A religião, como cultura, é parte do espaço público”

| 27 Mar 2022

Augusto Santos Silva, MNE Portugal

Augusto Santos Silva é candidato ao cargo de presidente da Assembleia da República. Foto © MNE 

 

“A dimensão religiosa é absolutamente essencial”, defende o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que nesta segunda-feira, 27, termina funções no Executivo e coloca o nome à votação dos deputados na eleição para o cargo de presidente da Assembleia da República.

Num perfil de percurso de vida assinado pela jornalista Bárbara Reis e que foi publicado no Público deste domingo, Santos Silva afirma-se religioso, ainda que não se considere católico. Diz acreditar em Deus no sentido de Fernando Pessoa: “Deus é existirmos e isso não ser tudo”.

O ministro, e previsível novo Presidente do parlamento, demarca-se do laicismo tal como concebido e praticado em França. Lá, refere, “as escolas não podem ter crucifixos; os padres e os bispos não podem participar em coisas públicas; a Igreja e o Estado têm de estar completamente separadas; a religião é do foro exclusivamente individual – não acredito em nada disso”, observa o ministro. E explica: “O cristianismo faz parte do espaço público e a dimensão religiosa é absolutamente essencial”. Mais: “a religião, como outros aspetos da cultura, é parte do espaço público”.

Esta posição leva a que camaradas do seu partido o considerem “o chefe de fila da ala católica do PS”.

Este político que se assume, antes de mais, como “sociólogo e professor universitário”, confessa algo que poderá surpreender muita gente: Maria de Lourdes Pintasilgo é a personalidade portuguesa que “ainda hoje mais o influencia do ponto de vista político, social e pessoal”. “É o único santinho que tenho”, revela Santos Silva a Bárbara Reis, mostrando um postal da campanha presidencial da antiga e única primeira-ministra que Portugal teve.

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This