As igrejas cristãs, o trumpismo e o assalto ao Capitólio (1)

| 9 Jan 21

O que se passou nesta semana, com o assalto planeado ou pelo menos induzido ao Congresso dos Estados Unidos, do ponto de vista da “invocação do nome de Deus” e da instrumentalização da fé para uma missão definida pelo ainda atual ocupante da Casa Branca? Uma análise do 7MARGENS que, numa segunda parte, procurará dar a conhecer diferentes leituras sobre os dramáticos acontecimentos por parte de algumas confissões e responsáveis religiosos. Recorrendo, basicamente, a trabalhos jornalísticos, confessionais ou não.

Marcha pró-Trump, antes da invasão do Capitólio. Foto: Direitos reservados

 

O cerco e tomada do Congresso dos Estados Unidos, o “santuário” da democracia do país, é reconhecidamente um ato da maior gravidade, incentivado explicitamente pelo Presidente Trump que preferiu fazer valer os seus interesses pessoais esquecendo o juramento que fez há quatro anos, de mão sobre a Bíblia, de servir o bem comum do povo e cumprir a constituição. Há certamente muita investigação a fazer sobre o que se passou e o seu significado. Mas há factos e sinais que nos ajudam nesta aproximação aos acontecimentos do Dia de Reis.

A marcha oriunda de diferentes pontos dos Estados Unidos foi organizada de modo a coincidir com a data da reunião das duas câmaras legislativas que se destina a certificar os votos do colégio eleitoral e reconhecer o Presidente e vice-Presidente eleitos, Joe Biden e Kamala Harris. Na verdade, tratava-se de um somatório de movimentações e de iniciativas (Maioria Silenciosa, Mulheres pró-Trump, a Marcha de Jericó, entre muitas outras), todas com o mesmo destino e o mesmo objetivo.

Trump e seus apoiantes conferiram-lhe uma missão de cunho quase religioso: “Salvar a América”. Acicatados pela contestação do Presidente aos resultados eleitorais, muitos marcharam para Washington no fim de semana para combater o que consideram “as instituições corruptas de governo”, rezando, ao mesmo tempo, para que Deus intervenha na eleição e se reponha o resultado que desejavam.

Um dos grupos de apoiantes radicais de Trump designou a iniciativa como a “Marcha de Jericó”, que incluía mesmo o ritual mágico de dar sete voltas ao quarteirão onde se encontra o edifício do Supremo Tribunal, no dia 5, e fazer a mesma coisa com o do Capitólio, no dia 6, seguindo o que diz o Livro de Josué (do Antigo Testamento), para simbolicamente limpar a corrupção. Um grupo de “patriotas, crentes e todos aqueles que desejam retomar a América” a viajar para Washington nesses dias para “derrubar a recente eleição presidencial”.

Várias outras organizações e grupos com e sem cunho religioso se fizeram representar, incluindo o célebre Proud Boys, que já em dezembro, numa iniciativa pró-Trump, tinha feito estragos em igrejas de Washignton, que consideraram pactuar com o movimento Black Lives Matter (“As vidas negras importam”). Voltaram, desta vez, para fazer reverter as coisas, de modo a assegurar que Trump, e não Biden, inaugurasse um segundo mandato, a 20 de janeiro.

A manifestação que culminou a Marcha teve lugar ao fim da manhã de quarta, dia 6, perto da Casa Branca. Trump oficiou, falando por mais de uma hora, não se cansando de estimular os seguidores a não ficarem quietos, a acreditarem nos vários senadores e mais de cem deputados de confiança que tinham no Congresso e amaldiçoando o vice-Presidente Pence, caso este não atirasse a toalha ao chão, na hora de validar os votos, na qualidade de presidente do Senado. O caminho apontado aos convocados não era, segundo Trump, ficar na Casa Branca, mas andar umas centenas de metros até ao Capitólio. O seu advogado Giuliani encarregou-se de espicaçar os manifestantes.

Entretanto, tornou-se público aquilo que Trump já sabia pelo menos desde a véspera: Mike Pence recusava-se a invalidar votos, por entender que tal ato extravasava as suas competências. Tornava-se, assim, óbvio, para que a Marcha não fosse em vão, que a multidão teria de ir fazer pressão em torno do órgão legislativo. O que se seguiu já deu a volta ao mundo, em imagens que deixaram toda a gente estarrecida, que mostram como são frágeis as democracias, inclusive as mais velhas.

Não foi apenas Trump que antes, durante e depois das eleições, criticou a narrativa da falsidade dos resultados eleitorais e do roubo dos votos e que propalou as histórias mais fantasiosas, que nunca foram confirmadas nos múltiplos pronunciamentos judiciais. De facto, diferentes media e confissões religiosas amplificaram e alimentaram até à exaustão as narrativas do Presidente, mesmo que contra toda a evidência dos factos. E fizeram-no destilando ódio, fazendo de Trump o exemplo e o arauto dos valores cristãos, acirrando as hostes e criando o caldo de onde, sem grande surpresa, surgiu a insurreição de 6 de janeiro.

É oportuno recordar aqui a intervenção de um arcebispo católico, escondido em parte incerta e inimigo figadal do Papa Francisco, que promoveu novenas e fez protestos de adesão à presidência de Trump e que voltou, nestes dias mais recentes, a entrar em ação.

Referimo-nos a Carlo Maria Viganò, aquele que foi até 2013, núncio do Vaticano nos Estados Unidos, e que quis deitar lama sobre o Papa acusando-o de encobrir abusos sexuais, nomeadamente do cardeal McCarrick. Viganò promoveu novenas de oração pela vitória de Trump e deu, no último domingo, dia 3, uma entrevista a Steve Bannon, em que lhe é atribuída a certeza – que ele não nega – de que “Deus quer a vitória de Trump” (assim mesmo, com o verbo no presente). Ele responde diplomaticamente, como que dando uma cobertura implícita aos que invadiram o Capitólio:

“Se os Estados Unidos perderem esta oportunidade, serão eliminados da história. Se permitirem a ideia de que o veredicto eleitoral dos cidadãos, expressão primeira da democracia, pode ser manipulado e frustrado, serão cúmplices da fraude e merecem a execração de todo o mundo, que vê a América como uma nação que conquistou e defendeu a sua liberdade”.

Mesmo que em versões menos fundamentalistas, muitos membros do clero instrumentalizaram a fé e o próprio nome de Deus e, desse modo, tornaram-se co-responsáveis pelo que veio a acontecer. E houve imagens em que se viam freiras, com os seus hábitos, embrulhadas em cachecóis com slogans pró-Trump, participando na manifestação. O National Catholic Reporter, que não esconde nem nunca escondeu de que lado está, entendeu, em editorial publicado no dia 7, “chamar os bois pelos nomes:

“Isso deve parar. Se a Igreja deseja viver de acordo com os ensinamentos do seu fundador e se deseja ser uma testemunha no campo da cultura, não pode e não deve fazer parte daquilo que aconteceu no Capitólio da nossa nação. Não deve haver um nacionalismo católico branco. E um movimento pró-vida que adota o nacionalismo branco não é um verdadeiro movimento pró-vida. Ponto.”

facilitar:

Fonte: Edison Research for the National Election Pool, um consórcio que junta ABC News, CBS News, MSNBC, CNN, Fox News e Associated Press. A sondagem é feita à boca das urnas, envolvendo 15.590 votantes, presencialmente ou por telefone (mais informação aqui).

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This