As igrejas cristãs, o trumpismo e o assalto ao Capitólio (1)

| 9 Jan 21

O que se passou nesta semana, com o assalto planeado ou pelo menos induzido ao Congresso dos Estados Unidos, do ponto de vista da “invocação do nome de Deus” e da instrumentalização da fé para uma missão definida pelo ainda atual ocupante da Casa Branca? Uma análise do 7MARGENS que, numa segunda parte, procurará dar a conhecer diferentes leituras sobre os dramáticos acontecimentos por parte de algumas confissões e responsáveis religiosos. Recorrendo, basicamente, a trabalhos jornalísticos, confessionais ou não.

Marcha pró-Trump, antes da invasão do Capitólio. Foto: Direitos reservados

 

O cerco e tomada do Congresso dos Estados Unidos, o “santuário” da democracia do país, é reconhecidamente um ato da maior gravidade, incentivado explicitamente pelo Presidente Trump que preferiu fazer valer os seus interesses pessoais esquecendo o juramento que fez há quatro anos, de mão sobre a Bíblia, de servir o bem comum do povo e cumprir a constituição. Há certamente muita investigação a fazer sobre o que se passou e o seu significado. Mas há factos e sinais que nos ajudam nesta aproximação aos acontecimentos do Dia de Reis.

A marcha oriunda de diferentes pontos dos Estados Unidos foi organizada de modo a coincidir com a data da reunião das duas câmaras legislativas que se destina a certificar os votos do colégio eleitoral e reconhecer o Presidente e vice-Presidente eleitos, Joe Biden e Kamala Harris. Na verdade, tratava-se de um somatório de movimentações e de iniciativas (Maioria Silenciosa, Mulheres pró-Trump, a Marcha de Jericó, entre muitas outras), todas com o mesmo destino e o mesmo objetivo.

Trump e seus apoiantes conferiram-lhe uma missão de cunho quase religioso: “Salvar a América”. Acicatados pela contestação do Presidente aos resultados eleitorais, muitos marcharam para Washington no fim de semana para combater o que consideram “as instituições corruptas de governo”, rezando, ao mesmo tempo, para que Deus intervenha na eleição e se reponha o resultado que desejavam.

Um dos grupos de apoiantes radicais de Trump designou a iniciativa como a “Marcha de Jericó”, que incluía mesmo o ritual mágico de dar sete voltas ao quarteirão onde se encontra o edifício do Supremo Tribunal, no dia 5, e fazer a mesma coisa com o do Capitólio, no dia 6, seguindo o que diz o Livro de Josué (do Antigo Testamento), para simbolicamente limpar a corrupção. Um grupo de “patriotas, crentes e todos aqueles que desejam retomar a América” a viajar para Washington nesses dias para “derrubar a recente eleição presidencial”.

Várias outras organizações e grupos com e sem cunho religioso se fizeram representar, incluindo o célebre Proud Boys, que já em dezembro, numa iniciativa pró-Trump, tinha feito estragos em igrejas de Washignton, que consideraram pactuar com o movimento Black Lives Matter (“As vidas negras importam”). Voltaram, desta vez, para fazer reverter as coisas, de modo a assegurar que Trump, e não Biden, inaugurasse um segundo mandato, a 20 de janeiro.

A manifestação que culminou a Marcha teve lugar ao fim da manhã de quarta, dia 6, perto da Casa Branca. Trump oficiou, falando por mais de uma hora, não se cansando de estimular os seguidores a não ficarem quietos, a acreditarem nos vários senadores e mais de cem deputados de confiança que tinham no Congresso e amaldiçoando o vice-Presidente Pence, caso este não atirasse a toalha ao chão, na hora de validar os votos, na qualidade de presidente do Senado. O caminho apontado aos convocados não era, segundo Trump, ficar na Casa Branca, mas andar umas centenas de metros até ao Capitólio. O seu advogado Giuliani encarregou-se de espicaçar os manifestantes.

Entretanto, tornou-se público aquilo que Trump já sabia pelo menos desde a véspera: Mike Pence recusava-se a invalidar votos, por entender que tal ato extravasava as suas competências. Tornava-se, assim, óbvio, para que a Marcha não fosse em vão, que a multidão teria de ir fazer pressão em torno do órgão legislativo. O que se seguiu já deu a volta ao mundo, em imagens que deixaram toda a gente estarrecida, que mostram como são frágeis as democracias, inclusive as mais velhas.

Não foi apenas Trump que antes, durante e depois das eleições, criticou a narrativa da falsidade dos resultados eleitorais e do roubo dos votos e que propalou as histórias mais fantasiosas, que nunca foram confirmadas nos múltiplos pronunciamentos judiciais. De facto, diferentes media e confissões religiosas amplificaram e alimentaram até à exaustão as narrativas do Presidente, mesmo que contra toda a evidência dos factos. E fizeram-no destilando ódio, fazendo de Trump o exemplo e o arauto dos valores cristãos, acirrando as hostes e criando o caldo de onde, sem grande surpresa, surgiu a insurreição de 6 de janeiro.

É oportuno recordar aqui a intervenção de um arcebispo católico, escondido em parte incerta e inimigo figadal do Papa Francisco, que promoveu novenas e fez protestos de adesão à presidência de Trump e que voltou, nestes dias mais recentes, a entrar em ação.

Referimo-nos a Carlo Maria Viganò, aquele que foi até 2013, núncio do Vaticano nos Estados Unidos, e que quis deitar lama sobre o Papa acusando-o de encobrir abusos sexuais, nomeadamente do cardeal McCarrick. Viganò promoveu novenas de oração pela vitória de Trump e deu, no último domingo, dia 3, uma entrevista a Steve Bannon, em que lhe é atribuída a certeza – que ele não nega – de que “Deus quer a vitória de Trump” (assim mesmo, com o verbo no presente). Ele responde diplomaticamente, como que dando uma cobertura implícita aos que invadiram o Capitólio:

“Se os Estados Unidos perderem esta oportunidade, serão eliminados da história. Se permitirem a ideia de que o veredicto eleitoral dos cidadãos, expressão primeira da democracia, pode ser manipulado e frustrado, serão cúmplices da fraude e merecem a execração de todo o mundo, que vê a América como uma nação que conquistou e defendeu a sua liberdade”.

Mesmo que em versões menos fundamentalistas, muitos membros do clero instrumentalizaram a fé e o próprio nome de Deus e, desse modo, tornaram-se co-responsáveis pelo que veio a acontecer. E houve imagens em que se viam freiras, com os seus hábitos, embrulhadas em cachecóis com slogans pró-Trump, participando na manifestação. O National Catholic Reporter, que não esconde nem nunca escondeu de que lado está, entendeu, em editorial publicado no dia 7, “chamar os bois pelos nomes:

“Isso deve parar. Se a Igreja deseja viver de acordo com os ensinamentos do seu fundador e se deseja ser uma testemunha no campo da cultura, não pode e não deve fazer parte daquilo que aconteceu no Capitólio da nossa nação. Não deve haver um nacionalismo católico branco. E um movimento pró-vida que adota o nacionalismo branco não é um verdadeiro movimento pró-vida. Ponto.”

facilitar:

Fonte: Edison Research for the National Election Pool, um consórcio que junta ABC News, CBS News, MSNBC, CNN, Fox News e Associated Press. A sondagem é feita à boca das urnas, envolvendo 15.590 votantes, presencialmente ou por telefone (mais informação aqui).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This