António Eloy

A não-violência, resposta política e social à guerra, às guerras

  A não-violência carece de ser explicada e urge ser compreendida, como recurso que se articula em torno da palavra e dos nossos corpos e que é intransigente na defesa do direito e da autonomia e das liberdades públicas. Os resistentes à guerra, também portugueses, têm muita história, que se articula também com a resistência à guerra...

Pin It on Pinterest