Casamento também é vocação – um contributo para a pastoral vocacional

| 16 Ago 19

Diz o Papa Francisco, na última exortação apostólica Christus Vivit (CV 256): a vocação trata, em suma, de “reconhecer para que fui criado, qual o sentido da minha passagem por esta terra, qual o projeto do Senhor para a minha vida”. É frequente ouvirmos na Igreja Católica, pelo menos todos os anos na Semana de Oração pelas Vocações, que há um “decréscimo nas vocações”, mas esta afirmação refere-se comummente às sacerdotais ou religiosas. É um facto, como se pode ler numa notícia publicada no final de Abril pelo L’Osservatore Romano e reproduzida pelo Aleteia.

Há um decréscimo acentuado ao nível global, sobretudo nas vocações consagradas femininas, e isso não é bom, pois são pessoas muito necessárias no nosso mundo, para os católicos e não só.

Uma leitura mais atenta da notícia, no entanto, faz ressaltar algo de sintomático: o título diz que “vocações caíram”, mas lemos depois que houve, por exemplo, um “crescimento acentuado” do número de agentes pastorais: diáconos permanentes, catequistas e missionários leigos. Mas afinal, não tinham decrescido? Ou estas vocações não são “vocações”? E o matrimónio? Nem sequer constam no texto números sobre o mesmo, para saber se aumentou ou decresceu.

Sabemos até que em Portugal, não só o número de casamentos católicos diminuiu, de 70% do número total de casamentos (em 1990) para o oposto (30% desse número, em 2018). Mais: os divórcios católicos superam os de casamentos civis consecutivamente todos os anos desde, pelo menos, 2007, altura em que se dá o ponto de inflexão, ou seja, quando começa a haver mais casamentos civis do que católicos. Chegando a 2017, registamos quase 100 divórcios por cada 100 casamentos católicos realizados. Por fim, ao nível europeu, entre 27 países, Portugal regista o número mais alto de divórcios: 70 em cada 100 casamentos.

O substantivo usado no título da notícia de forma isolada, referindo-se apenas a vocações para o celibato – “vocações” – é apenas um resumo inofensivo ou um sinal de como tratamos habitualmente este tema, não só em Portugal?

A Semana de Oração pelas Vocações, sem se destinar a falar só das vocações consagradas, acaba por fazê-lo (pelo menos em muitos casos, não direi todos). Porque abordamos a temática do casamento quando se fala de “família” e a colocamos à parte no todo que é a conversa sobre a vocação? Ainda para mais, é o caminho para o qual a maioria é chamada por Deus. Em terceiro lugar, são os leigos, a maioria, a quem é pedida a intervenção social no mundo, cada um nas suas circunstâncias concretas, como nos diz a doutrina social católica e tanto proclamou o II Concílio do Vaticano. Ademais, bem diz o Papa na exortação já citada, que é essencial que a pastoral juvenil e a familiar tenham uma “continuidade natural” (CV 242).

 

Quem são estas pessoas?

Já é algo que se vê com bons exemplos, mas há que tratar também mais o solteiro como “família” e não como alguém que está numa “sala de espera” de algo que não sabe o que será, que já não é jovem nem é casado ou consagrado, que parece que “não é carne nem peixe”. Essa condição de vida também é querida por Deus e esta pessoa é chamada à santidade aqui e já, nas suas circunstâncias específicas: pode crescer, ser feliz, servir e dar sentido à sua vida e à dos outros.

E porque se supõe que a vocação para a vida consagrada é que é “a vocação”? Essa é que é a chamada “dura” e “exigente”? Qualquer casado dirá que isso não é verdade e não me parece que a vocação consagrada seja para quem não tem alternativa. Antes pelo contrário. É perigoso  usar o “duro” e “exigente” como condição necessária para qualquer escolha vocacional.

Há que ter em conta a realidade sociológica dos dias de hoje. Casa-se em média com 30 anos. Em termos pastorais, quem são estas pessoas? Jovens? Velhos? Como acompanhar os que “não são chamados ao matrimónio ou à vida consagrada”? (CV 267); “devemos recordar sempre que a primeira e mais importante vocação é a vocação batismal”? (CV 267). Concordo com o Papa, mas se uma pessoa não encontrou uma daquelas vocações em “jovem” (um conceito difuso e que hoje em dia irá até aos 30?), porque não encontrará mais tarde? Mais: mesmo que a opção dos filhos já possa estar de parte, sendo que é ainda possível de forma natural até cerca dos 40, pode-se viver a fecundidade no casamento de diversas formas: dando mais atenção à relação com o cônjuge, ter um papel de contributo na comunidade, adotando filhos…

Não seriam formas de combater o decréscimo nas vocações consagradas? De quanto trabalho administrativo e não necessariamente espiritual estão sobrecarregados os padres? Seria uma ajuda preciosa para se focarem no seu ministério.

A idade de casamento é cada vez mais tarde para um número crescente de pessoas e o mundo necessita muito de todos. Quanto dinamismo é necessário às comunidades e tantos solteiros e casais com mais disponibilidade poderiam, com a sua criatividade e energia, ajudar-nos a superar crises e carências? Quantas crianças não amadas estão à espera de adoção? Quantos fetos abortados e que poderiam ser acolhidos por tantas famílias que o desejam? Quanta pobreza e exclusão social, em Portugal e no mundo todo, com necessidade de mãos e de abraços?…

 

Sete sugestões

Realizamo-nos na relação, no casamento ou em outros caminhos. Nenhum deles prevê necessariamente mais felicidade e cada um deve encontrar onde se encaixa e onde se realiza e realiza os outros.

Defendo, assim, que a ajuda no discernimento vocacional deve ser feita apresentando as várias opções e a Semana de Oração pelas Vocações não seja dirigida apenas para os consagrados, mas para as várias opções, com estas sugestões concretas:

  • Com a consideração igual das vocações para um solteiro;
  • Tendo em conta as novas realidades sociológicas, sobretudo a idade de casamento; os “jovens” já não são o que eram;
  • Nenhuma vocação é “superior” à outra;
  • O matrimónio é o caminho mais escolhido, pelo que deve ter outro lugar no trabalho pastoral. Mais formação, não necessariamente só “doutrinária” (CV 214) e de “proselitismo” (CV 211-212), mas acompanhamento de amizade e de acolhimento, como diz o Papa;
  • A preparação para o casamento é fulcral, se se quer contrariar os números citados;
  • O apoio às situações delicadas de divórcio e separação também é muito importante, a avaliar pelos números. O casamento não é uma instituição querida em Portugal e a Igreja também tem uma palavra a dizer e a reconhecer;
  • Também se pede mais apoio aos agentes pastorais que muitas vezes sacrificam a sua vida pessoal e profissional em prol dos outros.

 

António Pimenta de Brito é co-fundador do projeto datescatolicos.org

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001 novidade

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Afinal, quem são os evangélicos? novidade

A maior parte dos que falam de minorias religiosas como os evangélicos nada sabem sobre eles, incluindo políticos e jornalistas. Em Portugal constituem a maior minoria religiosa, e a Aliança Evangélica Mundial conta com mais de 600 milhões de fiéis em todo o mundo.

Um planeta é como um bolo novidade

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Violência contra as Mulheres: origens

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco