Conferência mundial em Fátima

Escutismo católico: manter identidade, abrir a porta

| 16 Nov 21

Os melhores evangelizadores são os jovens. Foto © Ricardo Perna | Flor de Lis

 

Trata-se de, “mantendo a identidade e aceitando as diferenças, ser também uma porta de entrada para crianças e jovens, baptizados ou não”. E, ao mesmo tempo, “trabalhar cada vez mais a realidade e universalidade do diálogo inter-religioso”. Com estas afirmações, Ivo Faria, chefe nacional do Corpo Nacional de Escutas (CNE) – Escutismo Católico Português, define um dos objectivos da organização ao acolher a Conferência Internacional Católica do Escutismo (CICE), em Fátima.

O escutismo com uma filiação confessional concreta como o CNE é um caso raro no mundo, explica Ivo Faria. Espanha, França, Itália e pouco mais são os países que têm uma organização similar ao CNE enquanto estrutura católica de escutismo.  Por isso, a CICE, cuja conferência internacional se realizou entre os dias 11 e 14, reúne não apenas esse punhado de organizações, como também os escuteiros católicos que integram as estruturas escutistas genéricas nos seus países.

Umas e outros têm pedido à CICE que ajude com ferramentas e materiais para trabalhar a realidade do diálogo inter-religioso. “Os escuteiros têm a percepção de que há outras crianças e jovens no escutismo e fora dele que não são católicos, e por isso é importante trabalhar essa dimensão com eles.” Até porque, acrescenta Ivo Faria ao 7MARGENS, “os melhores evangelizadores no escutismo não são os dirigentes, são os jovens”.

O tema da reunião mundial foi precisamente “A nossa tenda está aberta a todas as religiões”. Na base das conversas esteve um documento sobre a visão católica da religião no escutismo.

Mantendo a identidade, diz o chefe nacional do CNE, “o movimento escutista tem de estar vocacionado para os que, sendo católicos, vivem diariamente a sua fé, mas também para outros que o não são”. E pode ser um “porto de abrigo para crianças que nasceram católicas” mas se foram afastando.

Ivo Faria, chefe nacional do CNE, quer “trabalhar cada vez mais a realidade e universalidade do diálogo inter-religioso”. Foto © CNE

 

Isso é possível e obrigatório, acrescenta o libanês Georges El-Ghorayeb, presidente do comité mundial da CICE. O escutismo, justifica, “baseia-se em valores humanos e no Evangelho” – ou naquilo que no Médio Oriente é designado como “os livros do céu”, ou seja, a Bíblia, o Evangelho, o Alcorão.

“O escutismo nasceu com uma matriz religiosa”, diz El-Ghorayeb: “A promessa de Baden Powell, um protestante, é baseada em valores que encontramos no Evangelho: por exemplo, fazer o bem aos outros, estar atento e ajudar no que as pessoas precisam, ver nos outros o rosto de Deus. É por isso que devemos respeitar as outras pessoas e não nos zangarmos.”

 

A realidade inter-religiosa

Considerando-se como “um espaço de encontro, reflexão, partilha e comunhão dos escuteiros católicos de todo o mundo”, a CICE, que tem estatuto consultivo junto da Organização Mundial do Movimento Escutista, pretende “contribuir para a formação integral dos jovens através do escutismo do ponto de vista da fé católica”.

Outros objectivos são o de “cooperar no desenvolvimento da dimensão espiritual do escutismo e assegurar que os escuteiros católicos estejam activamente presentes na Igreja”, garantindo ainda a comunicação entre a Igreja Católica e o movimento escutista mundial.
“O escutismo pode dar muito à Igreja”, defende ainda El-Ghorayeb. “Fazemos parte da Igreja e identificamo-nos com os seus valores, mas Jesus Cristo é o nosso guia, é ele o nosso irmão.” E esse fundamento é que deve importar a todos os cristãos, diz, referindo o que o Papa Francisco propõe nas encíclicas Fratelli Tutti (2020) e Laudato Si’ (2015).

Georges El-Ghorayeb (à esquerda) é presidente do comité mundial da CICE. Foto © CNE

 

O presidente do escutismo católico mundial dá o exemplo do seu próprio país: “No Líbano, há 18 comunidades religiosas diferentes”, entre cristãos e muçulmanos. “Não é possível o escutismo sem ter em conta esta realidade inter-religiosa.” E, tendo em conta a actual situação política do país, os escuteiros tentam “unir, não dividir – essa é a promessa escutista”.

Sendo o movimento escutista caracterizado pela proximidade com a natureza, é normal que os escuteiros olhem para o final da Cimeira do Clima, em Glasgow, com especial atenção: “As causas que preocupam os jovens devem servir para transmitir a mensagem, que também preocupa o Papa”, diz Ivo Faria, o chefe nacional.

Georges El-Ghorayeb confirma que os escuteiros católicos querem “contribuir para a a protecção e cuidado da casa comum”. Daí que a CICE promova projectos vários nesta área, incluindo a colaboração com iniciativas como a petição “Planeta são, pessoa sã”, o Tempo da Criação ou a participação no Movimento internacional Laudato Si’.

Esta conferência com o tema “A nossa tenda está aberta a todas as religiões” elegeu novos país membros (Macau, Guiné Bissau, El Salvador, Egito, Malawi, Venuzuela e Niger) e ainda a nova equipa para o Comité Mundial da CICE, para os próximos três anos.
Durante a reunião mundial da CICE, que contou com 69 participantes de 24 países em Fátima e mais 70 pessoas remotamente em outros 24 países, foram admitidos como novos membros Macau, Guiné Bissau, El Salvador, Egipto, Malawi, Venezuela e Níger. As seis dezenas de membros da CICE dividem-se em quatro regiões: Europa-Mediterrâneo, Inter-Americana, Ásia e África.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde menos se espera, aí está Deus

Onde menos se espera, aí está Deus novidade

Por vezes Deus descontrola as nossas continuidades, provoca roturas, para que possamos crescer, destruir em nós uma ideia de Deus que é sempre redutora e substituí-la pela abertura à vida, onde Deus se encontra total e misteriosamente. É Ele, o seu espírito, que nos mostra o nosso nada e é a partir do nosso nada que podemos intuir e abrir-nos à imensidão de Deus, também nas suas criaturas, todas elas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This