Conferência mundial em Fátima

Escutismo católico: manter identidade, abrir a porta

| 16 Nov 2021

Os melhores evangelizadores são os jovens. Foto © Ricardo Perna | Flor de Lis

 

Trata-se de, “mantendo a identidade e aceitando as diferenças, ser também uma porta de entrada para crianças e jovens, baptizados ou não”. E, ao mesmo tempo, “trabalhar cada vez mais a realidade e universalidade do diálogo inter-religioso”. Com estas afirmações, Ivo Faria, chefe nacional do Corpo Nacional de Escutas (CNE) – Escutismo Católico Português, define um dos objectivos da organização ao acolher a Conferência Internacional Católica do Escutismo (CICE), em Fátima.

O escutismo com uma filiação confessional concreta como o CNE é um caso raro no mundo, explica Ivo Faria. Espanha, França, Itália e pouco mais são os países que têm uma organização similar ao CNE enquanto estrutura católica de escutismo.  Por isso, a CICE, cuja conferência internacional se realizou entre os dias 11 e 14, reúne não apenas esse punhado de organizações, como também os escuteiros católicos que integram as estruturas escutistas genéricas nos seus países.

Umas e outros têm pedido à CICE que ajude com ferramentas e materiais para trabalhar a realidade do diálogo inter-religioso. “Os escuteiros têm a percepção de que há outras crianças e jovens no escutismo e fora dele que não são católicos, e por isso é importante trabalhar essa dimensão com eles.” Até porque, acrescenta Ivo Faria ao 7MARGENS, “os melhores evangelizadores no escutismo não são os dirigentes, são os jovens”.

O tema da reunião mundial foi precisamente “A nossa tenda está aberta a todas as religiões”. Na base das conversas esteve um documento sobre a visão católica da religião no escutismo.

Mantendo a identidade, diz o chefe nacional do CNE, “o movimento escutista tem de estar vocacionado para os que, sendo católicos, vivem diariamente a sua fé, mas também para outros que o não são”. E pode ser um “porto de abrigo para crianças que nasceram católicas” mas se foram afastando.

Ivo Faria, chefe nacional do CNE, quer “trabalhar cada vez mais a realidade e universalidade do diálogo inter-religioso”. Foto © CNE

 

Isso é possível e obrigatório, acrescenta o libanês Georges El-Ghorayeb, presidente do comité mundial da CICE. O escutismo, justifica, “baseia-se em valores humanos e no Evangelho” – ou naquilo que no Médio Oriente é designado como “os livros do céu”, ou seja, a Bíblia, o Evangelho, o Alcorão.

“O escutismo nasceu com uma matriz religiosa”, diz El-Ghorayeb: “A promessa de Baden Powell, um protestante, é baseada em valores que encontramos no Evangelho: por exemplo, fazer o bem aos outros, estar atento e ajudar no que as pessoas precisam, ver nos outros o rosto de Deus. É por isso que devemos respeitar as outras pessoas e não nos zangarmos.”

 

A realidade inter-religiosa

Considerando-se como “um espaço de encontro, reflexão, partilha e comunhão dos escuteiros católicos de todo o mundo”, a CICE, que tem estatuto consultivo junto da Organização Mundial do Movimento Escutista, pretende “contribuir para a formação integral dos jovens através do escutismo do ponto de vista da fé católica”.

Outros objectivos são o de “cooperar no desenvolvimento da dimensão espiritual do escutismo e assegurar que os escuteiros católicos estejam activamente presentes na Igreja”, garantindo ainda a comunicação entre a Igreja Católica e o movimento escutista mundial.
“O escutismo pode dar muito à Igreja”, defende ainda El-Ghorayeb. “Fazemos parte da Igreja e identificamo-nos com os seus valores, mas Jesus Cristo é o nosso guia, é ele o nosso irmão.” E esse fundamento é que deve importar a todos os cristãos, diz, referindo o que o Papa Francisco propõe nas encíclicas Fratelli Tutti (2020) e Laudato Si’ (2015).

Georges El-Ghorayeb (à esquerda) é presidente do comité mundial da CICE. Foto © CNE

 

O presidente do escutismo católico mundial dá o exemplo do seu próprio país: “No Líbano, há 18 comunidades religiosas diferentes”, entre cristãos e muçulmanos. “Não é possível o escutismo sem ter em conta esta realidade inter-religiosa.” E, tendo em conta a actual situação política do país, os escuteiros tentam “unir, não dividir – essa é a promessa escutista”.

Sendo o movimento escutista caracterizado pela proximidade com a natureza, é normal que os escuteiros olhem para o final da Cimeira do Clima, em Glasgow, com especial atenção: “As causas que preocupam os jovens devem servir para transmitir a mensagem, que também preocupa o Papa”, diz Ivo Faria, o chefe nacional.

Georges El-Ghorayeb confirma que os escuteiros católicos querem “contribuir para a a protecção e cuidado da casa comum”. Daí que a CICE promova projectos vários nesta área, incluindo a colaboração com iniciativas como a petição “Planeta são, pessoa sã”, o Tempo da Criação ou a participação no Movimento internacional Laudato Si’.

Esta conferência com o tema “A nossa tenda está aberta a todas as religiões” elegeu novos país membros (Macau, Guiné Bissau, El Salvador, Egito, Malawi, Venuzuela e Niger) e ainda a nova equipa para o Comité Mundial da CICE, para os próximos três anos.
Durante a reunião mundial da CICE, que contou com 69 participantes de 24 países em Fátima e mais 70 pessoas remotamente em outros 24 países, foram admitidos como novos membros Macau, Guiné Bissau, El Salvador, Egipto, Malawi, Venezuela e Níger. As seis dezenas de membros da CICE dividem-se em quatro regiões: Europa-Mediterrâneo, Inter-Americana, Ásia e África.

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This