1963-2023

Irmão Biagio, o leigo missionário de Palermo que “acendeu uma chama de amor” em Lisboa

| 16 Jan 2023

irmão Biagio Conte junto a estatua de santo antonio na praça de alvalade em lisboa, foto Giovanna Campagnolo

O irmão Biagio Conte junto à estátua de Santo António, de quem era devoto, na Praça de Alvalade, aquando da sua passagem por Lisboa em 2019. Foto © Giovanna Campagnolo.

 

Há exatamente quatro anos, em janeiro de 2019, chegava a Lisboa o fratel Biagio. A capital portuguesa era apenas uma das etapas da longa peregrinação que havia iniciado na Sicília com destino final a Marrocos, sempre a pé. Chegava com as sandálias consumidas, a túnica verde com capuz a cobrir-lhe a cabeça, uma bengala de madeira grosseira, de cruz e vieira ao peito. Sem dinheiro, nem telemóvel, nem relógio: em espírito de absoluta entrega à providência. O irmão Biagio Conte, missionário leigo franciscano italiano, que, em Palermo, dedicou a vida ao serviço dos mais pobres e sós, morreu na passada quinta-feira, 12 de janeiro, e eu nunca esquecerei o nosso encontro.

Estava junto ao sacrário, na paróquia do Campo Grande, quando o vi. Aqui ninguém o conhecia, e arriscava passar por fanático ou mendigo, mas não se importava. Chamei-o pelo nome, sem disfarçar a incredulidade. Durante a sua longa peregrinação, parava em todas as igrejas que encontrava, beijava o portão e permanecia em oração. De noite, batia à porta da igreja local e pedia uma cama e uma refeição (a única do dia), em humildade e sem medo da recusa, confiante na Igreja de Cristo. “Nem sempre as portas se abrem – contou-me ele. – Em Santiago de Compostela, pátria dos peregrinos, por absurdo que pareça, dormi na rua durante quatro noites. Aqui em Portugal é diferente: as pessoas são bondosas, o clima é temperado, parece que estou na Sicília! Até a língua é parecida com o nosso dialeto!”

irmão Biagio Conte na paroquia do Campo Grande, foto Giovanna Campagnolo

Durante a sua longa peregrinação, o irmão Biaggio Conte parava em todas as igrejas que encontrava, beijava o portão, e permanecia em oração. Um dessas igrejas foi a do Campo Grande, em Lisboa. Foto © Giovanna Campagnolo.

 

Em Itália, toda a gente conhece o fratel Biagio, não só pelo empenho em favor de milhares de marginados, mas também pelas clamorosas ações de resistência não-violenta – como quando em 2018 dormiu na rua durante dez dias, em jejum, para denunciar a indiferença das instituições para com os sem abrigo. Em 2014, foi notícia a sua visita a Lourdes, onde, depois da imersão na piscina milagrosa, recuperou da enfermidade que o deixara numa cadeira de rodas durante muito tempo. Na altura, os médicos declararam que o sucedido não tinha explicação científica, enquanto a Igreja não se pronunciou. Depois deste evento inexplicável, o missionário decidiu então recomeçar a andar, e fê-lo de forma radical, como era próprio da sua forma de viver a fé.

Em 2016, começou uma peregrinação penitencial por toda a Itália, tendo caminhado cerca de oito mil quilómetros ao longo de dois anos. Depois de uma breve pausa, apanhou o barco de Palermo até Génova e daí, a pé, continuou até Paris e Lourdes, atravessou os Pirenéus até Santiago e a seguir entrou em Portugal, direto a Fátima e Lisboa, motivado pela sua devoção a Nossa Senhora e a Santo António. Deixou Lisboa a caminho do sul de Espanha onde – atravessando o estreito de Gibraltar – chegaria a Marrocos, em março de 2019, seguindo os passos de São Francisco e o sonho comum da comunhão entre cristãos e muçulmanos.

 

A vida do “amigo dos pobres”

Nascido em 1963 numa família abastada, o jovem Biagio preparava-se para gerir a empresa familiar, apaixonado por arte e ciência, mas longe da fé. Aos 27 anos, uma crise espiritual, suscitada pelo escândalo da desigualdade entre os homens, levou-o a desaparecer. Deixou uma carta aos pais e, em solidão e eremitismo, caminhou até Assis para conhecer melhor São Francisco, do qual se aproximara graças à leitura. É no encontro com o santo de Assis e com os mais pobres que o seu caminho se esclarece rumo à vocação.

Regressa então a Palermo, onde começa a partilhar a vida com os sem abrigo da estação, chamando a atenção e a solidariedade de muitos cidadãos. Compreende assim que é preciso fazer mais e decide ocupar um grande local inutilizado, onde funda a Missione di Speranza e Carità. Os seus companheiros de rua agora têm um abrigo e são cada vez mais numerosos. Os voluntários vão buscá-los todas as noites com a carrinha da missão. Em poucos anos, a missão chega a acolher 800 pessoas nas suas três instalações, servindo 2.500 refeições por dia, graças ao empenho de 400 voluntários.

O fratel Biagio obteve a bênção de Bento XVI em 2010 e de Francisco em 2018, altura em que o Papa foi visitar a Missione di Speranza e Caritá e almoçou no refeitório, com o fratel Biagio, mas não só. Como já seria de esperar, não podiam faltar eles: os pobres, as pessoas pelas quais o irmão gastou todas as forças e as energias, até ao último dia.

papa Francisco almoça com irmão Biagio Conte em Palermo, foto Vatican media

Em 2018, o Papa Francisco foi a Palermo e almoçou com o irmão Biagio Conte e 160 pessoas pobres, migrantes, ex-reclusos e voluntários da Missione di Speranza e Caritá. Foto © Vatican Media.

 

Morreu a 12 de Janeiro, aos 59 anos, vencido pelo cancro. O Papa Francisco homenageou-o com um telegrama enviado ao bispo de Palermo, descrevendo-o como “generoso missionário da caridade e amigo dos pobres”. No texto, Francisco destacou como o missionário leigo via nos pobres “o rosto de Jesus” e como “se esforçava incansavelmente por eles, oferecendo-lhes consolo, proteção e esperança”. O Papa sublinhou ainda o “corajoso testemunho evangélico deste discípulo de Cristo que acendeu uma chama de amor na cidade de Palermo e no coração de todos os que o conheceram”.

O quarto do missionário encontra-se agora selado, por vontade do bispo, para preservar a memória do irmão, mas também com vista a uma eventual causa de beatificação. O seu funeral será celebrado esta terça-feira, 17 de janeiro, na catedral de Palermo.

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This