Sondagem de setembro

Maioria dos franceses não acredita em Deus

| 28 Set 2021


Pessoas caminham junto à Torre Eiffel. Foto ©Yaopey Yong | Unsplash

 

A maioria dos franceses não professa nenhuma religião nem acredita em Deus. É a primeira vez que uma sondagem de âmbito nacional chega a esta conclusão. O inquérito nacional foi encomendado pela Associação de Jornalistas de Informação Religiosa ao instituto de sondagens IFOP e mostra que apenas 49% dos franceses confessa acreditar em Deus.

A evolução do número daqueles que se dizem crentes tem vindo sempre a baixar desde a segunda metade do séc. XX: em 1947, 66% dos franceses acreditavam em Deus, enquanto em 2011 apenas 56% partilhavam dessa convicção, salienta o semanário católico La Vie em artigo publicado nesta segunda-feira, 27 de setembro.

A fé em França segue uma geografia económica: 49% das pessoas pertencentes a classes populares acreditam em Deus, enquanto nas classes mais ricas apenas 37% se dizem crentes. O grau de instrução também contribui para a não crença: entre os que não concluíram o ensino secundário 60% dizem-se crentes enquanto essa percentagem baixa para 46% entre os que terminaram estudos universitários.

Contudo, dando conta do mesmo fenómeno já detetado em anteriores sondagens, a população urbana parece ser mais crente do que a que vive em zonas rurais. Como exemplo mais evidente figura a região parisiense com os seus 60% de crentes, contra a média das freguesias rurais em que a mesma percentagem não supera os 46%.

 

Igreja precisa mais dos média do que o contrário

Debate 7M: A Igreja e os média (1)

Igreja precisa mais dos média do que o contrário novidade

Quando se pergunta se em Portugal a relação da Igreja com os média e os jornalistas é boa, uma resposta simplista é sempre uma má resposta, principalmente porque estamos a falar de uma instituição, a Igreja Católica, que por si só é uma multiplicidade de realidades. Para ser honesto, prefiro responder que não há uma resposta, mas muitas respostas, tantas quanto as instituições ou os serviços que constituem a Igreja portuguesa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

… E de novo tostões e milhões!

[Segunda Leitura]

… E de novo tostões e milhões! novidade

Para o sr. Berardo, pelos vistos, um milhão de euros deve ser uma ninharia. Porque ele deve cerca de 900 milhões. Ou seja: gente como nós precisava de viver novecentas vidas para acumular esse montão de notas. E como é que alguém, no espaço de meia dúzia de anos, consegue ficar a dever 900 milhões de euros?… Como?…

O melhor seria

O melhor seria novidade

Tive três filhos e perdi quatro. Por um deles, que não sobreviveu in utero, fui levada para uma ala da maternidade onde havia mulheres com os seus filhos, já nascidos ou prestes a nascer. Havia uma outra ala, a de quem estava para abortar.

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Abusos sexuais

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Gostaria de falar, em primeiro lugar, acerca da Igreja enquanto instituição de poder, porque essa é uma das maiores premissas que orientam o meu trabalho enquanto jornalista que se dedica à cobertura dos assuntos religiosos e, em especial, ao escrutínio da atividade da Igreja Católica. Que não haja dúvidas: a Igreja é uma instituição de poder.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This