Meditar e limpar a praia para contestar um novo aeroporto

| 28 Jun 19

Protesto do Aterra contra o novo aeroporto; nesta sexta, no Samouco, o dia será de convívio, com o mesmo objectivo. Foto Aterra

 

Haverá uma limpeza da praia, música, oficinas de instrumentos musicais e de aviões de papel, conversas e meditação. Tudo para contestar a possibilidade de um novo aeroporto na Margem Sul do Tejo. Sob o lema “Menos avião, mais imaginação!”, o movimento Aterra/Stay Grounded promove esta sexta-feira, 28 de Junho, na Praia do Samouco (Alcochete) um convívio que promete durar das 9h às 22h e está previsto que conte com a participação de perto de duas centenas de pessoas.

A meditação – com dois momentos previstos, ao meio-dia e às quatro da tarde – pretende ser um momento para tomar consciência de que a questão ecológica passa também pela “consciência interior” de cada pessoa, através da qual se pode transmitir a outras pessoas.

“Trata-se de estar em sintonia, num sítio propício a esse tipo de actividades”, diz ao 7MARGENS Luís Falcão, um dos membros do Aterra e dinamizador da iniciativa. “Não é um acto religioso, mas uma actividade de introspecção e que pode incluir uma certa religiosidade, pois pode haver pessoas que se identifiquem com uma matriz religiosa e com a ideia de activismo ecológico”, acrescenta.

Ao contrário do que se passou com a manifestação do movimento Extinction Rebellion em Londres – movimento ao qual o Aterra também está ligado -, em que vários agentes e responsáveis religiosos participaram e fizeram questão de estar presentes, Luís Falcão não tem sentido, em Portugal, qualquer visibilidade dessa presença nas várias manifestações e iniciativas que tem havido relacionadas com a questão da emergência climática ou a contestação de um novo aeroporto. “Se eles estão lá, não se mostram. Talvez por não termos chegado ainda, em Portugal, à mesma escala de outros países. Mas, com todas as pessoas com quem falámos, são muito raras as que não acham boa ideia o que propomos”, diz.

O convite para a participação na iniciativa desta sexta-feira parece um anúncio para um belo sítio de férias. Ou não: “Sol a reluzir no Tejo, fim de semana à espreita, juntamo-nos na praia do Samouco! Vamos descobrir e desfrutar desta zona, confraternizar, defender o Estuário do Tejo e responder à emergência climática.”. A seguir vem o aviso: “A escassos metros do local onde o Governo e a multinacional Vinci querem construir um novo aeroporto de Lisboa, vem partilhar um dia de luta, diversão e muito amor!” E o convite: “Vem informar-te sobre os impactos do aumento da aviação, construir uma cidade para as pessoas, proteger o paraíso de biodiversidade que temos aqui tão perto e o único planeta que temos para viver: a Terra!”

 

“Não deixar de andar de avião, mas reduzir o tráfego aéreo”

Depois das viagens a baixo custo, o alto custo para o planeta, avisam os jovens. Foto Aterra

 

A limpeza da praia do Samouco será a primeira acção do dia, entre as 9h e as 11h. Após o que os participantes participam numa oficina de instrumentos e arte feitos com os materiais recolhidos. Logo depois de almoço, aprenderão outro trabalho artesanal: brincos com aviões de papel. Às cinco da tarde, um momento de conversa servirá para apresentar o movimento Aterra, sob o mote “Imaginando juntos novos caminhos. Por uma mobilidade ecológica e justa”. À noite, será dado o lugar à música.

No centro da acção, já se disse, está a contestação ao projecto que está previsto para aquela zona. “Não se trata de deixar de andar de avião, mas de não construir o novo aeroporto e reduzir o tráfego aéreo”, diz Luís Falcão. “Podemos dizer às pessoas para não andarem de avião e elas podem optar por andar menos. Mas não podemos sugerir que uma pessoa que tenha de ir à Rússia vá de comboio.”

Por outro lado, cada pessoa pode reduzir as viagens que faz e, desse modo, dar o seu contributo individual. “Posso até nunca mais entrar num avião, mas o impacto será muito mais reduzido do que não construir um aeroporto”, acrescenta o dinamizador do encontro.

Num texto em que o movimento justifica as razões da contestação, avisa-se que a aviação “pode tornar-se a principal fonte de emissões de CO2 com origem em Portugal” e que o tráfego aéreo “é um dos grandes responsáveis pelo aumento de emissões que provocam o caos climático”. A poluição aeroportuária causa “doenças cardiovasculares e respiratórias, cancros, perturbações do sono e cognitivas”, avisa ainda o texto.

Pelo contrário, um transporte ferroviário cada vez mais extenso, ecológico e barato pode ajudar na necessária protecção da biodiversidade no estuário do Tejo e do “único planeta que temos para viver – a Terra”. Luís Falcão acrescenta: “O impacto ambiental atinge as aves, trará às pessoas falta de paz…”

No convívio de sexta-feira, serão promovidos comportamentos amigos do ambiente, incluindo a utilização de materiais reutilizáveis e detergente ecológico. Para Setembro, os organizadores pretendem organizar um festival. “O trabalho está a começar agora, temos todos ideias, não temos uma agenda política, mas temos consciência política”, diz ainda Luís Falcão.

De Lisboa, o autocarro 431 que parte da Gare do Oriente em direcção ao Montijo tem paragem no Samouco. Em alternativa, indo de barco até ao Montijo, pode tomar-se aí o autocarro 412 com destino a Alcochete, saindo no Samouco. Em ambos os casos, tem de se andar 15 minutos daí até à praia.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

A ilusão do super-homem novidade

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Esse Deus não é o meu!

Os fundamentalismos alimentam-se do medo, do drama e da desgraça. Muitos deles sobrevivem ainda do Antigo Testamento, a fase infantil da revelação divina na perspectiva cristã.

Cultura e artes

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco