Meditar e limpar a praia para contestar um novo aeroporto

| 28 Jun 19

Protesto do Aterra contra o novo aeroporto; nesta sexta, no Samouco, o dia será de convívio, com o mesmo objectivo. Foto Aterra

 

Haverá uma limpeza da praia, música, oficinas de instrumentos musicais e de aviões de papel, conversas e meditação. Tudo para contestar a possibilidade de um novo aeroporto na Margem Sul do Tejo. Sob o lema “Menos avião, mais imaginação!”, o movimento Aterra/Stay Grounded promove esta sexta-feira, 28 de Junho, na Praia do Samouco (Alcochete) um convívio que promete durar das 9h às 22h e está previsto que conte com a participação de perto de duas centenas de pessoas.

A meditação – com dois momentos previstos, ao meio-dia e às quatro da tarde – pretende ser um momento para tomar consciência de que a questão ecológica passa também pela “consciência interior” de cada pessoa, através da qual se pode transmitir a outras pessoas.

“Trata-se de estar em sintonia, num sítio propício a esse tipo de actividades”, diz ao 7MARGENS Luís Falcão, um dos membros do Aterra e dinamizador da iniciativa. “Não é um acto religioso, mas uma actividade de introspecção e que pode incluir uma certa religiosidade, pois pode haver pessoas que se identifiquem com uma matriz religiosa e com a ideia de activismo ecológico”, acrescenta.

Ao contrário do que se passou com a manifestação do movimento Extinction Rebellion em Londres – movimento ao qual o Aterra também está ligado -, em que vários agentes e responsáveis religiosos participaram e fizeram questão de estar presentes, Luís Falcão não tem sentido, em Portugal, qualquer visibilidade dessa presença nas várias manifestações e iniciativas que tem havido relacionadas com a questão da emergência climática ou a contestação de um novo aeroporto. “Se eles estão lá, não se mostram. Talvez por não termos chegado ainda, em Portugal, à mesma escala de outros países. Mas, com todas as pessoas com quem falámos, são muito raras as que não acham boa ideia o que propomos”, diz.

O convite para a participação na iniciativa desta sexta-feira parece um anúncio para um belo sítio de férias. Ou não: “Sol a reluzir no Tejo, fim de semana à espreita, juntamo-nos na praia do Samouco! Vamos descobrir e desfrutar desta zona, confraternizar, defender o Estuário do Tejo e responder à emergência climática.”. A seguir vem o aviso: “A escassos metros do local onde o Governo e a multinacional Vinci querem construir um novo aeroporto de Lisboa, vem partilhar um dia de luta, diversão e muito amor!” E o convite: “Vem informar-te sobre os impactos do aumento da aviação, construir uma cidade para as pessoas, proteger o paraíso de biodiversidade que temos aqui tão perto e o único planeta que temos para viver: a Terra!”

 

“Não deixar de andar de avião, mas reduzir o tráfego aéreo”

Depois das viagens a baixo custo, o alto custo para o planeta, avisam os jovens. Foto Aterra

 

A limpeza da praia do Samouco será a primeira acção do dia, entre as 9h e as 11h. Após o que os participantes participam numa oficina de instrumentos e arte feitos com os materiais recolhidos. Logo depois de almoço, aprenderão outro trabalho artesanal: brincos com aviões de papel. Às cinco da tarde, um momento de conversa servirá para apresentar o movimento Aterra, sob o mote “Imaginando juntos novos caminhos. Por uma mobilidade ecológica e justa”. À noite, será dado o lugar à música.

No centro da acção, já se disse, está a contestação ao projecto que está previsto para aquela zona. “Não se trata de deixar de andar de avião, mas de não construir o novo aeroporto e reduzir o tráfego aéreo”, diz Luís Falcão. “Podemos dizer às pessoas para não andarem de avião e elas podem optar por andar menos. Mas não podemos sugerir que uma pessoa que tenha de ir à Rússia vá de comboio.”

Por outro lado, cada pessoa pode reduzir as viagens que faz e, desse modo, dar o seu contributo individual. “Posso até nunca mais entrar num avião, mas o impacto será muito mais reduzido do que não construir um aeroporto”, acrescenta o dinamizador do encontro.

Num texto em que o movimento justifica as razões da contestação, avisa-se que a aviação “pode tornar-se a principal fonte de emissões de CO2 com origem em Portugal” e que o tráfego aéreo “é um dos grandes responsáveis pelo aumento de emissões que provocam o caos climático”. A poluição aeroportuária causa “doenças cardiovasculares e respiratórias, cancros, perturbações do sono e cognitivas”, avisa ainda o texto.

Pelo contrário, um transporte ferroviário cada vez mais extenso, ecológico e barato pode ajudar na necessária protecção da biodiversidade no estuário do Tejo e do “único planeta que temos para viver – a Terra”. Luís Falcão acrescenta: “O impacto ambiental atinge as aves, trará às pessoas falta de paz…”

No convívio de sexta-feira, serão promovidos comportamentos amigos do ambiente, incluindo a utilização de materiais reutilizáveis e detergente ecológico. Para Setembro, os organizadores pretendem organizar um festival. “O trabalho está a começar agora, temos todos ideias, não temos uma agenda política, mas temos consciência política”, diz ainda Luís Falcão.

De Lisboa, o autocarro 431 que parte da Gare do Oriente em direcção ao Montijo tem paragem no Samouco. Em alternativa, indo de barco até ao Montijo, pode tomar-se aí o autocarro 412 com destino a Alcochete, saindo no Samouco. Em ambos os casos, tem de se andar 15 minutos daí até à praia.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

“Qual é o mal de matar?” novidade

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Auschwitz, 75 anos: uma visão do inferno

O campo da morte de Auschwitz foi libertado há 75 anos. Alguns sobreviventes do Holocausto ainda nos puderam narrar o que lá sofreram, antes de serem libertados pelos militares soviéticos, em 27 de janeiro de 1945. Tratou-se de um indescritível inferno, um lugar onde toda a esperança morria ao nele se entrar. Onde cada uma das vítimas foi reduzida a um número, tatuado no braço. Dizia-se então, quando se entrava através de um portão com a frase “o trabalho liberta”, que de lá só se podia sair através do fumo de uma chaminé.

Cultura e artes

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Uma história do universalismo cristão

The Devil’s Redemption: A New History and Interpretation of Christian Universalism (Baker Academic, 2018) foi classificado em 2018 pelo The Gospel Coalition, uma organização de Igrejas Evangélicas de tendência Reformada, como o Livro de Teologia do ano.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco