Decisão de Assembleia

Ministros da Igreja da Escócia podem celebrar casamentos gays

| 24 Mai 2022

Manifestação a favor do casamento homossexual. Foto @Ian Taylor | Unsplash

 

Os ministros da Igreja da Escócia vão poder celebrar casamentos entre pessoas do mesmo sexo, decidiu a assembleia geral desta Igreja, ao aprovar legislação que permite, pela primeira vez, estes casamentos.

A alteração foi cirúrgica, descreve o Christian Today: 274 votos a favor, contra 136, foram suficientes para retirar as palavras “marido” e “mulher” na secção 2 da Lei de Reconhecimento de Serviços de Casamento (Lei I de 1977), cuja redação atual declarava: “O casamento na Igreja da Escócia é celebrado por um ministro ordenado numa cerimónia religiosa em que, diante de Deus, e na presença do ministro e pelo menos duas testemunhas competentes, as partes concordam em aceitar um ao outro como marido e mulher enquanto ambos viverem, e o ministro declara que as partes são marido e mulher.”

Na nova redação também se atualiza quem pode celebrar o casamento, ao acrescentar-se o “diácono”: “A solenidade do casamento na Igreja da Escócia é realizada por um ministro ou diácono ordenado numa cerimónia religiosa em que, diante de Deus, e na presença do ministro ou diácono e pelo menos duas testemunhas competentes, as partes se comprometem em aceitar um ao outro em casamento enquanto ambos viverem, e o ministro ou diácono declara que as partes estão casadas.”

A Igreja da Escócia inscreve-se na tradição protestante, tendo no presbiterianismo a inspiração para o seu sistema de governo. A rainha do Reino Unido não é a autoridade suprema da Igreja da Escócia, como acontece na Igreja da Inglaterra, ainda que possa participar, sem direito a voto, na sua assembleia geral.

O texto agora alterado mereceu contestação de membros da Igreja, segundo um relatório da assembleia geral de 2022, que revelou que 29 presbitérios deram o seu apoio à legislação e que 12 se opuseram. Houve quem argumentasse que “o que está a ser proposto é contrário ao ensinado nas escrituras e causaria mais divisão dentro da Igreja da Escócia”.

A nova liturgia será agora elaborada para uso mas cerimónias de casamento entre pessoas do mesmo sexo, e o Comité de Questões Legais preparará orientações para acompanhar as mudanças na atual lei.

Os ministros terão de se registar para celebrarem casamentos gays e renovar essa licença a cada três anos. A legislação garante objeção de consciência e nenhum ministro pode ser obrigado a realizar um casamento entre pessoas do mesmo sexo ou envolver-se na preparação contra a sua vontade. Já aqueles que desejam realizar casamentos gays devem “ter em conta a paz, a unidade e as necessidades pastorais da congregação e de qualquer paróquia ou outro agrupamento de que faça parte”.

De acordo com o Christian Today, os defensores desta abertura argumentaram que o status quo estava a prejudica os cristãos LGBT, que não puderam casar-se na Igreja e que esta estava a “tornar as pessoas indesejadas”.

O reverendo Scott Rennie, que é casado com uma pessoa do mesmo sexo, disse que “não poderia ser um ministro desta Igreja” sem o amor e o apoio do seu marido. Já o reverendo Phil Gunn, ministro da Igreja Paroquial de Rosskeen, em Alness (Ross and Cromarty), afirmou que a legislação “não era bíblica”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This