Decisão de Assembleia

Ministros da Igreja da Escócia podem celebrar casamentos gays

| 24 Mai 2022

Manifestação a favor do casamento homossexual. Foto @Ian Taylor | Unsplash

 

Os ministros da Igreja da Escócia vão poder celebrar casamentos entre pessoas do mesmo sexo, decidiu a assembleia geral desta Igreja, ao aprovar legislação que permite, pela primeira vez, estes casamentos.

A alteração foi cirúrgica, descreve o Christian Today: 274 votos a favor, contra 136, foram suficientes para retirar as palavras “marido” e “mulher” na secção 2 da Lei de Reconhecimento de Serviços de Casamento (Lei I de 1977), cuja redação atual declarava: “O casamento na Igreja da Escócia é celebrado por um ministro ordenado numa cerimónia religiosa em que, diante de Deus, e na presença do ministro e pelo menos duas testemunhas competentes, as partes concordam em aceitar um ao outro como marido e mulher enquanto ambos viverem, e o ministro declara que as partes são marido e mulher.”

Na nova redação também se atualiza quem pode celebrar o casamento, ao acrescentar-se o “diácono”: “A solenidade do casamento na Igreja da Escócia é realizada por um ministro ou diácono ordenado numa cerimónia religiosa em que, diante de Deus, e na presença do ministro ou diácono e pelo menos duas testemunhas competentes, as partes se comprometem em aceitar um ao outro em casamento enquanto ambos viverem, e o ministro ou diácono declara que as partes estão casadas.”

A Igreja da Escócia inscreve-se na tradição protestante, tendo no presbiterianismo a inspiração para o seu sistema de governo. A rainha do Reino Unido não é a autoridade suprema da Igreja da Escócia, como acontece na Igreja da Inglaterra, ainda que possa participar, sem direito a voto, na sua assembleia geral.

O texto agora alterado mereceu contestação de membros da Igreja, segundo um relatório da assembleia geral de 2022, que revelou que 29 presbitérios deram o seu apoio à legislação e que 12 se opuseram. Houve quem argumentasse que “o que está a ser proposto é contrário ao ensinado nas escrituras e causaria mais divisão dentro da Igreja da Escócia”.

A nova liturgia será agora elaborada para uso mas cerimónias de casamento entre pessoas do mesmo sexo, e o Comité de Questões Legais preparará orientações para acompanhar as mudanças na atual lei.

Os ministros terão de se registar para celebrarem casamentos gays e renovar essa licença a cada três anos. A legislação garante objeção de consciência e nenhum ministro pode ser obrigado a realizar um casamento entre pessoas do mesmo sexo ou envolver-se na preparação contra a sua vontade. Já aqueles que desejam realizar casamentos gays devem “ter em conta a paz, a unidade e as necessidades pastorais da congregação e de qualquer paróquia ou outro agrupamento de que faça parte”.

De acordo com o Christian Today, os defensores desta abertura argumentaram que o status quo estava a prejudica os cristãos LGBT, que não puderam casar-se na Igreja e que esta estava a “tornar as pessoas indesejadas”.

O reverendo Scott Rennie, que é casado com uma pessoa do mesmo sexo, disse que “não poderia ser um ministro desta Igreja” sem o amor e o apoio do seu marido. Já o reverendo Phil Gunn, ministro da Igreja Paroquial de Rosskeen, em Alness (Ross and Cromarty), afirmou que a legislação “não era bíblica”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This