Os jovens e a abstenção

| 7 Jun 19 | Entre Margens, Últimas

O símbolo do euro iluminado, junto da sede do Banco Central Europeu, em Frankfurt: “É preciso perder tempo a explicar e a ensinar e também é preciso que os jovens procurem informar-se.” Foto © António Marujo

68,6%: foi esse o valor da abstenção a nível nacional para as eleições europeias de 2019. Pela Europa, em média, os valores são mais baixos e conheceram uma digna diminuição em relação às eleições de 2014. No entanto, é inequívoco que a Europa e Portugal têm uma tarefa grande pela frente. Mais grave se torna o cenário olhando para a abstenção jovem em Portugal. De resto, várias instituições, com base nos vergonhosos números de 2014, lançaram campanhas de apelo ao voto, sobretudo, jovem. Criaram-se trends, postsnas redes sociais, fizeram-se vídeos. Simples, com apenas uma frase, longos e complexos, pedagógicos e organizados. No entanto, e saudando imenso os esforços que foram feitos e ainda não conhecendo os números com precisão, não me parece que tenha havido uma mudança extraordinária e estrutural.

A geração mais qualificada de sempre; aquela que tem mais facilidade em aceder à informação (também à desinformação, diga-se); a geração que usufrui do programa Erasmus, que viaja vezes sem conta sem usar um passaporte, que estudou em escolas altamente equipadas com financiamento europeu, que vai ser realmente afetada por um futuro que ainda parece incerto, é essa mesma geração que fica em casa na hora de votar.

Procurei perceber junto dos meus amigos o porquê deste fenómeno. Fui ouvindo comentários de vária ordem: desde o “são todos iguais” até “sabes, política não é bem a minha cena”. Em ambos os casos, não tenho dúvidas de que são comentários que apenas tentam colocar o peso da responsabilidade na política que, supostamente, não cativa o suficiente. Havia 17 programas políticos a ir a votos nestas eleições: socialistas, comunistas, verdes, liberais, conservadores, europeístas, eurocéticos, crentes numa Europa de Nações, crentes numa Europa mais integrada, etc., etc. Não acredito que nenhum conseguisse ser minimamente “a cena” de cada um. Na verdade, esta posição tenta esconder uma responsabilização, que não se quer assumir, de que não se procurou informação ou que não se tem consciência exata de como a decisão política tem impacto nas suas vidas.

Talvez a roupinha lavada e a comida na mesa ou a paz europeia como dado garantido, ainda que inseguro, faça com que os jovens não se apercebam dos incentivos que têm para olhar para a política. Porque eles existem, de facto, falta percebê-los. Se se tem conseguido construir uma juventude, por exemplo, ambientalmente consciente no geral, porque não temos conseguido com o mesmo sucesso construir uma consciência política semelhante? Quando falo de consciência política não é necessariamente pertencer a um partido ou, sequer, ter uma ideologia definida. É saber lidar e participar no processo político, mesmo que apenas enquanto cidadãos.

As várias instituições (a nível europeu e nacional) têm de começar a procurar ensinar cidadania e processos de participação e envolvência política. Da mesma forma como na escola se apela a criar e realizar atividades ligadas ao ambiente, nas quais se faz uma consciencialização para a problemática desde cedo em aula que, de resto, tem sido bem-sucedida. Saber como funciona um Parlamento, quais são os vários órgãos fundamentais do país e da UE, como é que eles afetam as nossas vidas, etc., também é essencial.

É preciso perdermos tempo a explicar e a ensinar, várias vezes, ao longo do tempo em que a criança/jovem vai desenvolvendo a sua personalidade e noção do Mundo. Com paciência. Para que, chegados à hora de votar, não pareça tarde de mais. Mas é também preciso que, tendo a informação à distância de um clique, os jovens procurem informar-se. Ou pelo menos que entendam que podem e devem fazê-lo. Ao trabalho.

 

João Catarino Campos é estudante de Economia no ISEG – Lisbon School of Economics and Management. joaopccampos24@gmail.com

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco