Palavra de criança

| 21 Fev 2023

na ucrania, uma criança observa os edifícios destruídos pela guerra, Foto © UNICEF/Diego Ibarra Sánchez

Na Ucrânia, uma criança observa edifícios destruídos pela guerra, Foto © UNICEF/Diego Ibarra Sánchez.

 

Se na escola o seu filho é agredido por outro, além do consolo será apropriado estimulá-lo a responder com violência? Ou solicitar o poder apaziguador da direcção da escola e o diálogo?

Quando defendo o diálogo para acabar com a barbárie na Ucrânia muitos tratam-me com condescendência paternal, como se não tivesse também enfrentado a crueldade de alguns episódios na vida. Dizem-me que não entendo o básico que é diferenciar o agressor do agredido. E curiosamente tanto o dizem os que consideram a Rússia o agressor, com a sua óbvia invasão, como os que consideram que foi a Ucrânia nacionalista, agora apoiada pela OTAN/NATO, que já tinha começado a guerra antes, ao aniquilar a população russa, maioritária no Donbass. Para os primeiros há que parar quanto antes a lógica expansionista do agressor; para os segundos, ele é o agredido e tem o direito de defender-se. Para mim, dos dois lados só vejo irracionalidade.

Faz agora um ano ainda se discutia o regresso aos princípios dos acordos de Minsk de 2015, que tentavam parar com esta guerra que começou em 2014, que para uns era rebelião, outros guerra civil e outros guerra de independência. A Rússia, com ingenuidade, pretendia evitar que os EUA e a OTAN ampliassem a sua área de influência. O que Putin aspirava neutralizar ontem é hoje realidade, foi um tiro pela culatra. A Europa que vivia um tempo de desmilitarização progressivo, com avanços no significado da palavra “humanidade”, hoje converteu-se numa autêntica carreira de tiro para o relançamento da indústria de armamento, um autêntico tiro no pé.

Resultado: hoje a Ucrânia é palco de destruição total, é um campo de batalha desolador onde pode começar a terceira (e última?) guerra mundial. Esta a realidade macro.

Vejamos a micro. Há um mês, Tyre Nichols morreu após detenção violenta pela polícia de Memphis. É um caso em que podemos fazer as mesmas perguntas: quem foi o agressor? Quem o agredido? Quem é o povo? Quem representa a ordem? Era necessário o uso da força? Quanta era necessária para conter a ameaça? A força foi proporcional à ameaça? Façam um exercício racional, e não se limitem a colocar-se de um dos lados. 

Dizei-me então: que vos parece que se deva fazer com o vosso filho? Se a criança fosse ucraniana, de Kiev ou de Mariopol, não responderia por certo. A organização Save the Children conta-nos que as crianças da guerra na Ucrânia não falam; calam-se, emudecem e olham para o vazio. Não é difícil imaginar o sem sentido da violência no cérebro em formação de uma criança. A realidade interrompeu-se com o rebentar de uma bomba, o seu pai está na guerra, a sua família perdida, a sua casa destruída a 100 metros ou a mil quilómetros, assim como a sua escola e os amigos perdidos ou mortos.

Sinto-me assim, como essa criança, e parece-me impossível dizer seja o que for que valha a pena. Se os maiores não agem, qual o valor de uma palavra de criança?

Eduardo Soto é botânico, especialista em orquídeas, realizador de cinema e colaborador do Observatório Ibérico de Energia; objector de consciência, vive em Cuenca (Espanha), onde lutou contra o cemitério de resíduos nucleares.

 

Andrea Riccardi: “O que mais me abalou foi o silêncio de Pio XII depois da Guerra”

Entrevista "A Lista do Padre Carreira"

Andrea Riccardi: “O que mais me abalou foi o silêncio de Pio XII depois da Guerra” novidade

O atraso na abertura dos arquivos do Vaticano relativos ao pontificado do Papa Pio XII e da Segunda Guerra Mundial “prejudicou o conhecimento da realidade”, diz o historiador Andrea Riccardi. Os silêncios de Pacelli foram uma escolha para evitar males maiores, diz, mas o que não compreende é o silêncio de Pio XII depois da Guerra, sobre o antissemitismo.

Crimes sexuais: indemnizações levam quatro dioceses à falência

Califórnia

Crimes sexuais: indemnizações levam quatro dioceses à falência novidade

Quatro das 12 dioceses católicas da Califórnia pediram falência, ou estão a considerar fazê-lo, por causa de mais de 3.000 pedidos de indemnização entregues nos tribunais do Estado por vítimas de abusos sexuais de menores que aproveitaram o facto da lei ter prolongado até dezembro do ano passado a admissibilidade de processos envolvendo pessoas tendo atualmente até 40 anos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Terça, 30, às 18h

Legado de Alfredo Bruto da Costa debatido na Feira do Livro

O livro O Que Fizeste do Teu Irmão? – Um Olhar de Fé sobre a Pobreza no Mundo, de Alfredo Bruto da Costa, é o ponto de partida para o debate que, nesta terça-feira, reúne Nuno Alves, economista do Banco de Portugal e membro da direcção da Cáritas Portuguesa, com Margarida Bruto da Costa, filha do autor.

JMJ realizou em 2022 metade das receitas que tinha orçamentado

A Fundação Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 obteve no ano passado rendimentos de 4,798 milhões de euros (menos de metade do previsto no seu orçamento) e gastos de 1,083 milhões, do que resultaram 3,714 milhões (que comparam com os 7,758 milhões de resultados orçamentados). A Fundação dispunha, assim, a 31 de dezembro de 2022, de 4,391 milhões de euros de resultados acumulados em três anos de existência.

Debate em Lisboa

Uma conversa JMJ “conectada à vida”

Com o objectivo de “incentivar a reflexão da juventude” sobre “várias problemáticas da actualidade, o Luiza Andaluz Centro de Conhecimento (LA-CC), de Lisboa, promove a terceira sessão das Conversas JMJ, intitulada “Apressadamente conectadas à vida”.

Milhares a dançar na procissão

Luxemburgo

Milhares a dançar na procissão novidade

Uma procissão dançante que dura cerca de três horas, em honra de São Willibrord, um santo dos séculos VII-VIII decorreu como é tradição desde há perto de mil anos, na última terça-feira, 30 de maio, na cidade luxemburguesa de Echternach.

Em seis anos Irlanda perde um em cada dez católicos

Censo 2022

Em seis anos Irlanda perde um em cada dez católicos novidade

Em apenas seis anos, a Irlanda, um dos países “mais católicos” da Europa, viu a taxa dos que se reconhecem como tal reduzir-se em 10 pontos percentuais entre 2016 (79%) e 2022 (96%). Os números são avançados pelo jornal The Irish Times de dia 30 de maio com base no censo de 2022, cujos resultados foram agora conhecidos.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This