Apesar dos avisos

Partido político instrumentaliza JMJ na sua orientação contra os imigrantes

| 16 Ago 2023

André Ventura é o líder do Partido CHEGA. Foto © Voxespaña

André Ventura é o líder do Partido CHEGA. Foto © Voxespaña

 

A Jornada Mundial da Juventude está a ser utilizada pelo Partido de André Ventura para difundir a mensagem – não fundada em factos – de que há “milhares de peregrinos” oriundos de África e do Médio Oriente cujo rasto foi perdido, sugerindo a ideia de que a JMJ foi um alibi para imigração ilegal.

Recorrendo a reproduções de pretensos títulos jornalísticos cujo grafismo se confunde com o de meios jornalísticos profissionais, como o site da Renascença e o jornal Público, o deputado e presidente do Chega pretende criar a ideia de que esses pseudo-factos são da responsabilidade de meios de comunicação credíveis, e que a matéria só vem confirmar posições da sua formação partidária.

André Ventura, que terá estado ausente na Madeira no período da Jornada, escolheu precisamente o última dia da JMJ – o domingo, dia 6 de agosto – para colocar um tweet na sua página da rede social X (ex-Twitter),  o qual ali continua (no momento em que escrevemos), apesar das múltiplas denúncias de que se trata de uma mentira. Nele se pode ver o título (falso) “Milhares de inscritos na JMJ desaparecidos. ‘Imigração ilegal’, diz especialista”. Sem qualquer ligação eletrónica para uma eventual fonte, também a pesquisa nos motores de busca não permite chegar a qualquer sítio da internet. André Ventura acrescentou este comentário. “Nós tínhamos avisado. O Governo não fez absolutamente nada!”.

O assunto começou a ganhar interesse público, sobretudo depois de, a 12 deste mês, o jornalista e editor Ivo Neto, do Público, ter chamado a atenção para a gravidade da matéria, na mesma rede social, ao escrever: “Tanto a primeira imagem como a segunda são falsas. Nem o Público nem a Renascença publicaram alguma vez estes textos. Quem partilha isto não é uma pessoa qualquer. É deputado de Portugal e já foi alertado para o facto de estar a partilhar conteúdos falsos. Mas não apagou”.

Dois dias depois, a Renascença escrevia, no seu site, ter sido “alvo de notícias falsas difundidas por André Ventura”, o qual, contactado para comentar, não forneceu qualquer esclarecimento. “Tudo isto é falso. O grafismo é semelhante, mas mesmo o tipo de letra não é o nosso. A Renascença nunca publicou este conteúdo”, afirmou, a este propósito, o diretor de Informação da Renascença, Pedro Leal.

No meio disto, o Correio da Manhã divulgava esta terça-feira, dia 15 de agosto, que Ventura escreveu uma carta ao Papa, pedindo perdão por não ter estado presente na receção oficial que teve lugar no primeiro dia da visita de Francisco, no Centro Cultural de Belém.

O Diário de Notícias, que leu os excertos da carta divulgados pelo CM, refere que Ventura “também tece críticas à Igreja Católica, ao considerar que se comporta como um partido de esquerda na crise migratória e por, segundo o líder do Chega, branquear líderes políticos corruptos como Lula da Silva ou Dilma Roussef”.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This