Iniciativa do Fórum Nacional de Solidariedade

Petição contra leis anticonversão visa proteger cristãos e muçulmanos na Índia

| 18 Fev 2022

cristaos india, Foto_ United Christian Forum

A petição pede unidade para defender os valores promovidos pela Constituição indiana e proteger os direitos das minorias e outras comunidades marginalizadas no país, nomeadamente cristãos e muçulmanos. Foto: United Christian Forum.

 

Uma petição contra as leis anticonversão, lançada pelo Fórum Nacional de Solidariedade  e dirigida ao Presidente da Índia, está a ganhar cada vez mais apoiantes naquele país, avançam as Obras Pontifícias Missionárias em comunicado divulgado através do seu site.

As chamadas leis anticonversão foram já aprovadas em vários estados indianos, como Uttar Pradesh, Gujarat e Madhya Pradesh, que têm em comum o facto de serem governados pelo Partido Bharatiya Janata, um partido nacionalista pró-hindu, e ao qual pertence o Presidente indiano, Ram Nath Kovind.

“Os ataques às minorias aumentaram consideravelmente nos últimos anos, pois essas leis são usadas contra a dignidade de cristãos e muçulmanos, especialmente mulheres, dalits e adivasis”, explicam os promotores desta petição, onde se inclui o arcebispo de Bangalore, Pierre Machado.

No passado dia 24 de dezembro, foi aprovada pelo parlamento estadual a Lei de Proteção à Liberdade Religiosa de Karnataka, a qual deverá ser também aprovada pela câmara alta até ao final de fevereiro. “Onde quer que sejam aprovadas leis anticonversão, ironicamente chamadas de ‘leis de liberdade religiosa’, elas tornam-se uma justificação para a perseguição de minorias e outras comunidades marginalizadas”, alerta a petição, que pede unidade para defender os valores promovidos pela Constituição indiana e proteger os direitos das minorias e outras comunidades marginalizadas no país.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This