Porque vou estar à conversa com um judeu e um cristão no dia 4 de fevereiro?

| 28 Jan 2024

 

Encontro 1001 razões, que normalmente elencam o catálogo de fundamentos para o diálogo e que nem por serem mais corriqueiras se tornam inverdades, tais como:

i) As religiões são paz e o Nosso Deus fala-nos assim
É preciso compreender que as religiões – tantas vezes instrumentalizadas e ao contrário do que muitos apregoam – são um bálsamo para a existência humana e um veículo privilegiado para a promoção da paz e fraternidade universais e não raras vezes confundidas com outras agendas, de índole mercantilista, geopolítica, entre outras;

ii) Porque o mundo não tem de ser assim, de confrontação e de guerra
Só atingiremos a suprema bondade, quando soubermos apreciar o outro na beleza da sua diversidade e não numa igualdade forçada;

iii) Temos mais que nos une, do que o que nos separa
Não é apenas uma frase agradável: as afinidades são infindáveis, um Deus único, que falou e que se revelou, através das escrituras (e essa é a boa nova do monoteísmo). O Deus do pai Abraão, de Moisés, de Jesus que nasceu numa terra Santa para todos – e que tristemente é palco de uma guerra sangrenta – que mais devia unir, em vez de separar.

Ó gente! Em verdade, formámo-vos de um varão e de uma fêmea e fizemo-vos nações e tribos, para que se conheçam uns aos outros. O mais honrado entre vocês é o mais piedoso […] Alcorão Sagrado (Capítulo “Os Aposentos” 49:13)

Mas desta vez, resolvi fazer diferente e propor uma receita mais original:

O diálogo religioso precisa certamente de empatia e amabilidade, e ambas têm de ser compatíveis com a máxima honestidade de ideias.

O cristão precisa de aprender a ouvir do muçulmano que Allah não tem parceiros, e por isso Jesus não é Deus. E o muçulmano tem de ter a frontalidade de o dizer diante dos cristãos.

O muçulmano precisa de aprender a ouvir do cristão que no Deus único há três pessoas divinas, e que uma delas, sem deixar de ser Deus, tornou-se também homem em Jesus, que é realmente Deus. E o cristão tem de ter a frontalidade de o dizer diante dos muçulmanos.

Nada disto perverte as suas fés, nem representa um discurso de ódio recíproco.

Tal representa, aliás, um máximo respeito recíproco, constituindo uma saudável e radical disposição de não andar a brincar às escondidas intelectuais ou religiosas.

Descobri, no plano da minha experiência pessoal, que o estímulo da amizade promove genuína e descontraidamente que sejamos capazes de apreciar o que o próximo diz, “calçando os seus sapatos” como diria Mia Couto, resgatando os melhores argumentos destes pela simpatia que por eles nutrimos, usando uma linguagem universal e não exclusiva da minha fé, com verdade e não nos furtando aos temas difíceis e tendo por propósito o diálogo e não o consenso, numa própria e verdadeira fraternidade universais.

Depois de se dizerem isto reciprocamente, devem logo a seguir procurar ir alegremente beber um “vimto” (e não vinho por impossibilidade de pelo menos um deles), contar anedotas, rir juntos e regressar a casa contentes de ainda terem ficado mais amigos.

Enfim, a frase para um milhão de dólares na célebre e sábia expressão popular das terras do uncle Sam:

Se não aprendermos a dialogar sobre a religião, acabaremos por guerrear por causa da religião.

 

Khalid Sacoor D. Jamal é membro do Observatório do Mundo Islâmico e dirigente da Comunidade Islâmica de Lisboa; integra o painel do programa E Deus Criou o Mundo, da Antena 1. 

Khalid Jamal estará à conversa com o padre Rui Santiago e com Joshua Ruah, no dia 4 de Fevereiro, às 15h, na Porta, no Porto.

Esta iniciativa acontece no Dia Internacional da Fraternidade Humana, no âmbito do projeto Bridges of Faith, promovido pela MEERU e pelo Blanquerna Observatory, com o apoio do KAICIID e parceria do 7 Margens.

As inscrições para participar devem ser feitas clicando aqui. 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This