Salgado e doce na criação musical e litúrgica do LabOratório

| 21 Set 19

Reportagem

Mal se chega, ouve-se um canto… Foto © Guilherme Lopes/7MARGENS

 

Mal se chega, ouve-se um canto. Nesta manhã fresca, depois de atravessar o corredor, o som leva-nos à igreja do Convento de São Domingos, em Lisboa. O canto, na sonoridade das vozes, traz-nos uma construção melódica, transporta-nos para algo novo, sem deixar de ser familiar.

Estão cerca de vinte pessoas na igreja: professores, organizadores e participantes no LabOratório rezam a oração de laudes, ou oração de manhã. Meditam, cantam fazem silêncio. Combinada com a arquitetura despojada da igreja, a música fala da relação entre a tradição e a inovação, as novas linguagens que não esquecem o passado, antes dialogam com ele. Recriar essa ligação entre passado e presente na música é uma das ideias que o LabOratório procura alcançar. A iniciativa dos padres jesuítas, que decorreu entre 1 e 8 de setembro, pretende contribuir para criar novas composições musicais de qualidade para o uso litúrgico.

Durante os momentos de oração, fé e música ligam-se e dialogam também com o sagrado. Incluindo momentos a cappella, em que a voz cria um ambiente de fundo. A forma como se dispõem os cantores no altar, face a face, permite criar um efeito de reverberação e uma harmonia pouco habitual.

Depois da oração, o padre Rui Miguel Fernandes explica as atividades e dá o mote do dia: aulas, seminários e conferências, que procuram não só alargar o conhecimento musical a quem já o tem, mas também abranger os que não têm experiência. “Vamos manter este espírito de contenção”, pede Rui Fernandes. E, com um largo sorriso: “De contenção das nossas forças, para fazermos algo fantástico.”

Criação musical: “Queremos que se aprenda como incorporar o texto na canção”. Foto © Guilherme Lopes/7MARGENS

 
Novas inspirações

Esta é a segunda edição do LabOratório, depois da estreia há dois anos. A escolha desta igreja conventual não foi feita casual, mesmo se pode ser um lugar improvável para a criação musical. “A igreja é mesmo assim. Nós só estamos a usá-la da forma como ela foi desenhada”, diz Rui Fernandes, jesuíta, ordenado padre há pouco mais de um ano. “Quase não precisamos de colunas, o som como que se reverbera no espaço.”

O LabOratório divide-se em dois grandes grupos: o Labprático, para as técnicas vocal, de improvisação, para maestros, de composição e incorporação do texto na música; e o Labteórico, com uma formação mais pedagógica, que inclui o Labforma, para quem tem pouca ou nenhuma formação musical, o Labexplora, para harmonizar canto e poesia litúrgica, e o Labconjunto, para ensaiar e gravar pautas frescas.

“Todas as pessoas rezam de maneiras diferentes e, por isso, todas se adaptam de formas diferentes, na sua oração”, diz Mariana Baptista, uma das responsáveis do LabOratório. “Desta forma, além das pessoas que usam a sua voz, também há pessoas que tocam órgão, violino, flauta, a trompa, o violoncelo. Ou seja, ninguém é posto de parte. Somos uma equipa”.

O LabOratório, refere a página da iniciativa na internet, é um conjunto de oficinas sobre música e espiritualidade, abertas a todas as pessoas, para além dos participantes inscritos. Os diferentes espaços de criação têm uma dimensão prática e implicam a interação dos participantes. Fora das aulas ou mesmo perto de um professor, vários deles mostravam as melodias ou poemas acabados de compor. Nota-se espírito de comunidade: “Só ganhamos juntos”, sublinha Mariana.

Ensaio de canto: “Todas as pessoas rezam de maneiras diferentes”. Foto © Guilherme Lopes/7MARGENS

 

O que se pode cantar na missa?

A forma como se incorpora a espiritualidade e a inspiração de cada pessoa na construção da poesia litúrgica e na composição musical salta à evidência. Nem toda a música ou letra é apropriada para uma missa, diz Mariana Baptista. Tudo depende do contexto e importância. Onde estabelecer, então, a linha que separa o que é apropriado para a missa do que tem apenas um valor poético ou espiritual? “A espiritualidade não é só cristã, não é só católica. Fala de toda a realidade humana e do que procuramos, dos nossos anseios e desejos. Isso é transversal ao ser humano, mas pode não ser apropriado para a liturgia. Na liturgia, celebramos em cada momento algo específico, é necessário distinguir o que é importante e o que não é, para esse efeito.”

Na oficina de escrita, em que se escrevem textos para a liturgia, os participantes corrigem o que se acabou de compor. Rui Aleixo, um dos membros da organização, explica que o propósito de exercícios como este é dar um conceito da “melodia e da organização do texto para auxiliar os compositores”. Não importa só o que o coro canta, mas a forma como o próprio texto se pode adaptar ao ritmo da música.

“Queremos que se aprenda como incorporar o texto na canção”, acrescenta Rui. “Ao adaptar autores como Sophia de Mello Breyner Andresen numa música de Bach, temos de perceber que ligação se pode estabelecer entre os dois, eles não são só uma fonte de inspiração. Sem dúvida é difícil, mas o cantar de um poema também é uma forma de estar próximo de Deus.”

Maria João Sousa, professora de técnica vocal, reconhece o desafio de haver pessoas com diferentes níveis de experiência. Essa foi uma experiência inesperada: “Posso ter crianças, adultos, pessoas com um vago interesse por cantar. Eu vim mesmo para o desconhecido. Percebi, quando cheguei, que era um grupo com grande vontade, com grandes vozes. Não de uma forma profissional, mas todos com muita vontade”, afirma. “O meu desafio foi tentar perceber a sonoridade do grupo para tirar o melhor partido dessa sonoridade.”

Ginástica para a voz: “O desafio foi tentar perceber a sonoridade do grupo para tirar o melhor partido dessa sonoridade.” Foto © Guilherme Lopes/7MARGENS

 

Ultrapassar expectativas

A paixão também se pode observar na mestria necessária para uma maestrina coordenar as vozes, no interesse pela experimentação, na busca de uma mistura entre o “salgado” e o “doce” na composição, como dizia um dos participantes.

João Andrade Nunes, que ensinou composição, também viu superadas as suas expectativas. “Vim receoso e expectante, sem saber o que esperar.” A maior dificuldade foi a de equilibrar os diferentes graus de experiência musical. O maior sucesso foi ver os participantes a “trabalharem juntos para um objetivo comum”, o que lhe daria vontade de voltar numa futura edição. O próprio padre Rui Fernandes, observando os resultados do dia no ensaio antes de almoço, mostrava essa satisfação: todos se divertiram e, mais importante, já não se sentiam tão tensos para o concerto público e a celebração da eucaristia final dos dois últimos dias.

A edição deste ano abriu possibilidades para um novo encontro, daqui a dois anos. Para já, ficou a memória desta edição no Livro Cinzento, com uma coleção de cânticos e letras criados para este LabOratório. Como o cântico Fazei Isto em Memória de Mim, do jesuíta Miguel Pedro, um dos cânticos escolhidos para o concerto final:

 

O concerto final teve uma grande variedade de estilos. Além do movimento do coro pela igreja, que trouxe para a liturgia a dimensão dramática que ela também inclui, ou dos arranjos para assobios e das composições de raiz mais contemporânea como Felizes os que Deus Escolheu, de João Madureira.

“Quem canta, reza duas vezes”, costuma dizer-se. E esta é a experiência do LabOratório 2019: mais do que a proximidade com Deus, é também, refere o padre Rui Fernandes, “procurar algo que preencha a nossa paixão e coincida com o que gostamos de fazer”.

(Este texto teve o contributo de António Marujo)

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo novidade

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico novidade

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos” novidade

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco