Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

| 6 Fev 20

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Fila de clientes à porta da loja Louis Vouitton, em Parios, com uma mulher a mendigar. Foto © Clara Lito, cedida pela autora.

 

Entre os nove princípios da DSI, aquele a que me refiro e não deixa de me interpelar é o destino universal dos bens, que a constituição pastoral Gaudium et Spes, do II Concílio do Vaticano descreve deste modo: “Deus destinou a terra com tudo o que ela contém para uso de todos os homens e povos; de modo que os bens criados devem chegar equitativamente às mãos de todos, segundo a justiça, secundada pela caridade. Sejam quais forem as formas de propriedade, conforme as legítimas instituições dos povos e segundo as diferentes e mutáveis circunstâncias, deve-se sempre atender a este destino universal dos bens. Por esta razão, quem usa desses bens, não deve considerar as coisas exteriores que legitimamente possui só como próprias, mas também como comuns, no sentido de que possam beneficiar não só a si mas também aos outros” (GS 69).

Reparemos na foto: um olhar menos atento pode ver nela apenas uma fila de gente numa grande avenida, à espera não se sabe bem de quê… Também podemos reparar que é um lugar com bastantes lojas, grandes vitrines, o que nos pode levar a concluir que é uma zona sobretudo rica.

E se eu dissesse que esta é uma fila para uma das lojas de uma marca de alta costura, em Paris? Parece estranho, mas é verdade. Aqui não entram mais que dez pessoas de cada vez, por isso tantas pessoas à espera. Sim, pessoas vindas dos mais variados países do mundo esperam durante horas para entrar e gastar balúrdios em roupa e acessórios que, provavelmente, não vão ser usados mais que duas ou três vezes.

Olhemos agora com mais atenção: no fim da fila está alguém que não “faz parte” deste cenário. Ou melhor, não deveria “fazer parte”. Uma mulher, vestida de uma maneira diferente – talvez vinda de um país de leste, talvez vítima de exploração humana, talvez “recrutada” por alguma máfia – pede dinheiro a estas pessoas que nem parecem dar-se conta da sua presença…

Esta mulher também espera… espera uma vida diferente, espera ter uma casa, espera reencontrar a sua dignidade, espera poder dar melhores condições à sua família… Espera, como tantas outras pessoas que se veem obrigadas a sair dos seus países, exatamente porque os bens não estão distribuídos universalmente, de forma justa, como sonhava o Vaticano II (e tantos outros que lutaram e continuam a lutar por um mundo mais justo).

Olho para esta imagem, recordo o princípio da distribuição universal dos bens e a primeira sensação que tenho é de impotência… o que fazer? Como afrontar esta realidade? Inicialmente, depois de muitos dias a ver esta situação sempre que aqui passava, a solução que encontrei foi, muito sinceramente, encontrar outro caminho… Não é o que fazemos tantas vezes? Fingir que não vemos… Mas a verdade é que é impossível ignorar, é impossível não ver, porque este contraste existe, é real, está presente cada vez que acendemos a televisão para ver as notícias, cada vez que lemos o jornal, cada vez que saímos à rua…

É preciso ver, é preciso mudar a nossa forma de olhar e de agir, como afirma a Gaudium et spes: “quem usa desses bens, não deve considerar as coisas exteriores que legitimamente possui só como próprias, mas também como comuns”. Se olhássemos o que temos como algo comum, que não nos pertence só a nós, se olhássemos o todo do mundo e não apenas a pequena parte onde nos movemos, talvez nos deixássemos interpelar mais por este princípio, talvez o pudéssemos fazer mais realidade, a partir de pequenos gestos diários, talvez pudéssemos aprender a viver com menos, para que outros possam ter o necessário…

 

Clara Lito, aci, é religiosa das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, responsável de pastoral no colégio das Escravas em Paris e trabalha com estudantes universitários.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco