Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

| 16 Jun 19 | Entre Margens, Últimas

Etty Hillesum, numa foto publicada no livro Nos Passos de Etty, de Filipe Condado (ver https://setemargens.com/nos-passos-de-etty-hillesum-pre-publicacao/)

 

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao  cardeal Gianfranco Ravasi. Nela se abordavam temas de interesse no âmbito da Igreja Católica, tais como o afastamento  dos jovens, os conflitos internos na Igreja,  o papel das mulheres, o estatuto dos refugiados, etc. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana. Para nos ajudar a responder a esta interpelação, recorremos a duas figuras que, no século passado, se debruçaram sobre a temática, na altura insólita, da fragilidade de Deus e das consequências da mesma: Etty Hillesum e Dietrich Bonhoeffer. Em contextos diferentes – Holanda e Alemanha – viveram os terríveis anos da II Guerra Mundial, sofrendo na pele a ameaça do nazismo, da qual foram vítimas.

Etty Hillesum foi uma judia holandesa que nas suas Cartas e Diários ( Lisboa, Assírio e Alvim, 2008 e 2009) relatou o sofrimento dos judeus sob a ocupação nazi. Pelo testemunho que nos legou, ficamos cientes do seu  processo de auto-conhecimento, o qual culminou numa profunda espiritualidade. Etty assumiu-se como alguém que encontrou em Deus a força para ultrapassar as misérias do quotidiano. Recusando a ajuda de amigos que pretendiam escondê-la, colaborou com o Conselho Judaico no campo de Westerbork, onde ajudou uma população em trânsito para Auschwitz, um destino que também foi o seu.

Cuidar dos outros impediu-a de perder a esperança. Contra o inferno da lama e da doença, opôs a beleza da vida e enfatizou a capacidade regeneradora da mesma. Não tinha ilusões quanto ao futuro que a esperava mas apreciava os raros momentos de felicidade – a visão de uma flor ou de um pôr do sol. A sua presença luminosa no meio do sofrimento dos condenados a uma morte certa, levou a que os companheiros lhe chamassem “o coração pensante das barracas”. Etty tentou superar o sofrimento procurando dentro de si a presença de Deus. Um Deus frágil e silencioso, destituído de poder, carente de ajuda: “Há algo que cada vez é mais evidente para mim: que Tu não nos podes ajudar e que nós teremos que Te ajudar a ajudar-nos” (C W 2, p. 780). Ela  entendeu a criação como algo inacabado. Deveríamos colaborar com Deus para a completar pois é nosso dever ajudar Deus na solução dos problemas do mundo.

Dietrich Bonhoeffer foi um teólogo alemão, fundador da Igreja Confessante (Bekennende Kirche), um desvio da Igreja Luterana a que pertencia. Acusado de ter participado numa conspiração contra Hitler, esteve dois anos preso e foi enforcado no fim da guerra. Bonhoeffer é uma personagem multifacetada, na qual se fundem de um modo coerente, o cidadão e o crente, o teólogo e o investigador, o pastor que fala em nome da fé e o rebelde que se indigna contra a passividade e colaboração da Igreja Luterana alemã perante a questão judaica.

A prisão deu-lhe oportunidade para rever a fé e reformular conceitos bíblicos (vd.Resistência e Submissão. Cartas e anotações escritas na prisão, S. Leopoldo, Sinodal/EST, 2003 e Ética, Lisboa, Assírio e Alvim, 2007). É em nome da fidelidade a Deus que Bonhoeffer se propõe reformar a Igreja, repensar a teologia e refundar a ética. Num mundo que, segundo ele, “atingiu a maioridade”, o seu intento foi descobrir uma linguagem divina inequivocamente colocada ao serviço dos homens. Para ele, ser cristão é ser homem, é viver num mundo emancipado de Deus, situação essa que acaba com uma ideia falsa de divindade e nos leva a uma procura total, empenhada no concreto e no quotidiano.

Criticando a concepção de um Deus ex machina,Bonhoeffer propôs-nos um Deus sofredor e impotente, um Deus que  remete directamente para Cristo e para os homens. Os escritos que nos deixou visam tempos futuros, uma nova época sem Deus mas na qual a palavra de Deus comanda. No seu entender, não mais podemos ser religiosos no sentido tradicional do termo. Há que tomar parte activa no mundo, numa luta em prol da justiça e da paz. O cristianismo não é uma religião mítica dirigida para um além. Num mundo emancipado de Deus a nossa busca deverá voltar-se para a sociedade, para a vida de todos os dias. E encontramos Deus no mundo, no centro da vida, nas falhas humanas. A Igreja e os cristãos têm como missão manter-se vigilantes, denunciar e agir, ajudando Deus a realizar-se com os homens, no meio deles e com eles, na construção de uma nova época, num mundo sem Deus onde, no entanto, a palavra de Deus impere.

Alguns anos mais tarde, o filósofo judeu/alemão Hans Jonas interrogou-se sobre a incompatibilidade da existência de Deus e do Holocausto (O conceito de Deus após AuschwitzSão Paulo, Paulus, 2016). Um Deus que aceita o mal terá que ser enigmático, ininteligível, absconditus. Jonas pôs em causa o conceito de Deus como Senhor da História. Revisitando Job  perguntou: como foi possível Auschwitz? que Deus é este que permitiu tais atrocidades? Para o filósofo, a existência do mal é incompatível com o poder absoluto de Deus. Por isso declarou a Sua impotência, da qual a Shoahseria a melhor demonstração. Depois de criar o mundo, Deus não tem mais nada a oferecer aos homens. São estes que deverão trabalhar o que lhes foi dado.

O conceito de Deus, presente nestes três pensadores, tem de comum a vulnerabilidade. Note-se que tanto Etty como Bonhoeffer não puseram em causa a confiança em Deus. Para eles, um Deus frágil não representa algo de negativo. Implica sim a dignificação do homem, que é interpelado a colaborar numa criação incompleta, carente da ajuda humana para atingir a plenitude. Trata-se de uma resposta possível à acusação de Jonas de um Deus impotente, entendendo a fragilidade divina não como carência ou defeito mas como apelo à humanidade, convidando-a a colaborar numa criação incompleta, perante a qual uma atitude contemplativa não basta.

Penso que estes dois testemunhos constituem achegas a considerar para uma possível resposta à pertinente questão levantada pelo cardeal Ravasi: “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. Pela mão de Etty e de Bonhoeffer somos confrontados com  um Deus que nos considera parceiros activos da sua obra – um Deus que nos desafia.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é Professora Catedrática  de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (http://luisarife.wix.com/site; luisarife@sapo.pt)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres novidade

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco