[Quem ri por último ri pior]

A musicalidade dos risos esquisitos

| 2 Jan 2023

mulher a rir, foto c kaspars grinvalds

“A musicalidade dos risos esquisitos, para lá da beleza e da riqueza da pluralidade humana, mostra-nos que só não riem as bestas, ou os armados em besta.” Foto © Kaspars Grinvalds.

 

Estudar o riso enquanto gratificação televisiva despertou em mim uma atenção muito particular para com esse fenómeno no quotidiano. O que partilharei de seguida é apenas uma das muitas coisas de que me apercebi, achei interessante e registei numa espécie de “diário de bordo”, que fui completando nestes últimos anos.

Por meio de um amigo foi-me pedido que “mostrasse” o Porto a algumas pessoas; naturalmente, fi-lo. Mas nesse grupo estava alguém que despertou a minha atenção. Ela tinha um rosto e uma aparência cuidada. E tinha também uma voz bastante afável. Mas não foi isso que mexeu comigo. Foi outra coisa. Quando, no meio daquela tarde, por algum motivo, não me lembro qual, ouvi o seu riso, rapidamente dei por mim a pensar: “Como pode uma rapariga tão elegante ter um riso tão desconchavado?” Nunca tinha ouvido (e visto) nada assim. Fiquei estupefacto!

Mais tarde, conheci Eider, a sua irmã mais nova, com uma aparência igualmente cuidada e um ar delicado. E o seu riso? Pois, esse era assustadoramente parecido. Mas desenganem-se todos os que pensam que estou a exagerar quando digo que se trata de um riso distinto. Quando se ouve pela primeira vez, creio que não há quem não pense: estará engasgada, a sofrer, com falta de ar, a precisar de ajuda? É automático.

Anos mais tarde, acabei por conhecer Mari, a mãe dessas duas irmãs. E, sim, para minha surpresa, ela ria exatamente com a mesma “melodia” das suas filhas. Mas este registo não fica por aqui. Tenho uma última nota. Já conhecia Luma. Mas, com o tempo, ela tornou-se amiga íntima de Eider. E, sim, com o tempo, o seu riso “normal” passou a ser cada vez mais parecido com o dela. Porquê? Não sei. Mas pagava para saber…

Apenas sei que esse riso, se fosse delicado e harmonioso, tal como os rostos que lhe dão guarida, não teria despertado a minha atenção. O que seria uma pena. Pois não teria hoje um riso favorito. Nem tampouco um objetivo a cumprir: alimentá-lo, sempre que possível.

Tal como indicado por Aristóteles, rimos pelo simples facto de sermos humanos. Assim, a musicalidade dos risos esquisitos, para lá da beleza e da riqueza da pluralidade humana, mostra-nos ainda outra coisa: que só não riem as bestas, ou os armados em besta.

 

Abílio Almeida é doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho e investigador integrado do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da mesma instituição. É autor do livro História do Riso (2022), resultante da sua investigação doutoral.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This